Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

espera de melhores dias

Srgio V. Dias/no Cuito - 01 de Outubro, 2013

Director dos Desportos no Bi, Anastcio Sambowe, acredita que os investimentos no sector vo ajudar a melhorar o desporto local

Fotografia: Jornal dos Desportos

O desporto na província do Bié aguarda melhores dias. Neste momento, o sector desportivo faz uma verdadeira “travessia no deserto”, com o estado de letargia com que se confrontam muitas das modalidades, incluindo o rei-futebol.

A Lei do Mecenato, que está na forja, é apontada por alguns entendidos na matéria, como Anastácio Severino Sambowe, o “homem forte” do desporto bieno, como uma possível solução da crise que o sector enfrenta.

O número “um” do Ministério da Juventude e Desportos do Bié sublinha haver, ainda, muita coisa por se fazer a nível do sector. Por isso, aponta a Lei do Mecenato, que pode impulsionar o desenvolvimento do desporto e a conjugação de esforços de todos os sectores afins como solução para tirar as diferentes modalidades da letargia.

Aliás, durante a realização do VII Conselho Consultivo alargado do Minjud colheram-se várias contribuições sobre a Lei. Anastácio Sambowe lembra que há enormes dificuldades na busca de apoios, particularmente da classe empresarial, porque os investimentos feitos a nível do desporto não têm retorno.

Não obstante o quadro menos bom do sector, ainda assim deve-se relevar algumas acções que ocorrem aqui e acolá na perspectiva de mudar o actual rumo dos acontecimentos das diferentes disciplinas desportivas e particularmente no futebol.

A nível do desporto-rei vale destacar o processo de massificação realizado pela equipa do Sporting do Bié, que enceta passos no intuito de regressar ao convívio dos grandes do nosso “association”. A turma leonina vai em princípio representar a província na próxima edição do Zonal de Apuramento ao Girabola.

O Victória Atlético Clube, a exemplo do Sporting, também está a dar um passo no sentido da massificação. O grande “handicap” que os clubes enfrentam tem a ver com a falta de apoios. A massificação em curso visa colocar o futebol bieno no mais alto pedestal e sobretudo resgatar a mística que este granjeou no tempo em que o Sporting do Bié, Juventude do Cunje e Victória Atlético estiveram no Girabola.

Relativamente às outras modalidades, a sua desenvoltura surge mais numa perspectiva de recreação. A direcção do Sporting, por exemplo, está a massificar além do futebol, o basquetebol e o andebol.

No caso particular do desporto adaptado, a Escola de Atletismo Boa Esperança tem feito um grande trabalho, promovendo muitos atletas que hoje dão cartas a nível das provas nacionais. Esta escola tem, inclusive, atletas a formarem-se no exterior do país.

O Minjud no Bié controla as associações provinciais de futebol, andebol, basquetebol, futsal e de voleibol. Além dessas associações, existem também na província núcleos dinamizadores de xadrez, de luta livre, karaté-do, capoeira e de outras disciplinas.

ATLETISMO
Prova "Cuito cidade invicta"
vai revitalizar a modalidade


O atletismo na província do Bié está a dar passos no sentido de voltar a impor-se na arena desportiva nacional. O regresso às competições nacionais dá outro impulso à modalidade, segundo o presidente da Associação de Atletismo da província, José Kolingarna.

A participação em provas nacionais para atletas normais e paralímpicos é sinal de que tudo está a decorrer conforme as metas traçadas pela Associação Provincial de Atletismo (APA) do Bié, que forja o regresso dos seus “sprinters” à ribalta do desporto nacional.

“Apesar das dificuldades enfrentadas no seio dos clubes existentes na província, temos tido alguns êxitos. A escola Boa Esperança tem sido um grande fornecedor de atletas a nível das provas realizadas na província”, disse José Kolingarna.

A realização da prova “Cuito cidade invicta”, de periodicidade anual, vai dar outro impulso à modalidade, já que se pretende dar dimensão nacional à mesma. A prova vai apurar antes os representantes municipais.

