Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

impossvel renovar sem comear pela base

Augusto Fernandes - 23 de Julho, 2012

Jamba foi um grande defesa central que se notabilizou no ASA e nos Palancas Negras

Fotografia: Jornal dos Desportos

Com 35 anos de idade, João Pereira, ou simplesmente Jamba, como é conhecido no mundo do futebol, é um dos 23 jogadores angolanos que disputaram um Mundial de futebol até à presente data, realizado na Alemanha em 2006. Jamba foi um grande defesa central que se notabilizou no ASA e nos Palancas Negras, onde foi 82 vezes internacional em nove anos. Três vezes campeão nacional de Angola. Ganhou duas Taças de Angola e quatro Supertaças.

Jamba é contemporâneo de Akwá, Nsuka, Beto Carmelino, Toni, Osodio, Paulão, Figueiredo, Malamba, Marito. Foi pupilo dos treinadores angolanos Nando Jordão, Oliveira Gonçalves e dos estrangeiros Bernardino Pedroto e Vesco. Ele é, de facto, um gigante do futebol angolano. Jamba, como todos os garotos do seu bairro, na Chiongoma, em Benguela, começou a jogar futebol muito cedo. Em 1984, com sete anos de idade, já se podia ver que o rapaz daria no que deu: um grande defesa central. “O meu irmão mais velho nunca quis que eu jogasse futebol porque ele sempre achou o desporto-rei muito violento, de modo que ‘empurrou-me’ para o basquetebol, nos infantis do Estrela Clube 1º de Maio.”

Jamba recorda-se ainda que, “contra a minha vontade, lá fui treinar basquetebol. Como não tinha nenhuma simpatia pela modalidade, fui-me esquivando dos treinos e, de quando em vez, ia só para agradar ao kota”. “Quando o meu irmão deu conta eu já estava a jogar forte e feio nos caçulinhas, aos 11 anos de idade”, disse. No clube dos caçulinhas da bola das Confecções Quina jogou três épocas, tendo ganho três campeonatos provinciais, na companhia de Nsuca, Yamba Asha, Quim Manuel, Zé da Cambangula, Toni Osodio e outros, orientados por Paulo Tchivela.

Durante as três épocas nos caçulinhas foi sempre o capitão da equipa. Em 1992, foi para o 1º de Maio de Benguela. Jamba conta como foi o contrato: “O mister Vicy, que era treinador dos Juvenis do 1º de Maio de Benguela, foi ter pessoalmente com a minha mãe para autorizar a minha ida para a equipa da rua Domingos do Ó. A minha mãe só aceitou com a condição de que o 1º de Maio se responsabilizava pelo pagamento do material escolar para os meus estudos”. Nos escalões de juvenis, Jamba ganhou um campeonato provincial. Posteriormente, passou para a categoria de juniores, que eram orientados por Fusso e Agostinho.

TRAJECTÓRIA
Interesse de muitos técnicos nacionais e estrangeiros

Nos juniores, mereceu a confiança de Nando Jordão, na altura técnico dos seniores e fazia dupla categoria. Quando passou definitivamente para a equipa principal jogou apenas oito meses. Em 1997 foi contratado pelo ASA a custo zero, porque segundo o jogador, “o 1º de Maio me devia e embora ainda tivesse contrato por mais duas épocas o Maio cedeu-me sem problemas”.

No ASA, encontrou o técnico José Kilamba e os jogadores Beto Carmelino, Mlamba, Corola, Abilio Amaral. Simão Bendinha e Didi. “Didi e Malamba, que já eram meus companheiros nos sub-20, foram as principais pessoas que me influenciaram a vir para o ASA”, recorda-se. Quando faltavam cinco jornadas para o fim do Girabola de 1997, José Kilamba foi substituído por Djalma Cavalcanti. “Com mister Cavalcanti e porque o ASA tinha défice em pontas de lança, fui adaptado àquela posição, tendo feito sete golos em 12 jogos. Naquela época, o melhor marcador do Girabola de 2008, Betinho do Petro de Luanda, marcou 14 tentos. “Vesselin Vesco, que foi o meu treinador na selecção nacional nos sub-20, aconselhou-me a voltar à minha posição nata”, frisou.

O nosso ídolo conta ainda que em 1999, quando o falecido Carlos Alhinho rendeu Cavalcanti no comando técnico do ASA, deu início a uma grande revolução no clube do aeroporto, tendo excluído 13 jogadores do esqueleto principal. Em 2000, a meio do Campeonato Nacional da primeira divisão, Alhinho foi contratado para orientar os Palancas Negras, deixando o ASA em 4º lugar. Em face disso, a Direcção do clube contratou Bernardino Pedroto. Com o técnico português, os aviadores conquistaram dois segundos lugares consecutivos, isto em 2000 e 2001. De 2002 a 2004, o ASA acentuou o seu domínio no futebol com três títulos nacionais e duas Super Taças. Em 2005, outro segundo lugar no Girabola e a vitória na Taça de Angola.

PALMARÉS
Muitas internacionalizações e Girabolas nas pernas


Jamba diz que “em termos de competições africanas o momento mais alto foi a passagem para a fase de grupos em 2003 com Esperance de Tunis, Usma da Argélia e uma equipa camaronesa, cujo nome não me vem à mente”. Em termos do Girabola, um dos momentos inesquecíveis para Jamba foi quando “goleámos o 1º de Agosto por 8-2 e a vitória diante do Sagrada Esperança, no Sumbe, por uma bola a zero, golo de Love que nos deu o primeiro título nacional”.

Antes, em 1994, teve a sua primeira internacionalização, quando foi convocado para jogar na selecção de sub-20 que disputou o apuramento para o CAN da categoria no ano seguinte. Nesta convocatória constavam nomes como Bifex, Yamba Asha, Akwá, Bongochi, Marito e Simão Bendinha. A partir daí seguiram-se outras tantas convocatórias e numa delas fez parte da selecção que foi disputar o torneio de Toulon (França), tendo ocupado o 3º lugar num grupo composto por Angola, Brasil, Portugal, Inglaterra e Bélgica.

Em 1998, o rapaz do bairro da Chingóma, ainda na categoria de sub-23, foi convocado pela primeira vez para a selecção de honras de Angola.Regressou aos convocados em 2001, de onde só saiu em 2010. Disputou os CAN de 2006 no Egipto e de 2008 no Ghana, tendo dividido o palco com jogadores como Samuel E’to e Drogba. Jamba pendurou as chuteiras no dia 11 de Novembro de 2010, no estádio com o mesmo nome, na final da taça de Angola que o ASA venceu diante do Interclube aos penáltis. Actualmente é um dos coordenadores do futebol jovem do ASA e vive no complexo residencial dos aviadores.
Com João Francisco

POR DENTRO

Nome completo: João Pereira
Filiação: Manuel Pereira e Cristina Ngueve
Naturalidade e data de nascimento:Benguela aos 10.7.1977
Estado Civil: solteiro
Prato preferido: Kizomba
Hooby: Ver jogos
Prato preferido:
Funge de Calulú
Bebida: Cerveja
Cor: Azul
Filmes: Acção
Hobby: Jogar futebol e estar com amigos
Altura: 1,82 m
Calçado: 42
Defeito: Teimosia
Virtude: Humildade e generosidade
Sonho: Ser treinador dos Palancas Negras