Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Campeo por um fio

04 de Outubro, 2009

piloto da Brawn GP, Jenson Button,

Fotografia: AFP

O piloto da Brawn GP, Jenson Button, pode conquistar o título mundial, hoje, durante o Grande Prémio do Japão, no circuito de Suzuka. Jenson Button está muito perto de alcançar um objectivo que se traduz, para qualquer piloto de topo, na concretização de um sonho de carreira: vencer o Campeonato do Mundo de Fórmula-1, sucedendo assim ao compatriota Lewis Hamilton, da escuderia McLaren, ainda detentor do ceptro.
Fora das pistas, Jenson Button, de 29 anos de idade, é um britânico sedutor e com sucesso entre as mulheres. O título é uma meta do piloto que namora com a lindíssima modelo japonesa Jessica Michibata e classificado pelo sexo feminino, no meio da Fórmula-1, como um homem bastante atraente e interessante.
Cumpridas que estão 14 das 17 provas da edição de 2009 do Mundial da disciplina máxima do automobilismo, Jenson Button encontra-se em posição privilegiada para ser campeão do mundo.
Mas o piloto britânico conta, no entanto, com um concorrente de peso, no caso o mais experiente de todos os pilotos e aquele que, simultaneamente, contabiliza, até ao momento, o maior número de grandes prémios disputados na Fórmula-1: o brasileiro Rubens Barrichello.
Aos 37 anos de idade, Barrichello, recordista de presenças em provas da classe “rainha” do desporto automóvel e companheiro de Jenson Button na escuderia Brawn-Mercedes, está no segundo lugar da classificação geral do Mundial de pilotos, quando faltam realizar, ainda, três corridas.
Recorde-se, também, que restam 30 pontos para somar nos derradeiros três eventos da edição de 2009 do Campeonato do Mundo de Fórmula 1.
Vários experts da modalidade das velocidades defendem que será pouco provável que o futuro campeão mundial da disciplina máxima do automobilismo não seja Jenson Alexander Lyons Button.
Button tem 75 por cento de possibilidades de se sagrar campeão do mundo de Fórmula-1 e Barrichello 25. Bastam-lhe (a Button) três quartos lugares para ser campeão do mundo, mesmo que Barrichello ganhe os três últimos Grandes Prémios, a começar-se com o de hoje, no Japão, o do dia 18, no Brasil, e a 1 de Novembro em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.
A luta será entre Button, piloto tipicamente britânico, calculista e com maior frieza e uma condução mais limpa e suave, e Barrichello, mais emotivo, com uma condução mais dura e que já merecia, pelo percurso na Fórmula-1, um título mundial.
 
QUINZE PONTOS
A MAIS NA TABELA


Jenson Button, com 84 pontos, tem no companheiro de escuderia na Brawn-Mercedes Rubens Barrichello o grande adversário na luta pelo título. O brasileiro soma 69 pontos, 15 pontos a menos que o líder. Uma vitória de Button, hoje, despacharia o assunto do título.
O alemão Sebastian Vettel, da Red Bull, que parte na polé position de Suzuka, contabiliza 59 pontos e ocupa o terceiro posto da tabela geral de pilotos. Matematicamente, o germânico ainda pode ser campeão do mundo, desde que os dois primeiros não façam qualquer ponto. Mas a luta pelo título está resumida, praticamente, a Button e a Rubens Barrichello.
Foi em 2006, na Hungria, que Jenson Button subiu pela primeira vez ao degrau mais alto do pódio de um Grande Prémio de Fórmula-1.
Jenson Button será campeão, no Japão, se ganhar e Barrichello terminar abaixo da terceira posição.

Hamilton brinda 3º lugar
com "carro traiçoeiro"

Após conquistar a terceira posição no grid de largada do Grande Prêmio do Japão de Fórmula-1, o campeão mundial Lewis Hamilton afirmou estar surpreso com o resultado.
Segundo o inglês, a sua McLaren não se comportou bem no treino livre da manhã, mas as mudanças feitas para a classificação surtiram efeito.
"Não esperávamos ser tão competitivos à tarde, porque o nosso carro estava traiçoeiro pela manhã e tivemos de mudar o carro entre o treino livre e a classificação. Foi impossível tirar o máximo do carro, principalmente, no primeiro sector, pois não tivemos muito tempo para acertar o carro para pista seca. Esperávamos que as mudanças dessem certo na classificação e deram", disse o inglês.