“A realização de provas para apurar os representantes dos nove municípios para a grande prova ‘Cuito cidade invicta’ permite encontrar novos valores para o atletismo local, na especialidade de fundo e meio fundo, onde o Bié tem tradição”, disse.

José Kolingarna lamentou, por outro lado, a falta de apoios a que a modalidade está sujeita, lembrando também o fraco apoio do empresariado local.
O responsável do Atletismo no Bié disse, ainda, que com a criação do Conselho Provincial dos Desportos espera-se dias melhores para a modalidade.
JOÃO CONSTANTINO, NO CUITO


COMUNA DO CUNJE
Quadra de jogos
foi requalificada


É ponto assente que o quadro no capítulo de infra-estruturas desportivas no Bié ainda não é dos melhores, mas ainda assim, através do esforço do governo provincial, foram reabilitados o pavilhão gimnodesportivo do Sporting do Bié, o Estádio dos Eucaliptos e as instalações do Victória Atlético Clube, cuja direcção envida esforços para o arrelvamento do campo de futebol.

Em 2012 foi feito o lançamento da primeira pedra pelo ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, para a construção de um campo de jogos coberto, a ser integrado num centro desportivo da comuna do Cunje, no Cuito.Esta imponente estrutura, cujas obras por enquanto estão paralisadas, vai contar, entre outras dependências, com um estádio de futebol relvado.

O director do Ministério da Juventude e Desportos (MINJUD) no Bié, Anastácio Severino Sambowe, disse ao nosso jornal que as obras dessa imponente estrutura foram alvo de requalificação e que em consequência disso, aguarda-se pelo projecto do actual empreiteiro a que a mesma foi adjudicada.
ELSA DIAS, NO CUITO


FUTEBOL AUSENTE DESDE 2005 
Sporting aposta no escalão de formação



Desde a altura do lançamento da primeira edição do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabola, em 1979, até aos nossos dias, evoluíram três equipas da província do Bié nesta prova. Victória Atlético, Juventude do Cunje e Sporting do Bié são os conjuntos que desfilaram nesse carrossel da maior prova do desporto-rei no país.
Ontem gigantes e hoje acossados por fortes problemas financeiros, os clubes da província do Bié procuram sacudir a “água do capote”, apostando nos escalões de formação para depois tentarem o assalto à fina-flor do futebol nacional.
Nesse sentido, o Sporting, que actuou nas edições do Girabola de 1987, 1999, 2001 e 2005, aparece a liderar esse processo de formação já que conta este ano, além dos seus escalões de formação, com uma equipa sénior, que evolui no provincial de futebol.

No campeonato provincial unificado júnior/sénior do Bié participam além da equipa sénior do Sporting, a de juniores desta mesma colectividade, a do Recreativo do Cunhinga, Victória Atlético, Benfica do Cunje, Recreativo do Chinguar, Benfica do Andulo, Sporting de Catabola, Desportivo de Camacupa e das Velhas Guardas.

As Velhas Guardas do Bié jogam apenas para rodar a equipa nesta competição que é disputada a uma única volta e que já tem o Sporting como digno representante da província no Zonal de Apuramento ao Girabola de 2014. A província do Bié, de acordo com Anastácio Sambowe, director provincial da Juventude e Desportos, enfrenta imensas dificuldades no que concerne ao desporto-rei. O responsável lembra, também, os momentos áureos da modalidade-rainha na província, quando as equipas do Sporting, Juventude do Cunje e do Victória Atlético Clube do Cunje, que depois evoluiu para Dínamo do Bié, estiveram no Girabola.

O Victória e o Juventude do Cunje tiveram, inclusive, o privilégio de participar na primeira edição do Girabola, em 1979, e, curiosamente, dos pés do malogrado futebolista Minguito, da primeira equipa, saiu o golo inaugural da prova.

