Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Estou na melhor época de sempre

Sardinha Teixeira - 30 de Novembro, 2010

Ezequiel António Mendes joga cada dia mais e melhor

Fotografia: José Cola

Aos 34 anos de idade, Ezequiel Mendes passou por muitas experiências como juvenil e hoje aproveita muito do seu passado, como, por exemplo, ter jogado os grandes campeonatos provinciais absolutos. O tenista diz que essas experiências foram únicas e ajudaram-no a ter força para continuar a trabalhar para mais tarde chegar lá, como sénior. Ezequiel Mendes afirma que ganhou muito com isso. “Tenho muito boas recordações desses tempos”, diz.

Hoje, ele mantém de “pedra e cal” na modalidade, embora considere que nem tudo correu sempre às mil maravilhas. “Todos nós passamos por fases menos boas”, afirma, acrescentando que já teve ocasiões em que viu “as coisas muito complicadas e ter naquele momento pouca força para continuar”. Isso, entretanto, “passou muito rápido” porque o ténis é o que “mais gosto de fazer, portanto, só me resta continuar e lutar cada dia mais”.

O atleta, que joga como individual, garante que está a realizar, este ano, a sua melhor época desportiva. “Claramente, a melhor época que já fiz! Foi uma sensação única ter conseguido integrar a elite do ténis nacional. Foi mais um sonho que consegui concretizar”, sublinhou.Ezequiel Mendes treina de quatro a cinco horas por dia, quando não está em competição. Faz isso não apenas porque precisa, como atleta, mas também porque é a jogar que melhor se sente.

Ainda falta muito
ao ténis angolano
O experiente jogador afirma que o ténis, em Angola, “tem evoluído nos últimos anos”, mas considera que “ainda falta muitíssimo” para atingir os níveis desejados. Ezequiel Mendes considera que existem muito poucos praticantes e que os jogadores a sério são muito poucos, “faltam jovens com aspirações, com vontade, +com objectivos, com querer”.

O tenista lamentou o facto de haver muito pouco espírito de sacrifício nos jovens para levarem o ténis mais a sério. “Vejo também pouca experiência dos treinadores que ensinam e que transmitem aos jogadores. Temos potencial, na minha opinião, e não é por acaso que, nas camadas mais jovens, temos sempre ‘grandes talentos’, como gostam de chamar. O problema vem mais tarde, quando os jovens já têm outra idade”, frisou.

Contudo, ele deixa um alerta aos jovens: “gostaria de incentivar os jovens tenistas a jogarem melhor para poderem crescer ao nível de competição que é exigido a nível mundial”.Com muitas provas dadas, Ezequiel já não pensa jogar até as “pernas aguentarem”, mas sim, transmitir os seus conhecimentos às futuras gerações. A família é a sua principal companhia nos tempos livres. Gosta muito de Internet, séries de TV, videojogos, amigos, electrónica, mas continua viciado no ténis.

>> Por dentro

Nome: Ezequiel António Mendes
Data de Nascimento: 17 de Outubro de 1976
Natural: Luanda
Nacionalidade: Angolana
Peso: 66 K
Altura: 1,65 m
Clube: Sem clube
Categoria: Sénior
Prato preferido: Arroz de marisco
Fuma: Não
Bebida: Sumos naturais
Número de calçado: 43
Hobbyes: Ver filmes e ler
Filmes: Acção
Cor: Branca
Poligamia: Respeito
Perfume: Diversos
Música: Gospel
Esplanada ou discoteca: Esplanada
Droga: Contra
País: Espanha
Cidade: Madrid
Campo ou Praia: Campo

>> Altos & Baixos

Títulos conquistados
“Os momentos que destaco, como mais felizes na carreira que tenho construído até ao momento, são os dois títulos provinciais da modalidade conquistados e outros troféus em provas não oficiais, que me trazem felicidade e me lembro com mais clareza”.
 
Dia inesquecível
Ezequiel Mendes recorda com tristeza uma partida disputada em 2009. Jogava contra o campeão em título, “um adversário muito difícil”. Tentou encarar o jogo da melhor maneira possível, queria acabar a partida, mas teve de interrompê-la devido a uma lesão. “Foi um dia inesquecível para mim e também muito complicado”, afirmou.
.