Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Cruz Vermelha clama por apoios

Valódia Kambata - 11 de Setembro, 2009

O Comité Provincial da Cruz Vermelha de Angola (CVA), em Luanda, está a criar todas as condições para o Campeonato Africano das Nações de futebol. As palavras são do secretário provincial, Makumbundu Kiala.
O responsável confirmou a realização, numa primeira fase, de várias acções formativas e treinamento do pessoal em primeiros socorros no campo. Para a segunda fase, estão previstas simulações.
O responsável da CVA disse que a “formação em socorrismo é prioritária, porquanto tem havido algumas dificuldades na conciliação da disponibilidade dos nossos formadores e dos formandos. Em função da disponibilidade de alguns técnicos, procuramos aumentar o número de cursos ministrados”. Makumbundu Kiala prevê movimentar 50 técnicos divididos em grupos de 15 para cada jogo.
A missão da Delegação de Luanda da CVA é “prestar assistência humanitária e social, em especial aos mais vulneráveis. O objectivo é prevenir e reparar o sofrimento, contribuir para a defesa da vida, da saúde e da dignidade humana”.

HÁ FALTA DE AMBULÂNCIA

As principais dificuldades situam-se na área de recursos materiais e financeiros. No âmbito de recursos humanos, embora contem com a adesão, entusiasmo e inexcedível dedicação de alguns voluntários, necessitam de muitos mais. Há um forte crescimento de actividades no país, em especial em Luanda, que merecem a atenção da Cruz Vermelha de Angola.
Quanto aos recursos materiais, os principais problemas estão ligados aos transportes, equipamentos e instalações físicas. (As nossas ambulâncias são antigas e a falta de uma viatura de transporte de doentes condiciona a deslocação”, afirmou Makumbundu Kiala, referindo que uma viatura cabine dupla (ajudaria a agilizar os nossos serviços). Adiantou que a reduzida capacidade da nossa sede e os equipamentos informáticos obsoletos emperram o desenvolvimento da instituição.
A direcção do CVA, em Luanda, pretende a substituição faseada da frota de ambulâncias e de duas outras viaturas avariadas. “São factores decisivos para o cumprimento dos nossos objectivos”, afirmou o responsável.
A capacidade da sede está a ser aproveitada na totalidade. “A criação de gabinetes de apoio e a implementação de programas de formação só terão viabilidade se conseguirmos encontrar um espaço adequado fora da sede”, frisou Makumbundu Kiala.
Para a solução do caso, “estamos a contactar empresas e instituições no sentido de, no âmbito da lei do mecenato, nos apoiarem. Gostaria de apelar à colaboração e à ajuda das empresas e das instituições não contactadas individualmente, em especial aos proprietários de espaços devolutos, no sentido de nos ajudarem a ajudar quem mais precisa”.
A Cruz Vermelha de Angola, em Luanda, pondera instalar um pavilhão móvel ao redor do Estádio de Futebol da Camama durante a realização do CAN’2010. A pretensão visa juntar-se a outras organizações de prestação de socorro que vão realizar serviços clínicos, abarcando várias especialidades médicas, e instalar gabinetes para atendimento a situações de risco.
Para que tudo corra de feição, a pretensão está dependente da aquisição de uma viatura adequada à área de cuidados de saúde e prestação de pequenos socorros.
A delegação da Cruz Vermelha de Angola, em Luanda, pode oferecer melhor serviço, mas para isso, (precisamos de muitos apoios nesse período de realização do (CAN’2010). Os existentes são (manifestamente insuficientes), disse.
Makumbundu Kiala considerou que (a presença da Cruz Vermelha de Angola nos campo de futebol é importante e obrigatória face à nossa imparcialidade).