Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Calvagar no centro Hípico

Álvaro Alexandre - 03 de Julho, 2011

Centro Hípico Gimunalu, fundado a 17 de Setembro de 2009, na comuna da Funda

Fotografia: Jornal dos Desportos

A única instituição do país com condições adequadas para a prática da equitação está dividida em três áreas, no Complexo Desportivo: uma escola, centro de reprodução e outro de criação de animais. O director do Centro Hípico Gimunalu, Bruno Ferreira, explicou como funciona a instituição. "A escola funciona com um professor e um ajudante de equitação, que preparam 130 alunos, aos sábados e domingos, entre as 8h30 e as 18h30, tendo cada aula a duração de 20 a 45 minutos, por pessoa", avançou.

O departamento académico é assegurado por 90 cavalos. "Este sector funciona com um parque, uma escola e o viveiro", explicou, acrescentando que "o viveiro é repartido em função das idades. Temos os de seis meses e os de um ano". Na opinião de Bruno Ferreira, não existe competição nacional por falta de mais clubes vocacionados para este fins. "A competição é interna. A concorrência é individual. O hipismo está numa fase inicial do seu processo. Dos 130 praticantes inscritos na instituição, apenas 20 possuem nível médio para competição regular", clarificou.

Em Angola, o hipismo está restringido às modalidades de Dressage (movimentos executados entre o cavalo e o cavaleiro), a mais concorrida a nível mundial, e a de obstáculos (exercida  através de saltos, de 50, 80 e 100 centímetros). Praticar a modalidade é caro. Um candidato disposto a fazer vivência diária com os cavalos deve reunir recursos financeiros confortáveis.

"A inscrição do candidato custa 2.500 kwanzas. Uma sessão de quatro aulas está tabelada em 12 mil kwanzas e se forem oito custa 18 mil kwanzas. O aluno obedece ao uso obrigatório do toque (capacete), calças para montar e botas apropriadas. Todo o material está disponível no centro. O passeio de cavalo nas redondezas do centro custa 2.500 kwanzas por hora", concluiu. A nível mundial existem cinco escolas de referência. A qualidade dos cavalos e escola típica de formação estão fixadas na Holanda, Bélgica, Alemanha e França.


O título de mestre
de Nils de Almeida

Nils de Almeida, futura glória da equitação angolana, perspectiva tornar-se o primeiro mestre de hipismo no país. Pratica a modalidade há dois anos e já consta como uma das principais referências entre os 130 praticantes do Centro Hípico Gimunalu. Nils é um dos primeiros praticantes da instituição e ocupou a segunda posição no concurso de gincana (modalidade constituída com vários obstáculos), realizado no dia 12 Junho, no capítulo de formadores dos cavaleiros desportivos. Bárbara Moutinho foi a grande vencedora do concurso.

A meta imediata avançada pelo cavaleiro Nils de Almeida tem como finalidade acelerar o nível preparatório, com vista a atingir os níveis competitivos. O cavaleiro pretende ter a posse do domínio da modalidade em Angola. "O grande passo é conseguir oportunidades para disputar torneios nacionais e internacionais de gabarito, no sentido de obter experiências. Nesse campo, sonho participar nos torneios de referência mundial. O realce vai para a Alemanha, França e Portugal, onde a modalidade é vista com seriedade", disse.

O objectivo do atleta é valorizar a nacionalidade angolana, colocar a bandeira do país nos principais recintos mundiais. O cavaleiro do Centro Hípico Gimunalu está preocupado com a falta de incentivo por parte dos empresários nacionais, na vertente de criação de mais centros de formação de hipismo. "Para ganhar notabilidade, o desporto de equitação necessita de mais escolas, de preferência no centro das cidades, locais de maior fluxo habitacional, para permitir o seu rápido crescimento", finalizou.

Fequangola fiel às prioridades

A Federação Equestre de Angola (Fequangola) está a  implementar os planos traçados no pacote de prioridades, assumidas para a primeira fase do mandato da direcção. A disponibilidade de execução integral do projecto foi assumida ontem, no Centro Escolar Beniamino nº 8067, pela vice-presidente da Fequangola, Ginga Neto, no final do acto de entrega dos prémios aos alunos destacados no concurso “paixão pela arte do desenho e do cavalo".

"A primeira fase do projecto visa reunir toda a legislação afecta ao equestre nacional e internacional. O objectivo é regular a modalidade no país aos padrões universais. A actividade passa por identificar e estimular os atletas para a prática da modalidade. Incentivar os criadores de cavalos para constituírem associações", indicou.

As ambições da Fequangola estão circunscritas na criação de oportunidades para os deficientes, com vista a praticarem esta modalidade desportiva. "Um dos objectivos é termos atletas angolanos a competirem nos mundiais e nas olimpíadas. Os atletas paralímpicos fazem parte das nossas prioridades. Estamos a realizar contactos com a federação a fim de identificar os potenciais atletas”, finalizou.

João de Rosário
recebe Mérito

O estudante João de Rosário, da Escola 8076, foi ontem distinguido, no Centro Escolar Beniamino nº 8076, com o prémio de Mérito. As habilidades do aluno, que se destacou pela execução na perfeição do desenho, foram reconhecidas pela direcção da Federação Equestre de Angola, promotora do concurso “paixão pela arte do desenho e do cavalo".

João de Rosário, de 12 anos e a frequentar a sexta classe, recebeu um quadro moldado com a sua imagem e um estojo com material de pintura, pelo seu desempenho. A entrega do prémio coube ao praticante da modalidade Nils de Almeida.

A cerimónia foi extensiva aos estudantes Bento Domingos, Paciências Manuel de Sousa e Eugénio de Sousa Mangueira, todos da escola nº 8067. Os estudantes receberam das mãos de Ginga Neto (vice-presidente da Fequangola), Eunice Pessoa (directora interina da escola nº 8076) e Judith Cardoso, prémios iguais aos de João de Rosário.

O presidente do Conselho de Disciplina da Fequangola, Januário Marcos "Kito", teve a primazia de presentear o melhor classificado do concurso. A distinção foi atribuída a Pedro Vemba, estudante de 19 anos que frequenta a 11ª classe do curso de Ciências Físicas e Biológicas, na escola 8075 da Funda.