Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Benguela capricha na preparao do CAN

Jlio Gaiano, em Benguela - 15 de Outubro, 2009

trs meses do incio da Taa Africana das Naes Orange-Angola2010

Fotografia: Francisco Bernardo Jornal dos Desportos

A última visita dos inspectores da Confederação Africana de Futebol, a quinta do cômputo geral, realizada no país e, em Benguela, em particular, onde permaneceram dois dias (26 e 27 de Setembro) continua a ser motivo de comentários positivos entre os aficionados do desporto, da política, governantes e agentes da sociedade civil. É a Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010 em futebol que continua a morar no âmago dos benguelenses.
Durante a visita, os inspectores tomaram conhecimento da realidade da província, relativamente às infra-estruturas que se erguem em torno do certame. Na verdade, muita coisa está a ser feita. Benguela transformou-se num autêntico canteiro de obras, que engloba edifícios, estradas, linhas-férreas e hospitais nas principais cidades e vilas de Benguela. É a Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010 que todos aguardam dentro de três meses.
Ainda assim, há que reconhecer que muito tem de ser feito para que, na hora da verdade, o essencial não falte, como recomendou o Bispo Emérito de Benguela, Dom Óscar Lino Braga, aquando da realização da Gala de Homenagem de figuras que se destacaram nas distintas áreas da sociedade benguelense e que foram indicadas como embaixadores da Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010, em Benguela.
Na altura, o prelado católico alertou os organizadores para não “adormecerem” com as pequenas conquistas, já que o desafio que os aguarda se afigura ainda maior.
Pelo que tem dado a observar, a Direcção Provincial do Comité Organizador do Campeonato Africano das Nações (COCAN) em Benguela acatou a mensagem. Redobrou os esforços e tudo faz para que, até ao dia do arranque da prova, nada falte e a máquina carbure sem problemas.
Assim vão as obras em franco crescimento nas principais cidades de Benguela, designadamente, Lobito, Benguela, Cubal e Ganda, além das vilas da Catumbela, Baía Farta, Bocóio, Balombo, Caimbambo e Chongorói, todas elas com as atenções viradas para o êxito da Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010, que se pretende exemplar.

OBRAS DO ESTÁDIO
A 95 POR CENTO

Desde 26 de Setembro, altura em que a comitiva de inspectores da Confederação Africana de Futebol, liderada pelo argelino Mohamed Raouaraoua, pôde constatar “in situ”como andavam as obras que se erguem no bairro da Taka, em que testemunhou o florir da relva entre outras realidades, as coisas evoluíram de forma galopante, facto que nos leva a acreditar nas promessas dos homens, que passam pela entrega das obras até 31 do corrente.
Se ainda existia algum cepticismo, este deve ser ultrapassado agora e já. O Estádio da Nossa Senhora das Graças (Benguela) está um mimo. É uma questão de visitá-lo e confirmar com os próprios olhos. E dizemos mais: dentro de dias, provavelmente antes do 31 de Outubro, as obras do Estádio terminam, restando as que se executam nas envolventes. Aqui, o trabalho não pára, os operários trabalham dias a fio, tudo porque pretendem ver tudo concluído até ao fim do ano.
No interior do Estádio, a maioria das áreas, como balneários, vestiários, sala de musculação, cabine de impressa, entre outras, está em avançado estado de acabamento. A pintura e colocação de azulejos e vidros nas janelas deixaram de constituir problemas aos empreiteiros.
No estádio também já está em funcionamento as redes eléctrica e de telefones.

"ESTÁ BONITO"

O verde da relva no rectângulo de jogo continua a alegrar os munícipes. “Está bonito”, afirmou Matias Somakwenje, um dos operários que dão no duro para ver edificado o imponente estádio de futebol no bairro da Taka, a seis quilómetros da cidade de Benguela.
Em menos de 30 dias, desde que as sementes foram lançadas, o relvado possui já um belíssimo aspecto, dando a crer que não vai ser necessário aguardar pelos 120 dias para a sua maturação, tal como aconselham os responsáveis da Support In Sport (SIS), empresa que colocou a relva. O Estádio de Benguela deixou de ser um sonho e transformou-se em motivo de orgulho para os benguelenses que, no seu dia-a-dia, só falam da Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010 a realizar-se de 10 a 31 de Janeiro. A cidade de Benguela alberga a Série C do referido certame.

