Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Cabinda orgulhosa com novo estádio

Joaquim Suami, em Cabinda - 24 de Dezembro, 2009

Estádio Internacional do Chiazi entregue às autoridades

Fotografia: Rafael Tati

A edificação do Estádio Internacional do Chiazi, em Cabinda, que vai acolher os jogos do Grupo B (que integra as selecções da Costa do Marfim, Burkina-Faso, Ghana e Togo) da Taça de África das Nações Orange-Angola’2010 está concluída.
O acto de entrega provisória da obra pela empresa chinesa China Jiangsu aconteceu na sala de conferências do estádio, numa cerimónia que contou com a presença do ministro das Obras Públicas, Higino Carneiro, do governador de Cabinda, Mawete João Baptista, os vice-governadores, António Manuel Gime e Feliciano Toco, o vice ministro das Obras Públicas, Joanes André, do comandante provincial da Polícia Nacional, comissário António Pedro Kandela, de membros do governo, do COCAN e convidados.
A edificação do Estádio Internacional durou 18 meses e foi custou 85 milhões de dólares americanos. Trabalharam na obra 500 técnicos angolanos e igual número de chineses. Com 204 lugares para VIPs, 68 lugares para deficientes, 104 lugares na tribuna de imprensa, tem capacidade para 20 mil espectadores. Possui ainda suites, uma sala especial para o Presidente da República, sete elevadores, restaurantes e salas de repouso.
O director técnico da empresa China Jiangsu, Carlos Ku, referiu que o estádio tem dimensões internacionais. Realçou também que a empresa que dirige cumpriu na totalidade com o cronograma estabelecido pelo Governo de Angola.
O empreendimento possui, ainda, sistemas de som, iluminação e sistema de vídeo vigilância e um parque de estacionamento com a capacidade para mil viaturas.
“Apesar das dificuldades por que passamos, a empresa China Jiangsu cumpriu o prazo estabelecido pelo Governo Angolano. Durante 18 meses de trabalho, muitos jovens locais aprenderam com os chineses várias profissões ligadas à construção civil”, referiu.
Além do Estádio Internacional, a China Jiangsu procedeu à entrega provisória ao Ministério das Obras Públicas do campo de treinos do Chiazi. Avaliado em 6,4 milhões de kwanzas, o empreendimento está em boas condições para as equipas efectuarem os seus treinos.  
A par do campo de treinos do Chiazi, a província de Cabinda conta com os campos do Tafe e do Chibodo, que também constam dos planos do COCAN para o Campeonato Africano das Nações. Os dois, cujas obras estão a cargo da empresa portuguesa Mondo, estão em fase de conclusão.

Governador manifesta orgulho

O governador de Cabinda, Mawete João Baptista, disse que a conclusão do Estádio Internacional do Chiazi é um orgulho para a população de Cabinda.
“Sinto-me orgulhoso, pois a obra representa uma grande alegria para os angolanos, de Cabinda ao Cunene. É uma infra-estrutura gigantesca que orgulha qualquer angolano. Receber este empreendimento é uma responsabilidade para a província e, como tal, propomo-nos a cuidar do mesmo”, disse.
Para Mawete João Baptista, depois do esforço demonstrado pela empresa chinesa no cumprimento do cronograma estabelecido pelo Governo Central para a construção do Estádio Internacional do Chiazi, cabe, daqui para a frente, ao Governo da província gerir da melhor forma o empreendimento para daí resultarem ganhos económicos e sociais.
O dirigente afirmou que o estádio internacional vai servir também para albergar os jogos da próxima edição do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, em que a província vai ser representada pelo Sporting de Cabinda e do Futebol Clube, duas das principais formações da província.
“Cabinda possui duas equipas no Girabola e, naturalmente, as outras colectividades que aqui virão, vão encontrar o calor humano da nossa juventude. A gestão do estádio vai ser discutida a nível do Governo da província e o Ministério da Juventude e Desportos, para ver que enquadramento daremos ao mesmo”, conclui.

"O governo cumpriu o seu papel"

O ministro das Obras Públicas, Higino Carneiro, referiu que o Governo de Angola “cumpriu o seu papel” ao construir quatro estádios de dimensão internacional, que vão acolher os jogos do CAN’2010, nas cidades de Benguela, de Cabinda, de Luanda e da Huíla.
Higino Carneiro, que falava à imprensa no final da recepção provisória do Estádio Internacional do Chiazi, realçou o grande empenho dos governos provinciais, das empresas, dos fiscais e de todos os autores que estiveram envolvidos no processo de construção das respectivas infra-estruturas.
“O Governo de Angola cumpriu. As empresas cumpriram e os fiscais também. Houve um grande empenho dos governos provinciais e de todos os autores que estiveram envolvidos neste processo. A nossa satisfação é imensa, porquanto, depois de muito trabalho árduo e dificuldades, o processo foi concluído e, sem dúvidas, teremos um bom CAN”, orgulha-se.
O governante mostrou-se satisfeito em estar em Cabinda para fazer a recepção provisória do Estádio Internacional do Chiazi, que, referiu, foi o que mais dificuldades apresentou à empreiteira durante a sua edificação.
“As dificuldades não dependiam só de Angola, sobretudo no que toca ao material, que tinham de vir de Ponta Negra num momento em que se assistia a alguma instabilidade, mas foi possível concluir a obra. É uma obra-prima, quem anda por dentro dela parece estar num Hotel. De forma geral, devemos sentir-nos satisfeitos”.
O ministro referiu-se, ainda, às áreas de comércio e restauração de o estádio dispõe. De acordo com Higino Carneiro, que estava prevista a construção de um hotel com 100 quartos, o que não foi levado avante pelo facto de a CAF ter detectado “alguns aspectos de segurança".