Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Deu uma volta de 180 graus aos 21 anos

07 de Março, 2011

Lance Armstrong participou na Maratona de Nova Iorque, completando o percurso em 2h59min36s.

Fotografia: AFP

Lance Armstrong é um ciclista norte-americano conhecido por ter vencido a Volta a França sete vezes consecutivas (1999-2005), logo após ter-se restabelecido de um cancro. Lance é também fundador da Lance Armstrong Foundation, organização que auxilia vítimas do cancro. Lance nasceu em Plano, Texas, e começou a desenvolver o seu corpo desde muito novo. Sua mãe, Linda Mooneyham, teve dois a três empregos para sustentar Lance, após o pai os ter abandonado.

O seu apoio foi o motivo principal para que Lance investisse no mundo do desporto. Lance praticou primeiro natação, o que o ajudou a moldar o seu carácter de lutador. Levantava-se às 4h45 todos os dias para ir treinar na piscina. Mais tarde, quando completou treze anos, descobriu o triatlo e venceu o concurso “Iron kids Triathlon”. Este foi o início de uma vida cheia de vitórias, mas também de grandes feridas.

Chris Carmichael descobriu que com a sua ajuda e o talento de Lance para o ciclismo, ele facilmente se tornaria profissional, já que amealhava taças ganhas. A sua vida deu uma volta de 180º quando, aos 21 anos, sendo um dos mais novos a competir, venceu o Campeonato do Mundo de Ciclismo em estrada. Armstrong iniciou a sua carreira como profissional pela Motorola em 1992, na clássica San Sebastian, quando terminou em último lugar, prova que venceu em 1995. A vitória no Campeonato do Mundo de Oslo mostrou um ciclista completo e disposto a tudo.

Um ano depois, em Verdun, venceu a sua primeira etapa da Volta a França. Em 1995, repetiu o triunfo da etapa, em França, e conseguiu a sua primeira vitória numa grande etapa da Volta, triunfo a que somou a Flecha Valona de 1996. Durante algumas semanas, Lance tinha vindo a observar uma grande inflamação na virilha, e habituado a ignorar a dor não lhe deu importância, até que começou a vomitar sangue, a ter perdas de visão e enxaquecas.

O diagnóstico estava feito: cancro no testículo. Além disso, os médicos descobriram-lhe, também, dois tumores, do tamanho de bolas de golfe, num pulmão e no cérebro. Mas para uma pessoa que tinha passado toda a vida em cima de uma bicicleta, render-se à doença não era a opção a tomar. Numa entrevista, Lance referiu: “Enganaste-te na pessoa ao escolheres um corpo para viver, cometeste um erro porque escolheste o meu”.

Disposto a lutar
contra o cancro

A equipa francesa Cofidis rescindiu o contrato com Lance, tendo este que vender o seu Porsche e teve quase que fazer o mesmo com a sua casa. Estava a passar por maus momentos, mas teve forças para seguir em frente. Aos 25 anos, numa conferência de imprensa, Lance declarou que sofria da grave doença. Um ano mais tarde, embora os médicos lhe dissessem que a probabilidade de viver fosse apenas de 40 por cento, Lance não desistiu, e anunciou que ia regressar.

Em Janeiro de 1997, um mês depois de ter acabado a quimioterapia, Lance conheceu Kristin Richard, que foi sua esposa durante cinco anos. Com ela teve três filhos, o mais velho Luke, e os gémeos Grace (“Gee”) e Isabelle (“Izzi”), sendo que os gémeos foram fecundados através de sémen congelado de Lance. Após o divórcio, o ciclista iniciou uma relação com a cantora Sheryl Crow. Lance instituiu a “Fundação Lance Amstrong” para a luta contra o cancro, e relatou, em vários livros, a sua história, para demonstrar que se pode superar tudo desde que se tenha energia para tal.

O seu primeiro livro “It’s not about the bike”, vendeu milhares de exemplares, êxito que foi repetido com a sua autobiografia “Vontade de Vencer – A Minha Corrida contra o cancro”. Em 1998, a equipa U. S. Postal Service fechou um contrato com Lance, que voltava assim a pedalar. A sua primeira corrida foi a Rota do Sol, em Espanha, ficando Lance em 14º lugar.  Duas semanas depois, participou na etapa Paris-Nice, sem grandes resultados. A temporada não foi de todo suficiente, chegando Lance a pensar numa possível renúncia.

Em vez disso, decidiu concorrer numa das provas mais importantes de todo o mundo. Em 1999 venceu a Volta a França, sagrando-se campeão na classificação geral individual. A este triunfo somaram-se mais seis vitórias na Volta, recorde absoluto. Após a última vitória, em 2005, Lance anunciou a retirada. No dia 5 de Novembro de 2006, Lance Armstrong participou na Maratona de Nova Iorque, completando o percurso em 2h59min36s, tempo que ficou dentro da meta de três horas que ele mesmo havia estabelecido.

Na preparação, contou com a ajuda de sua ex-esposa Kristin Richards e do seu eterno treinador, Chris Carmichael. Para justificar a inesperada participação na prova, que serviu também para conseguir fundos para a sua instituição contra o cancro, Lance disse: “Serei sempre um corredor”. Armstrong anunciou em 18 de Abril de 2005, em Augusta, nos EUA, que encerrava a sua carreira logo após a Volta a França 2005, o que realmente fez. Em Abril de 2006, anunciou que ia correr a Maratona de Nova Iorque, em 5 de Novembro do mesmo ano, negando que o fazia seriamente ou que pretendia actuar profissionalmente.

Para surpresa geral, no final de 2008, aos 37 anos, decidiu voltar ao ciclismo, correndo pela Astana. Em 2009, Armstrong disputou pela primeira vez a Volta a Itália, naquela que foi a 100ª edição do Giro, além de marcar presença novamente na Volta a França. Em 23 de Janeiro de 2011, anunciou que terminou a sua carreira a nível internacional, na última etapa do Tour Down Under da Austrália.

Contador triunfa
na Volta a Murcia

Depois de vários meses de incerteza sobre a possibilidade de Contador ser suspenso ou não por doping, o espanhol regressou aos triunfos nas provas por etapas. Na Volta a Murcia, Alberto Contador (Saxo Bank-SunGard) venceu a última etapa, um contra-relógio de 12,4 km, e conquistou a prova. Atrás de si, o espanhol teve Jerome Coppel (Saur-Sojasun) e Denis Menchov (Geox-TMC).