Relva cresce viçosa
nos campos de apoio

O arrelvamento nos campos de apoio à Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010 arrancou na semana passada, sendo o estádio São Filipe o primeiro a merecer tal intervenção.
Informações colhidas no local dão conta que Nos campos Comandante Fragoso de Matos (Catumbela) e Buraco (Lobito), o processo de arrelvamento vai acontecer nos próximos dias, logo que terminem os trabalhos de preparação dos seus respectivos solos, como a compactação, sistema de regas e adubação do solo.
“Pensamos que até ao princípio da próxima semana, vamos atacar o campo da União da Catumbela e mais tarde o do Buraco”, informou um dos responsáveis da SIS.
A referida fonte garantiu que, até finais de Dezembro e princípios de Janeiro, todas as obras destinadas a servir o evento vão ser concluídas, pelo que tranquilizou os cidadãos que manifestam, ainda, algumas reservas no cumprimento dos prazos. O responsável da SIS afirmou que a sua empresa está a fazer tudo para que as obras sejam entregue com perfeição nas datas acordadas, aquando da celebração do contrato com o Estado angolano.

ESTÁDIO MUNICIPAL
É O ÚLTIMO DA LISTA

Por ter acolhido os jogos referentes ao Girabola, o processo de arrelvamento no Estádio Municipal Edelfrides Costa, em Benguela, arranca apenas em finais de Outubro, concretamente, após o termo do Campeonato, facto que deixa muita gente céptica quanto ao cumprimento dos prazos.
Sobre essa questão, o director executivo do COCAN em Benguela, Pedro Garcia, tranquilizou os benguelenses e assegurou que tudo está salvaguardado e que em nada vai atrapalhar o processo, dada a tecnologia envolvida.
“Estamos tranquilos, até porque, pelas explicações que recebemos dos empreiteiros, nada está perdido, pelo contrário, estamos dentro dos prazos. Na verdade, gostaríamos de ver concluído mais cedo, para nos possibilitar testar a sua maturação através de algumas actividades desportivas. Não acontecendo isso, resta-nos aguardar e acreditar no trabalho que aqui está a ser desenvolvido”, referiu.
Do que nos foi dado a observar, o campo do Estádio do São Filipe, afecto ao Nacional Sport Clube de Benguela, é o que está mais avançado. A bancada foi completamente remodelada. A antiga, com a capacidade de três mil pessoas sentadas em betão-armado, foi demolida e deu lugar a uma nova, com capacidade para albergar cerca de cinco mil espectadores sentados em cadeiras plásticas.
A outra grande revolução no referido estádio é a colocação de quatro torres de iluminação, além das lojas para a venda de materiais desportivos.

VIVEIROS ESTÃO A FLORIR
NO RAIMUNDO FERRÃO

A situação dos viveiros foi motivo de alguma preocupação da população benguelense durante o início das obras. Os aficcionados do futebol haviam questionado a manutenção da relva a implantar no futuro Estádio de Benguela e nos campos de apoio. Hoje, a preocupação deixou de existir, pois o Governo da província, em parceria com o Ministério das Obras Públicas, encontrou, como alternativa, o campo Raimundo Ferrão, pertença do Electro Sport Clube do Lobito e o quintalão da BAOC, no aeroporto da Catumbela.
Nos dois locais, as obras continuam a ritmo acelerado, dando a entender que as mesmas terminam com a colocação das respectivas relvas (já pronta a servir) até finais de Dezembro do corrente. Foi o que garantiram os empreiteiros angolanos e estrangeiros envolvidos na tarefa.
Para o professor João Gomes, coordenador técnico de futebol do Electro do Lobito, “apesar de servir apenas de viveiro para os estádios reabilitados e o novo em construção, valeu a iniciativa do Governo, pois, com a relva no campo, haverá outra motivação dos petizes em aprender o ABC do futebol”.
Com a colocação do tapete verde no campo Raimundo Ferrão (Electro do Lobito) e no campo da BAOC, o município do Lobito ganha quatro campos relvados (Buraco, Electro, Fragoso de Matos e BAOC). O mesmo acontece na vizinha cidade de Benguela, onde, além do novo Estádio de futebol, o município ganha dois campos relvados (Municipal e São Filipe).

CAMPO DO ARREGAÇA
AGUARDA ESTUDO

O Jornal dos Desportos apurou estão a ser feitos estudos, pelo executivo de Armando da Cruz Neto, Governador da Província de Benguela, para se recolocar a relva no campo do Estádio do Arregaça, localizado no bairro do Camunda, junto à paróquia da Nossa Senhora de Nazaré.
O referido estádio, pertença do Sporting Clube de Benguela, foi o primeiro a receber relva natural no país. Por falta de manutenção, aliada à falta de recursos por parte do clube, a relva secou e o campo voltou a ser pelado.
A direcção do clube, liderada por Victor Sakulanda, não tem dinheiro para recolocar a relva, mas acredtia que “tarde ou cedo, o Governo vai materializar a promessa deixada pelo director provincial da Juventude e Desportos, Pedro Garcia”.