Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Das ruas do Cuito para a ribalta

João Francisco - On-line - 26 de Maio, 2013

Dayana, apenas com 14 anos, foi convocada pela primeira vez para integrar a selecção de sub-16

Fotografia: José Soares

Com 1,75 metros, Adriana Naule Manuel – a Dayana, como é tratada pelas colegas da selecção nacional sub-16 - , começou nas ruas do Cuito, ganhou traquejo no Sporting do Bié e, desde 2011, representa o país em competições internacionais.Em 2011, Dayana, apenas com 14 anos, foi convocada pela primeira vez para integrar a selecção de sub-16. Apesar de ter demonstrado qualidades, a idade falou mais alto e acabou por ser preterida pela equipa técnica.

No ano passado, voltou a ser chamada e, dessa vez, recebeu o aval da equipa técnica para integrar a selecção de sub-16 que disputou os jogos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em Mafra, Portugal, onde Angola obteve a medalha de bronze. Na pré-seleção nacional sub-16, Dayana teve como colegas a base Teresa Sacato do Lubango (Huíla), a poste Miriam Cruz, Nádia, Mariana, Isabel, Fany, Zida, Laércia, Avelina, Ivanilda, Eliany, Milinha, Jessica, Peló, Sofia, Cristiana, Branca, Morena, Emanuela, Manuela, Rivania, Adjana, Carolina, Nelma e Carina, que também querem ganhar um lugar no grupo.

“A minha maior ambição no basquetebol é representar mais vezes Angola nas competições internacionais. Pretendo também jogar nos melhores clubes do país e, se possível, chegar a fazer parte de uma das equipas da Liga Feminina Basquetebol dos Estados Unidos (WNBA).


INÍCIO DA CARREIRA

Irmãos influenciaram
na opção da jogadora


Dayana começou a jogar basquetebol por influência dos irmãos Arnaldo e Margarida Manuel, que treinavam numa equipa de rua do Bié, denominada Jask, onde também ingressou em 2009. “A certa altura desisti e só voltei a treinar em 2010, no Sporting do Bié, onde me encontro até agora”, contou a atleta. “Participei no meu primeiro campeonato escolar, que decorreu em 2010, em Cabinda, onde representei o misto da Escola 314 do Cuito”.

Naquela altura, Dayama era já um dos talentos que chamava à atenção dos “olheiros” da Federação Angolana de Basquetebol (FAB) e não tardou para ser convocada para as pré-selecções. “Um dos momentos de que nunca me esquecerei aconteceu depois dos Campeonatos Nacionais de sub-18 - no basquetebol, as jogadoras sub-16 fazem dupla categoria -, quando fui escolhida para o “cinco” ideal do campeonato, isto no ano passado”, refere


DESEJO
Sporting tem outras atletas
que podem ser convocadas

Para Dayana, as suas colegas do Sporting do Bié, como a Isabel, Laércia, Nádia, Nísia, Keta, Manuela, Edna, Gracinha, Núria, Aurora, Aneth, Carina e Giza, também têm qualidades e só precisam de uma oportunidade, como as que tem tido para representar o país. “Se um dia deixar de jogar basquetebol, vou-me dedicar mais aos estudos, concluir a minha formação académica superior em Economia, e dar mais atenção à família, mas nunca deixarei de torcer pelas nossas seleções nacionais”, aspirou. 

Dayana diz contar com o apoio dos pais, que a incentivam a não desistir dos seus propósitos no basquetebol, desde que consiga conciliar a actividade desportiva com os estudos.


POR DENTRO


Nome completo: Adriana Naule Gonçalves Manuel
Filiação: Domingos Manuel e Maria Luísa Gonçalves
Naturalidade e data de nascimento: Kuito (Bié), aos 4 de Fevereiro de 1997
Altura: 1,75m
Peso: 65 kg
Calçado: 40/41
Camisola com que joga: nº 15
Posição: Extremo base/poste
Cor preferida: Preto, cinzento e rosa
Música: Rap
Filme: Acão, terror e comédia
Prato: Variado, desde que seja saudável e agradável.
Bebida: Sumo e quissângua
Perfume: Blue Blasson, Xl, Malisia
O que mais teme na vida: De me tornar inútil.
Clube do coração: 1º de Agosto