Treinos marcados
por fortes acidentes

Os últimos treinos antes do Grande Prémio do Japão de Fórmula-1 foram marcados por fortes acidentes que paralisaram as actividades no circuito de Suzuka, na manhã de ontem, sábado. Em dia de batidas nas curvas da pista asiática, o australiano Mark Webber (Red Bull), o espanhol Jaime Alguersuari (Toro Rosso), o alemão Timo Glock (Toyota), o suíço Sebastian Buemi (Toro Rosso) e o finlandês Heikki Kovalainen (McLaren) sofreram acidentes e abandonaram a disputa pela pole position.
Dos cinco choques em Suzuka, o mais grave aconteceu com o representante da Toyota, durante a segunda etapa do treino classificatório. No momento em que restavam sete minutos para o fim do período, Glock perdeu o controlo do seu carro numa curva, fez o movimento para girar o volante, mas não conseguiu evitar a forte batida de frente.
Rapidamente atendido pelos médicos e assistentes da organização da prova, o piloto foi retirado de maca e assustou o público, já que um lençol branco fazia com que não fosse possível ter mais informações do acidente e do estado de Glock.
No entanto, pouco antes de entrar na ambulância e já com um helicóptero à espera para transferí-lo para um hospital próximo, o alemão fez um sinal de positivo com a mão direita e deu a entender que o problema era mesmo em uma das pernas.
Antes mesmo do início da classificatória em Suzuka, um outro acidente já havia definido uma posição no grid de largada. Durante os testes na terceira sessão de treinos, Webber brigava para levar a sua Red Bull nas primeiras filas, mas também bateu forte e teve o seu carro prejudicado por rachaduras no chassi, o que o obrigou a fazer reparos e largar nos boxes, ficando fora do treino decisivo.
No entanto, a classificatória ainda teve três outros acidentes. Também motivo de preocupação e o primeiro a chocar-se na actividade, o jovem Alguersuari encontrou os pneus numa curva, durante a segunda etapa da actividade, fase em que o seu companheiro de equipa, Buemi, também saiu da disputa ao perder parte da lateral do seu carro num choque, quando o cronómetro já estava zerado.
Já na etapa em que restaram apenas os dez melhores (depois nove com o acidente de Buemi), foi a vez de Kovalainen passar recto numa curva ao perder o controlo da sua McLaren e dar adeus às oportunidades de fazer a pole position, completando o dia de acidentes no circuito de Suzuka, no Japão.

Cinco lugares
de penalização

Jenson Button, Rubens Barrichello, Adrian Sutil, Fernando Alonso e Sébastien Buemi foram, ontem, penalizados com o recuo de cinco lugares na “grelha” de partida do Grande Prémio do Japão de Fórmula-1, por comportamento anti-desportivo.
O britânico Jenson Button (Brawn GP), líder do Campeonato do Mundo, o brasileiro Barrichello (Brawn GP), o alemão Sutil (Force India) e o espanhol Alonso (Renault) “fizeram a sua melhor volta à pista na Q2 (segunda sessão de qualificação)”, quando era exibida uma bandeira amarela, o que devia fazê-los abrandar, explicou a Federação Internacional do Automóvel (FIA).
“Os comissários de corrida consideraram a telemetria dada” por cada equipa dos pilotos envolvidos e esta “demonstrou que o piloto (em causa) não reduziu a velocidade ao ver uma bandeira amarela no fim da curva 14”, disse a FIA, acrescentando que a infracção corresponde "a uma penalização de cinco lugares na ‘grelha’""


O grid de largada
do GP do Japão


Em dia marcado por cinco pilotos acidentados e muitas paralisações durante os treinos classificatórios, Vettel foi mais rápido nas três etapas e confirmou a pole position para o GP do Japão.

1 - Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - 1min32s160
2 - Jarno Trulli (ITA/Toyota) - 1min32s220
3 - Lewis Hamilton (ING/McLaren) - 1min32s395
4 - Nick Heidfeld (ALE/BMW) - 1min32s945
5 - Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) - 1min32s980
6 - Nico Rosberg (ALE/Williams) - 1min31s482
7 - Robert Kubica (POL/BMW) - 1min32s341
8 - Adrian Sutil (ALE/Force India) - 1min32s466
9 - Rubens Barrichello (BRA/Brawn) - 1min32s660
10 - Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso) - sem tempo
11 - Jenson Button (ING/Brawn) - 1min32s962
12 - Giancarlo Fisichella (ITA/Ferrari) - 1min31s704
13 - Heikki Kovalainen (FIN/McLaren) - sem tempo
14 - Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso) - sem tempo
15 - Kazuki Nakajima (JAP/Williams) - 1min31s718
16 - Romain Grosjean (FRA/Renault) - 1min32s073
17 - Fernando Alonso (ESP/Renault) - 1min31s638
18 - Vitantonio Liuzzi (ITA/Force India) - 1min32s087
19 - Timo Glock (ALE/Toyota) - sem tempo
20 - Mark Webber (AUS/Red Bull) - sem tempo