Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Combinação de factores determina vencedores

29 de Dezembro, 2009

Alteração nos regulamentos obriga escuderias a planear novos carros

Fotografia: AFP

Esse parecia ser o destino de Rubens Barrichello e Jenson Button até o início do ano que se despede, quando uma surpreendente Brawn GP construída sobre o bem-nascido carro que a Honda usaria em 2009 começou a voar com um excelente motor Mercedes-Benz. Mas se o desempenho do BGP001 surpreendeu o público, não espantou Ross Brawn, o pai da criança, que trabalhava no modelo de 2009 desde Maio de 2008. Enquanto isso, McLaren e Ferrari digladiavam-se na luta pelo título do ano passado com Lewis Hamilton e Felipe Massa focando o trabalho dos engenheiros nos modelos daquele ano.
Agora, o papel inverteu-se: a Brawn GP teve de correr atrás do prejuízo durante o ano para não perder a liderança para a Red Bull. Enquanto isso, a Ferrari, segundo confessou o próprio Stefano Domenicali (chefe de equipa italiana), centra o fogo no carro de 2010, o que justifica o desempenho tão pífio da escuderia nas últimas provas – a excepção fica por conta das atípicas etapas da Bélgica e da Itália, que tiveram até as Force Índia a ocupar as primeiras posições graças às características dos circuitos de alta velocidade.
Já a McLaren apostou num caminho diferente da rival italiana. Em vez de largar mão do MP4-24, a equipa inglesa decidiu investir na evolução do actual modelo. E colheu os frutos com as vitórias de Hamilton na Hungria e em Singapura, dois circuitos de média para baixa velocidade – a pista de Budapeste só não é mais lenta que a de Mónaco.
Some-se ao plano de reacção das duas grandes contratações de Fernando Alonso pela Ferrari, Kimi Raikkonen volta a pilotar um carro da McLaren e o retorno de Felipe Massa ao cockpit vermelho. Você vai ter um grande factor de preocupação para as equipas que pensam em brigar pela ponta em 2010.
A pergunta que fica é: a BrawnGP, focada em 2009 – Ross, porém, jura que também está a desenvolver o carro do ano que vem e vai ser competitivo em 2010 –, terá a capacidade de repetir o desempenho deste – ou pelo menos manter-se como uma equipa de ponta?
É provável que sim, mas uma oportunidade como esta de buscar o título, Barrichello e Button nunca mais vão ter.
A história recente mostra que os domínios como o da BrawnGP na última época só foram conseguidos por equipas com grande tradição e mesmo assim por um ou dois anos: a Williams ganhou tudo em 1987 e 1992 e a McLaren fez o mesmo em 1988 e 1989. A Ferrari, matando a pau entre 2001 e 2004, foi a excepção.
Em comum entre essas equipas, o know-how vencedor, orçamentos gordos e pilotos que se consagraram entre os melhores da história da Fórmula-1 (Senna, Prost, Mansell, Schumacher e Piquet).
A Brawn GP, agora moldada a Mercedes GP, por mais que tenha a genialidade de Ross no seu DNA, está onde está por factores que não vai  ter a seu favor no próximo campeonato: começou a projectar o carro antes de todo o mundo, já que o Honda de 2008 não tinha mesmo conserto, valeu-se de uma brecha no regulamento para projectar um difusor de legalidade duvidosa e também teve um pouco de sorte ao ver as rivais tropeçarem no novo regulamento. Regulamento que vai mudar novamente em 2010 e vai proibir o reabastecimento, o que vai obrigar as equipas a projectarem carros com tanques de 200 litros de gasolina e a trabalharem com pesos muito maiores no início da corrida.
Será que a BrawnGP, aliás, a MercedesGP, é genial a ponto de tirar proveito disso também e construir um outro carro de ponta em 2010? Mas é bom lembrar que Adrian Newey (Red Bull), o mago da aerodinâmica, é outro que sabe beneficiar-se bem com essas mudanças, como mostra a McLaren que projectou em 1998 e começou o ano a humilhar a concorrência para ser campeã com Mika Hakkinen.
A MercedesGP, ex-BrawnGP, não vai cair para o fim do grid de uma hora para a outra, mas é pouco provável que vença 57 por cento das corridas da época, como fez até agora.
Por isso, a briga pelo título de 2009 foi uma disputa entre dois veteranos (não se esqueça que Button já tem 167 GPs na F-1) que se agarraram como podem àquela que foi a última oportunidade de conquistar o sonho das suas carreiras. E por isso foi tão legal ver uma disputa roda a roda até à última corrida. O que não deve acontecer em 2010.
300 km/h
Não é o caso de dizer que Barrichello é azarado: Button também teve problemas nas últimas corridas;
Mas que Rubens devia sentar com o pessoal que cuida dos motores e conversar um pouco sobre essa questão de o carro morrer nas boxes/parado na largada, isso devia;
A volta de Raikkonen à McLaren é interessantíssima. Bem mais frio que Alonso, o finlandês vai protagonizar uma bela disputa com Hamilton e, acredita-se, não dará o "piti” que o espanhol deu em 2007;
O retorno de Massa ainda em 2009 seria interessante para a Ferrari e para o brasileiro, já que ambos não tinham nada a perder na época. Contenta-se que regresse em 2010.

