Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

A grande referência do ténis angolano

Sardinha Teixeira - 04 de Junho, 2010

Augusto Pinto Ganino é professor de ténis no Clube de Luanda

Fotografia: M. Machangongo

Poucos dias antes do início de mais um campeonato provincial de ténis de Luanda, aquele que é o tenista angolano melhor classificado de sempre conseguiu dedicar algum do seu precioso tempo, acedendo responder a algumas questões, revelando algo mais do homem por detrás da raquete e também do enorme atleta de nível africano.

Ganino começou a praticar a modalidade aos 16 anos, no tempo colonial, na escola nas aulas de Educação Física, como todos os miúdos. Foi então que começou a pensar no porquê de não experimentar a modalidade, já que era algo de que gostava, pois ia sempre assistir os jogos e acompanhava de perto a carreira de alguns tenistas.

Após a Independência Nacional, Ganito representou quatro clubes grandes do nosso desporto: Petro de Luanda, em 1980, Dínamos de Angola, em 1981, e TAAG, em 1982, transferindo-se depois para o Sagrada Esperança, onde conquistou quatro títulos nacionais seniores nos anos 85, 86, 87 e 88, sendo o momento mais alto da sua carreira, pois, concretizava o seu sonho de fazer parte a tempo inteiro dos seniores desse clube.

Augusto Pinto "Ganino" revelou o segredo dos êxitos obtidos: "o meu principal objectivo era o trabalho! Trabalhar, treinar, evoluir, são tudo coisas de que naquele momento precisava e estava à procura. Para alcançar níveis muito altos e maximizar capacidades, esse era o único caminho. Treinar bem, ser humilde e ter os pés bem assentes na terra". Constam, igualmente, do seu palmarés oito internacionalizações ao serviço da Selecção Nacional de seniores. "Qualquer jogador sonha com a Selecção. Felizmente, tive a oportunidade de a representar", disse o tenista.

Posteriormente, Ganino trans-  feriu-se para o Clube de Ténis de Luanda, onde terminou a sua carreira desportiva. Actualmente, é professor de ténis de campo nessa agremiação. "Tenho a dizer que o Clube Ténis de Luanda tem óptimas condições de treino e bom ambiente para a prática e desenvolvimento da modalidade. Só tenho a dizer: aproveitem o que temos de bom, que é muito!", comentou.

O professor de ténis de campo Augusto Pinto "Ganino" deixa uma mensagem aos mais novos, praticantes e não praticantes de ténis, simples pessoas que não têm como ele, a visão e o conhecimento pessoal das realidades e que lhe permitem ajuizar a evolução do país e do mundo: - Temos de acreditar naquilo que temos. Nós somos tão bons ou melhores que os outros. É preciso é acreditar e fazer por isso todos os dias. Quanto mais trabalho, mais sorte pareço ter!

Altos & Baixos
Sou treinador

"Depois de parar de jogar, tornei-me treinador de alto nível e trabalho com estrelas do amanhã. Actualmente, coordeno um grupo, onde falo um pouco sobre a minha experiência como tenista, além de falar sobre a vida de treinador. Eu acho que esse passo foi muito importante para eu começar a tomar conta de mim mesmo, assumir responsabilidades e dirigir a minha própria vida".

Entrar de cabeça

"Os torneios não deixam de ser importantes, pois eu acho que os torneios têm uma função na formação de um jogador, pois fazem parte do crescimento. Acredito que, com mais torneios, o ténis pode formar bem um tenista, que vai estar pronto lá pelos 21, 22 anos e, aí sim, é hora de entrar de cabeça nos torneios competitivos", disse.

Quem é quem

Nome: Augusto Pinto "Ganino"
Datade nascimento: 17/6/ 1948
Natural: Luanda
Nacionalidade: Angolana
Peso: 65 kg
Altura: 1,58 m
Modalidade: Ténis de Campo
Clube: Clube de Ténis
de Luanda.
Prato preferido: Funji de peixe seco e feijão
Tabaco: Não
Bebida: Cerveja
Número de calçado: 38
Hobbyes: Leitura e desporto
Filmes: Acção
Religião: Católica
Cor: Depende da ocasião
Poligamia: Contra
Perfume: Diversos
Música: Semba
Esplanada ou discoteca: Esplanada
Droga: Contra
País: Angola
Cidade: Lubango
Conduz: Não
Um livro: Mestre Tomada
Campo ou praia: Praia
Deus: O Homem maravilhoso
O que mais detesta: Confusão