Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Basquetebol

Angolanas garantem as "meias"

Hélder Jeremias - 18 de Novembro, 2017

Angolanas buscam o passe da final diante das moçambicanas

Fotografia: Jornal dos Desportos

Interclube e Ferroviário de Maputo reeditam hoje a final do \"Africano\" de 2016, quando, a partir das 19h00, entrarem para a quadra de jogo do pavilhão multiusos do Kilamba na disputa da segunda partida das meias-finais da 23ª edição da Taça de Clubes Campeões Africanos em basquetebol sénior feminino.. A final do evento de 2017 está marcada para amanhã.

Pela qualidade das equipas, o jogo centraliza as atenções dos prosélitos do basquetebol africano. Interclube e Ferroviário de Maputo estão revestidos de jogadoras de grande qualidade técnica e sincronização colectiva. A equipa adstrita à Polícia Nacional deve usar todos os recursos à disposição para impedir a materialização das pretensões das senhoras do Índico. A agonia da derrota impingida às moçambicanas por 67-49 no pavilhão do Maxequene continua presa na garganta. Hoje, é um dia propício para se redimirem do vexame caseiro.
 
O prognóstico do jogo entre Interclube e Ferroviário de Maputo é \"muito emotivo\" por tudo quanto produziram na fase de grupos. O Interclube saiu-se melhor, na qualidade de líder do grupo A, com quatro vitórias em igual número de jogos, enquanto o Ferroviário de Maputo terminou na segunda posição do grupo B com duas vitórias e uma derrota.

O técnico espanhol Joseba Inaki Martin Garcia está ciente de que o jogo das meias finais com o Interclube vai definir dois possíveis cenários para a sua equipa: a despromoção do segundo lugar ou a manutenção na luta pela conquista do anel continental. Ferroviário de Maputo entra na quadra no máximo da sua força, não obstante o favoritismo do factor caseiro das anfitriães.

O técnico do Interclube, Apolinário Paquete, reconhece que o Ferroviário de Maputo continua a pautar por um basquetebol de excelência. Durante a pausa e o jogo de ontem, para os quartos de finais, o treinador privilegiou a contenção de esforços para o jogo das meias-finais.

QUARTOS DE FINAIS

Ontem para os quartos de finais, o Ferroviário de Maputo bateu sem agravo nem dó o Groupement Sportif da Argélia por 83-44. A equipa do magreb teve de se render à supremacia das vice-campeães africanas desde o primeiro som do apito. No final do segundo quarto, as argelinas perdiam por 8-39.


QUARTOS DE FINAIS
Polícias angolanas “escorraçam” congolesas


Com garras de campeã, o Interclube evidenciou coesão na campanha rumo à revalidação do título africano. Ontem, as polícias angolanas derrotaram o DCMP da RDC por 68-38 em partida dos quartos de final da XXIII Taça de Clubes Campeões Africanos em basquetebol sénior  feminino, com palco no Arena do Kilamba. Ao intervalo, as angolanas já venciam por 38-17.

As campeãs africanas sabiam do favoritismo à vitória. As congolesas pautaram por um percurso sombrio na fase de grupos. Ontem, as vizinhas do norte entraram no jogo com indicador de fazer o melhor jogo na competição e despedir-se da luta pela coroa  de cabeça erguida.

Com felizarda Jorge, Eduarda Gabriel, Italee Lucas e Ndidi Madu a mostrarem alto poder de finalização, as comandadas de Apolinário Paquete começaram a desenhar a vitória que lhes garantiria o passe para as meias-finais. No final do primeiro quarto, venciam por 15-10 e chegaram ao intervalo com uma vantagem de 21 pontos: 38-17. As congolesas demonstraram frescura física, mas pecaram na marcação e evidenciaram défice na finalização. 12 atletas das 15 inscritas, converteram pontos. O destaque recai para Nyoka Mukosso com 10 pontos.

O Interclube aproveitou as fragilidades das adversárias para ensaiar as variantes tácticas com que vai entrar nas meias-finais diante do Ferroviário de Maputo. Venceu os dois quartos derradeiros por 53-28 e 68-38, numa clara alusão de que tem as condições para rivalidar o troféu continental.
                                                     

MEIA-FINAL
1º de Agosto busca final diante do First Bank


O 1º de Agosto procura hoje o passe para a final da 23ª edição da Taça de Clubes Campeões Africanos de basquetebol sénior feminino, quando, a partir das 16h45, medir forças com o First Bank da Nigéria, em jogo pontuável para as meias-finais da competição que decorre no Arena do Kilamba.

Depois de ter afastado ontem a modesta equipa do Equity do Quénia por 68-42, a equipa do Rio Seco tem de redobrar esforços para continuar na luta pelo resgate do título perdido em Maputo para o Interclube. As angolanas defrontam as nigerianas do First Bank, um grupo que pratica um basquetebol excelente e notabiliza-se pela capacidade de sofrimento e imprevisibilidade nas acções ofensivas.

Com o insucesso da época transacta ainda por digerir, Jaime Covilhã acredita que o trabalho tem surtido os efeitos desejados, mesmo que prefira não entrar em euforias antes do desfecho. A desenvoltura da equipa militar permite aferir que reina no seio do conjunto a força anímica para se levar a bom porto as metas preconizadas pela direcção de Carlos Hendrick na maior montra da bola ao cesto ao nível de clubes.

O jogo diante do Equity do Quénia não serviu para tirar grande ilações sobre a prontidão da equipa militar para suportar a pressão que as equipas com maior tarimba lhe podem causar doravante. Nota-se alguma destreza por parte das atletas quanto às transições defesa-ataque, a circulação da bola, as assistências.