Após o conflito armado desencadeado no período subsequente ao das eleições de 1992, todas as infra-estruturas da província foram arrasadas pela guerra.
“É por essa razão que o desporto na nossa província e o futebol em particular se deparam com imensas dificuldades. O governo provincial faz a sua parte através da direcção provincial do Ministério da Juventude e Desportos (Minjud), mas esse apoio não cobre todas as necessidades dos clubes, porque o desporto, na sua plenitude, carece de muitos investimentos. Tudo isso está na base do estado decadente do futebol bieno”, frisou o director do Minjud no contacto mantido com o Jornal dos Desportos.
Sérgio V. Dias/no Cuito

INFRA-ESTRUTURAS DESPORTIVAS
Governo aposta na reabilitação


O governo da província do Bié apostou na reabilitação das infra-estruturas desportivas. A afirmação é do director provincial da Juventude e Desportos, Anastácio Severino Sambowe, que assegura estar em execução a recuperação das sedes do Benfica do Chinguar e Desportivo de Nharea.

Depois da inauguração dos pavilhões multiusos da comuna do Cunje, no Cuito, bem como outros dois no município do Chinguar, pelo governador da província, Boavida Neto, existe um programa do governo provincial em relação ao desporto.

Anastácio Severino Sambowe referiu que tal programa visa reabilitar todas as infra-estruturas desportivas afectas aos clubes nos municípios da província.
“É um projecto que já teve o seu início. Reabilitar os centros desportivos e culturais existentes nos municípios da província é uma das metas traçadas. Já vimos como ficou o pavilhão da comuna do Cunje, que era descoberto e sem vedação. A mesma estrutura agora está com um aspecto melhor”, disse.

O responsável afirmou ainda ser pretensão do governo provincial recuperar os campos existentes em algumas escolas para facilitar a inserção dos alunos nas actividades de carácter desportivo. No Bié, os vários municípios possuem centros desportivos e culturais, que ficaram degradados na sequência da guerra que assolou o país.
“Hoje além da recuperação dessas infra-estruturas, o governo provincial do Bié aposta, ainda, na concretização dos  centros desportivos comunitários, um projecto do Ministério da Juventude e Desportos”, lembra Anastácio Sambowe.
JOÃO CONSTANTINO, NO CUITO


MUITOS ANOS DEPOIS
Futebol de regresso 
aos relvados da região


Depois de 11 anos de inactividade, os campeonatos provinciais de futebol unificado seniores/juniores voltaram a dar alegria ao povo do Bié. Desde o mês de Maio que teve início a presente edição do “provincial” da modalidade, que conta com a participação de dez equipas que disputam a prova numa única volta.

Amões Paulo, secretário-geral da Associação Provincial de Futebol (APF) do Bié, disse ter sido um grande esforço do organismo trazer de volta a realização dos campeonatos provinciais unificados seniores/juniores em masculinos.

“As equipas não tinham nada organizado. Não tinham a sua situação regularizada e nem os seus atletas inscritos no organismo reitor do futebol nacional. Não podiam pagar as fichas de inscrição, nem campos para realizar os jogos”, disse o responsável da APF.

Tal como as equipas, a Associação de Futebol também enfrenta grandes dificuldades, desde a falta de uma sede e de recursos financeiros. O I Encontro Provincial do Desporto veio dar uma lufada de ar fresco ao desporto local. “A criação do Conselho Provincial dos Desportos veio dar outro impulso no desporto bieno. Temos uma verba cabimentada para a realização das diversas actividades desportivas e isso veio permitir a realização do campeonato provincial”, disse.

Amões Paulo disse que se torna complicado manter o curso do “provincial” de futebol, se não conseguirem “mais dinheiro para cobrir as despesas inerentes à temporada”.
“Até agora quem suporta a participação das equipas dos municípios são as próprias administrações, porque os clubes estão descapitalizados. Este ano facilitámos a filiação dos clubes e as inscrições dos atletas, com a APF a suportar as taxas de inscrições. Os clubes devem ter capacidade financeira para suportar os encargos decorrentes da prova”, disse o secretário-geral da APF do Bié.
JOÃO CONSTANTINO, NO CUITO