Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Éder Luís a caminho da Luz

30 de Dezembro, 2009

Éder Luís foi o segundo melhor marcador do Atlético Mineiro

Fotografia: Jornal dos Desportos

Éder Luís, avançado do Atlético Mineiro, está muito perto de se tornar no terceiro reforço de Inverno do emblema da Luz. O jornal português "O JOGO" anunciou que o negócio está quase fechado, faltando limar algumas (pequenas) arestas para ser oficializado.
Com o jogador, de 24 anos, os encarnados já têm tudo acertado para assinar um contrato nunca inferior a quatro anos, e até os salários a auferir pelo atacante estão acordados. Esta operação deve custar cerca de quatro milhões aos cofres da Luz.
Os direitos económicos de Éder Luís estão divididos em duas parcelas iguais, sendo que uma pertence ao clube mineiro e a outra à cadeia de supermercados Bretas, encabeçada precisamente pelo empresário do jogador, Luciano Brustolini.
Segundo o jornal, a transacção deve também incluir a ida de Fellipe Bastos para o Atlético Mineiro, a título de empréstimo, embora a Imprensa brasileira tenha ontem insistido na possibilidade de ser Felipe Menezes a voltar à sua terra natal, apesar de esta ser uma hipótese mais remota.
A transferência conheceu fortes avanços nos últimos dias, fruto da presença do presidente do Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, em Lisboa. O responsável máximo do emblema brasileiro já está em Portugal desde a recepção dos encarnados ao AEK de Atenas - depois assistiu também ao clássico com o FC Porto - e só ontem deixou Lisboa, já com o negócio muito adiantado.

Negócio confirmado
Alexandre Kalil esteve no Estádio da Luz na companhia do director de gestão do Atlético Mineiro, Rodolfo Gropen, e até chegou a presentear Luís Filipe Vieira com uma camisola do clube de Minas Gerais.
Em declarações a “O JOGO”, Kalil confirmou o adiantado estado das conversações e sublinhou que o presidente benfiquista tem agora a última palavra a dizer. “O negócio ainda não está fechado. Não está totalmente concluído, mas está a caminhar, e a decisão está apenas na mão do presidente Luís Filipe Vieira. Basta que ele diga ‘sim’ para avançar com o que falta”, atirou, evitando alongar-se em mais comentários sobre as negociações.
Os responsáveis do Atlético Mineiro aproveitaram, de resto, a estada em Portugal para firmarem uma parceria com o Marítimo.
Éder Luís é um jogador há muito seguido por Jorge Jesus, apreciador das características do avançado.
A chegada do artilheiro vem ao encontro de um pedido do técnico: um avançado com mobilidade capaz de assumir as funções normalmente desempenhadas por Saviola, mas também com qualidade técnica para pegar no jogo logo no meio-campo, se tal for necessário.
Este ano, Éder Luís foi o segundo melhor marcador do Atlético Mineiro, com 22 golos marcados em 57 jogos.

Rúben Micael à porta de Alvalade

O forte desejo, tanto do Nacional quanto do Sporting, de ver Rúben Micael na equipa leonina está a um pequeno passo de ser concretizado, noticiou o jornal "O JOGO".
De acordo com o jornal, as negociações estão já em curso e as diferenças estão longe de ser incontornáveis - sobretudo atendendo à vontade concertada, do presidente do Sporting, José Eduardo Bettencourt de contratar o jogador, do número um do Nacional, Rui Alves, de vê-lo chegar a outro patamar, e do próprio Rúben Micael de representar um grande do futebol português.
O Nacional pretende 5,5 milhões de euros pelo médio criativo, mas o Sporting já apresentou uma proposta a rondar os 3,5 milhões, além da cedência futura de jogadores.
Rúben Micael é encarado em Alvalade como uma contratação prioritária, e uma eventual parceira com uma terceira entidade, que contribuiria para a aquisição da totalidade do passe do médio criativo, pode ser factor determinante no desfecho das negociações.
Apesar de não ser política corrente em Alvalade, as parcerias - sobretudo com fundos ou grupos de empresários - possibilitaram aos rivais dos leões contratarem reforços de peso, tais como Lucho González ou Lisandro López, no FC Porto, ou, mais recentemente, no Benfica, Luisão, David Luiz, Di María ou Sidnei.
Rúben Micael via com bons olhos a mudança para Alvalade, até porque lhe poderia dar outra visibilidade e impacto no sentido de entrar no comboio do Mundial, pois já chegou a ser chamado por Carlos Queiroz, e o Sporting procura novas políticas de contratações para tornar possível a mudança.
O acordo parece “condenado” ao sucesso, e a contratação de Rúben Micael está presa por "detalhes" com solução à vista.

