Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Campeonatos mais ricos do Mundo

19 de Janeiro, 2012

Premier League inglesa é o campeonato mais rico

Fotografia: AFP

A Premier League inglesa é o campeonato mais rico do mundo em termos de valor de mecado dos seus jogadores. Em termos globais, o principal campeonato inglês vale 4,4 mil milhões de dólares. Como se não bastasse, os ingleses têm também a 10ª prova mais rica, o campeonato da segunda divisão, cujos valor somado dos seus jogadores atinge a bela soma de 750 milhões de dólares. A liga espanhola é o segundo mais rico e o italiano o terceiro. O Brasil tem o sexto campeonato mais rico e Portugal o nono.

Eis a lista dos 10 campeonatos mais ricos do mundo:
1 – Inglaterra (primeira divisão) - 4,42 mil milhões de dólares
2 – Espanha - 3,5
3 – Itália - 3,02
4 –  Alemanha - 2,26
5 – França - 1,83
6 - Brasil - 1,24
7 - Rússia - 1,19
8 - Turquia - 1,13
9 - Portugal - 1,02
10 - Inglaterra (2ª divisão) 0,75.


Liga lusa
movimenta milhões


A praticamente mês e meio do fecho do mercado de transferências, os clubes portugueses já investiram 56,2 milhões de euros em aquisições. Estes valores tornam o campeonato luso no sétimo que mais dinheiro movimenta, atrás da Itália, Inglaterra, Espanha, Alemanha e Turquia, refere uma análise feita às aquisições e vendas de jogadores nas 40 ligas mundiais mais activas. O Cálcio lidera com uns impressionantes 309,6 milhões de euros utilizados com contratações - mais 84,2 milhões do que já foi gasto pelos ingleses.


Os maiores exportadores de futebolistas

1. Brasil: 1.063 jogadores fora do país. Kaká, do Real Madrid, é quem tem o melhor salário. 2. França: 614 jogadores fora do país. Anelka, do Chelsea, construiu praticamente toda a sua carreira no exterior. 3. Argentina: 587 jogadores fora do país. Messi, do Barcelona, é um exemplo de saída precoce de atletas sul- americanos para a Europa.

4. Turquia: 474 jogadores fora do país. Arda Turan, astro no país, acabou de ser transferido para o Atlético de Madrid.
5. Sérvia: 456 jogadores fora do país. Krasic foi titular da Juventus na última temporada. Hoje, briga por posição.
6. Portugal: 327 jogadores fora do país. Cristiano Ronaldo fez carreira na Inglaterra e agora brilha no Real Madrid.
7. Bósnia: 327 jogadores fora do país. Dzeko apareceu como um grande goleador na Alemanha e agora briga por posição no bilionário Manchester City.

8. Croácia: 298 jogadores fora do país. Modric, do inglês Tottenham, hoje está em evidência no mercado europeu.
9. Inglaterra: 277 jogadores fora do país. Beckham, do americano Los Angeles Galaxy, é o principal astro inglês fora do país. A maioria está no País de Gales e na Escócia, sem grande sucesso. 10. Irlanda: 274 jogadores fora do país. Duff, do Fulham, é o grande astro entre os irlandeses que atuam fora do país. A Irlanda tem mais de 200 jogadores na Inglaterra.


Walter pode render
boa soma aos dragões


Bolonha enfrenta a dura concorrência de Marselha e AS Roma na luta pelo extremo português Walter, que pode render 10 milhões de euros aos cofres do FC Porto. Decorrida a primeira metade do mês de Janeiro, o FC Porto continua sem operar qualquer mudança no seu plantel no que toca a contratações. Os dragões tardam em avançar para a contratação de um ponta-de-lança, mesmo após a saída de Walter, e tudo indica que são mais os jogadores a abandonar o Dragão em Janeiro do que a ingressar na cidade Invicta.

Silvestre Varela é um dos nomes negociáveis no Dragão e os interessados começam a surgir, conforme o “DN” noticiou na sua edição impressa de segunda-feira. Bolonha e AS Roma, de Itália, e Marselha, de França, são os clubes interessados no extremo português, que perdeu a titularidade no FC Porto há cerca de um ano para James Rodríguez. O extremo de 26 anos chegou ao Dragão em 2009, a custo zero, e tem hoje o seu passe avaliado em 9,5 milhões de euros, segundo o site desportivo Transfermarkt, especialista em mercado de transferências.


Receitas e dívidas
dos clubes brasileiros


O jornal brasileiro “Estado de S. Paulo” divulgou o balanço das receitas dos clubes feito pela empresa de consultoria desportiva BDO RCS. Apesar do aumento significativo de receitas da maioria dos clubes, as dívidas crescem e o cenário preocupa. As receitas chegaram a 1.88 mil milhões de reais (1,06 mil milhões de dólares) em 2010, cifra superior aos 1.65 mil milhões (0,93 mil milhões de dólares) em 2009. Mas no mesmo ano o total de dívidas dos clubes chegou a 3.11 mil milhões (1,75 mil miklhões de dólares), saltando para 3.61 mil milhões (2,03 mil milhões de dólares) em 2011.

Muito em função do centenário e de melhores patrocínios, o Corinthians é o líder do ranking em receitas, seguido por Internacional e São Paulo. O Inter tem um bom número por ser uma das melhores gestões do país, além da forte actuação e rentabilidade do seu marketing. A ausência de um patrocinador máster por um longo período prejudicou as receitas do São Paulo. Por outro lado, o Atlético MG e o G4 carioca são os clubes mais endividados do Brasil. Alexandre Kalil, presidente do Galo, culpa a não assinatura com a Globo pela divulgação de uma dívida tão alta, que segundo ele, hoje está em 260 milhões de reais (146 milhões de dólares).