Mudança de regulamento
aponta campeão em 2010

Com o brasileiro Felipe Massa e o espanhol Fernando Alonso como pilotos, a Ferrari é apontada como uma das equipas favoritas ao título de 2010. Nick Fry, director executivo da ex-Brawn GP, respeita a dupla da escuderia italiana, mas aposta na equipa que melhor se adaptar à proibição de reabastecimento durante as provas.
"A Ferrari sempre vai ser uma equipa forte. Têm história e estrutura. Com o Fernando Alonso e o Felipe Massa, têm uma dupla de pilotos incrivelmente forte, mas o grande desafio do ano 2010 é desenhar um carro sem paragem para reabastecimento", apontou o dirigente durante um evento no Consulado Geral Britânico, em São Paulo, Brasil.
Com o final das paragens para reabastecimento, os pilotos vão ser obrigados a andar com o carro mais pesado no início e terão de dosear o consumo de combustível até ao fim da corrida. De acordo com Fry, projectar um carro neste contexto é um grande desafio para os engenheiros.
"No momento, temos geralmente dois pit stops e três corridas curtas. Andar com mais de 100 kg de combustível no carro até 0 kg e manter o rendimento vai ser muito difícil. Acho que a equipa que administrar isso melhor vai vencer o campeonato do próximo ano", apostou.
Em 2009, apesar de iniciar as actividades oficialmente de maneira tardia em comparação com as outras equipas, a ex-BrawnGP soube como explorar as mudanças no regulamento desde o começo da época. Os difusores duplos da equipa, aprovados pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), chegaram a provocar polémica nas primeiras corridas.
"Não acho que muita gente apostava na Brawn em 2009 e espero que tenhamos mais surpresas em 2010. Também espero que a nossa equipa continue no topo. Essa é a beleza da Fórmula-1: é muito difícil prever o vencedor um ano antes. Pode ser a Ferrari, a McLaren com certeza estará forte ou alguma outra equipa", declarou.
Além do fim da paragem nos boxes para reabastecimento durante as corridas, outra inovação imposta pelo regulamento da próxima época da Fórmula-1 é a proibição de aquecer os pneus com cobertores térmicos.
No Grande Prémio do Brasil, a ex-BrawnGP conquistou o Mundial de pilotos e de construtores.

Filipe Massa e Alonso
"selam a paz ou faísca"

Filipe Massa e Fernando Alonso mostraram num encontro que os admiradores da Ferrari não precisam preocupar-se com o relacionamento da nova dupla de pilotos da escuderia italiana para 2010. Depois da confusão provocada por declarações de Massa, ao afirmar que Alonso sabia da manipulação armada pela Renault na corrida de Singapura do ano passado, o espanhol havia feito questão de cumprimentar o brasileiro.
Fernando Alonso, contratado pela Ferrari para substituir Kimi Raikkonen, negou qualquer participação no escândalo e afirmou que ainda não havia falado com Filipe Massa desde que assinou o contrato com a sua nova equipa, mas que pretendia abordá-lo para aproveitar um pouco da experiência de quatro anos na equipa.
Para o ex-piloto da Ferrari, Rubens Barrichello, a dupla Massa-Alonso promete causar "faíscas".
Stefano Domenicalli, chefe da Ferrari, aposta numa grande parceria para fazer a equipa reencontrar o caminho das vitórias.
"Temos uma grande dupla de pilotos, que sabe qual é o principal. Massa está na equipa há anos e sabe como é. Alonso também sabe e tudo vai dar certo", disse.
Massa respondeu que não estiveram em grande posição na Ferrari este ano, mas espera “dar a bandeirada para a nossa equipa”.