Guimarães pode ir buscar
novo reforço ao Trofense


Experiente, alto e lutador. O Guimarães andava à procura de um central com esse perfil e está em vias de contratar Valdomiro, "patrão" da defesa do Trofense nas últimas duas épocas, actualmente com 30 anos.
Ainda a Imprensa dava conta das dificuldades nas negociações com o português Zé António (ex-Racing de Santander), já os responsáveis do Guimarães apontavam baterias na direcção do defesa brasileiro, apresentando-lhe melhores condições financeiras do que o Setúbal, mas ainda muito aquém dos valores pretendidos pelo jogador: 12 mil euros mensais.
Na melhor das hipóteses, o Guimarães só estará disposto a pagar pouco mais do que metade do salário proposto pelo atleta. De resto, o acordo é total entre o clube e Valdomiro, tendo sido alcançado nas últimas horas de sábado.
Esta pode ser mais uma contratação a custo zero, a segunda nesta reabertura do mercado, à imagem da de Fábio Felício (ex-Asteras Tripolis), pois o defesa desvinculou-se do Al-Wasl (Dubai), por mútuo acordo, há quase um mês.
A possibilidade de voltar a actuar na Liga Sagres, e logo ao serviço do Guimarães, "a quarta força do futebol português", na corrida aos lugares que dão acesso à Liga Europa, ajudou a convencê-lo.
A duração do contrato e a definição dos montantes salariais ainda estão por concluir.

Incidente entre Sapunaru e
Hulk pode mudar estratégia do Porto

Esta é, para o FC Porto, uma semana de reflexão sobre a estratégia a seguir na reabertura de mercado, motivada pelo incidente no túnel do estádio da Luz, que envolveu Sapunaru e Hulk.
Antes do incidente, essa estratégia era clara e foi até tornada pública por Pinto da Costa: não haveria contratações em Janeiro. Mas a suspensão preventiva dos dois jogadores, sobretudo a de Hulk, pode obrigar a rever algumas considerações tidas como certas.
O processo de ambos está ainda em fase de instrução, facto que torna inviável qualquer decisão definitiva da Comissão Disciplinar da Liga nos tempos mais próximos.
A dúvida ajuda a prolongar a indefinição e estimula as especulações, com alguns nomes atrelados: de Djalma (Marítimo) a Salvio (Lanús), passando por Elton (Vasco da Gama), Kléber (Cruzeiro), Walter (Internacional de Porto Alegre) ou pelo regresso de Ukra (Olhanense).
Foram vários os jogadores, todos de ataque, já apontados como alvos do FC Porto, uns antes e outros depois do que se passou com o Benfica. Em todo o caso, mesmo que o cenário se complicasse para Hulk, é convicção dos portistas que Varela se apresenta como alternativa sólida, havendo ainda Mariano. A questão seria outra: os dois chegariam para toda a época, considerando que sobraria apenas Rodríguez para o lado contrário? Compete a Jesualdo Ferreira responder.
Mas há mais. O jornal “A Bola” acrescentou, domingo último, outro ângulo à discussão em redor do mercado de Janeiro, noticiando um ataque do Real Madrid a Bruno Alves para colmatar a lesão de Pepe.
O Real já tinha sido associado ao defesa no Verão, mas a cláusula de 30 milhões arrefeceu as intenções, e o FC Porto acordou mesmo uma revisão contratual para compensar o capitão. Exceptuando o pai de Bruno Alves, que falou abertamente do assunto, outras fontes contactadas pelo jornal “O JOGO” sublinharam ser improvável qualquer negócio nesta altura.
Os argumentos levantados para essa conclusão foram vários, apesar do que está contratualmente salvaguardado: Bruno Alves não poderia jogar na Champions esta época; o Real Madrid, também associado a Ivanovic (Chelsea) ou Coloccini (Newcastle), não estaria interessado em bater a cláusula de rescisão. e, se ela não for batida, o FC Porto não tem por hábito vender em Janeiro, isto além de outros detalhes mais objectivos - numa equipa ainda em reconstrução depois da saída de Lucho e Lisandro, Bruno Alves é tido como o pilar mais sólido da estrutura.