Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Vitória sofrida

Jorge Neto - 05 de Maio, 2014

Tricolores levaram à melhor sobre os sambilas numa partida emotiva e de grande nível técnico e táctico

Fotografia: Kindala Manuel

O Petro de Luanda começou ontem com passos sólidos, a estabilidade que precisa no Girabola com uma vitória por 2-1, diante do Progresso Sambizanga, num desafio em que soube sofrer, mas também desperdiçar inúmeras oportunidades para dilatar o marcador.O golo madrugador dos petrolíferos, logo aos 3' apontado por Nari, a finalizar uma jogada de insistência, desequilibrou a estrutura mental dos sambilas.O desafio não podia começar da melhor maneira para os pupilos de Alexandre Grasseli, que viraram todas as baterias para a conquista do Girabola, após o afastamento na Taça da Confederação.

Em desvantagem no marcador, cabia aos visitantes correr atrás do prejuízo para tentar chegar à igualdade e foi o que fizeram. As suas linhas médias e ofensivas subiram com um futebol apoiado, atitude que chegou a remeter o adversário à defesa.Face à postura do adversário, os tricolores aguentaram a pressão e responderam na mesma moeda. A partida ganhou outro ritmo, mas o respeito em demasia quer de um e outro lado, baixou a qualidade da partida. Calú aos 26' fez estremecer a defesa do Petro com um cabeceamento que embateu na trave à guarda de Jotabé.

Aos 31´, o árbitro Paulo Talaia anula um golo de Keita, alegando falta do avançado petrolífero sobre dois defesas sambilas. Contudo, o atacante senegalês para mostrar que não passou de um simples aviso, voltou a marcar de cabeça oito minutos depois´, após uma cobrança de canto batido por Gilberto.O segundo tempo começou com um golo de Mano, aos 49´ depois de passar por Borges, fazendo aumentar a esperança dos sambilas para recuperar a desvantagem. Estava lançado o jogo. A saída do central Jaime estabilizou a defesa dos sambilas e o meio-campo ficou mais homogéneo. Mano podia ter bisado, mas frente a Jotabé rematou ao lado da baliza e desperdiçou o empate.

Depois foi a vez dos tricolores rondarem a baliza de Vozinha. Em dois lances, Isaac  quase matavam o jogo. Nesta altura, o técnico Lúcio Antunes apostou tudo no ataque com a entrada de Manucho Barros, depois já ter lançado Paz e Luís.   Porém, as três oportunidades mais flagrante do desafio, surgiram do lado dos tricolores, Keita, Gilberto e Manguxi, frente a Vozinha não foram capazes de bater o guarda-redes sambila, que defendeu em dois tempos.O árbitro Paulo Talaia foi infeliz ao invalidar o golo marcado por Keita, mas no cômputo geral, tirando isso, esteve certo nas suas decisões.

OS TÉCNICOS
Alexandre Grasseli
PETRO


“Tivemos estabilidade ao  longo da partida”-“Sabemos das dificuldades de cada jogo. Os adversários prepararam-se tal como nós, mas soubemos cadenciar o jogo e tivemos estabilidade. Em momento algum um técnico pede a sua equipa para recuar, isto acontece no jogo, mas os jogadores souberam defender bem o resultado e a vitória. Conversámos bastante com os atletas e alertamos que era preciso manter a estabilidade no jogo e felizmente eles conseguiram cumprir com as nossas orientações”.


Lúcio Antunes
PROGRESSO


“A minha equipa esteve melhor”-As duas equipas lutaram para ganhar o jogo, mas a minha equipa esteve melhor que o Petro. O adversário conseguiu ganhar o jogo, aliás temos consciência que vamos encontrar adversários difíceis e não vamos ganhar todos os desafios, mas temos de fazer sempre o melhor. Gostei da atitude dos meus jogadores, que tentaram chegar a igualdade, em função da desvantagem que trazíamos do intervalo. Foi um bom jogo e está de parabéns a equipa do Petro que foi mais feliz”.