Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Exames anti-doping marcam a prova

06 de Agosto, 2013

Vladimir Diogo coordena a equipa de médicos que trabalha com as selecções nacionais

Fotografia: M. Machangomgo

Todos os estimulantes como sedativos e analgésicos fortes estão proibidos aos atletas de alta competição. O conselho é do coordenador da subcomissão de Medicina do Comité organizador do Campeonato do Mundo em hóquei em patins, Vladimir Diogo. O especialista exorta as equipas médicas a evitar a utilização de substâncias que podem comprometer a participação dos atletas de uma selecção no Campeonato doMundo a decorrer de 20 a 28 de Setembro nas cidades de Luanda e do Namibe.

O médico angolano Vladimir Diogo garantiu a realização sistemática de testes anti.doping durante os jogos do Campeonato do Mundo. “Vão realizar-se exames surpresas anti-doping a todos os atletas que apresentarem indícios ou suspeitas ou ainda indicados no final de cada jogo pela equipa médica”, afirmou. Os testes anti-doping são feitos a partir da urina do atleta que se vai recolher tão logo abandone a quadra. “O processo vai começar com a colheita das amostras nas salas equipadas dos pavilhões”, explicou.

Vladimir Diogo esclareceu que tão logo se “empacota” as amostras, elas são enviadas para laboratórios de vários países, como Portugal, Estado Unidos ou mesmo a África do Sul. A definição do laboratório europeu que vai trabalhar com o Comité Organizador do Campeonato do Mundo de hóquei em patins, segundo Vladimir Diogo, está dependente da indicação dos peritos que se vão juntar à equipa angolana. “Estão em vista dois potenciais países candidatos para examinar os resultados colhidos durante o mundial de Angola. Trata-se de Portugal e dos Estados Unidos da América”, disse.

Quanto à África do Sul, um país com todos os requisitos e próximo de Angola, o responsável da subcomissão médica do Cohoquei esclareceu que é uma alternativa “válida” que pode merecer a confiança dos decisores. Vladimir Diogo assegurou que os resultados dos exames médicos devem ser divulgados no prazo de 15 dias a contar do momento da recolha, portanto, depois do término do campeonato do mundo.

SELECÇÃO NACIONAL
Atletas apresentam boas condições clínicas

O médico Vladimir Diogo, coordenador da Subcomissão de Medicina do Comité Organizador do Campeonato do Mundo “Cohoquei”, a decorrer de 20 a 28 do próximo mês, em Luanda e no Namibe, assegurou que os atletas convocados pelo técnico nacional Orlando Graça apresentam “perfeito” quadro clínico. O estado de saúde da selecção nacional está dentro dos padrões normais e potenciado para entrar na alta competição sem preocupações.
“Os trabalhos da selecção nacional começaram com os treinos em ginásios e, nesse momento, trabalham em campo. Do ponto de vista de saúde, não temos nada a queixar-nos. Vamos fazer uma nova avaliação rotineira, sempre que for necessária.

O certo é que os exames efectuados não revelaram baixa de vulto com os nossos atletas”, disse. Vladimir Diogo augura que ao longo desse percurso até a realização do torneio Zé Dú “não surja nenhuma complicação”. “Estamos em condições de prosseguir com tranquilidade, rumo aos nossos objectivos”, assegurou. Vladimir Diogo confirmou que desde o início da campanha preparatória da selecção nacional dois casos “cortaram o sonho” da equipa médica.

“Tivemos problemas ligeiros de lesões com o médio Kirro e o guarda-redes Mitó mas neste momento já estão totalmente recuperados”, disse. A pausa dada aos atletas entre o final da primeira fase de preparação e o arranque da segunda compensou as cargas intensivas. A apreciação é do médico Vladimir Diogo. “Os atletas residentes no país e os que evoluem no exterior descansaram o suficiente durante as curtas férias. Em recuperação estavam os atletas Kirro e o Mitó, que haviam sofrido pequenas lesões. Os últimos exames feitos pela comissão médica provam isso”, assegurou.

O médico Vladimir Diogo revelou que os atletas vão ser submetidos a outros exames antes do arranque da competição mundial. “Vamos realizar outros testes antes da competição mundial, apesar de os atletas terem vindo já de grandes competições, onde fizeram os exames médicos. Desconhecemos o que os atletas consomem nos seus clubes e, para prevenir actos indesejados, devemos ter de o fazer”, determinou.
ROSA NAPOLEÃO E ÁLVARO ALEXANDRE

ENSAIO GERAL
Torneio de Malange
serve de antecâmara


As prováveis ocorrências de situações médicas, durante o Torneio Internacional Taça Zé Du, a decorrer de 22 a 25 do corrente mês, na cidade de Malange, vão servir de testes de ensaio à máquina organizadora do campeonato do mundo a realizar-se de 20 a 28 de Setembro, nas cidades de Luanda e do Namibe. A afirmação é do médico Vladimir Diogo, coordenador da Subcomissão de Medicina do Comité Organizador do Campeonato do Mundo “Cohoquei”.

O torneio de Malange vai medir a pulsação da dinâmica que se pretende para o Campeonato do Mundo de hóquei em patins. “Malange foi escolhido para servir de antecâmara para o Campeonato Mundial e Angola tem uma experiência bastante boa na organização de grandes eventos. Já organizámos o Mundialito de Clubes de hóquei em patins, disputado em 2006, em Luanda, em que participaram 18 equipas; o torneio internacional Taça Zé Du já vai na sua 12ª edição; realizámos dois Campeonatos Africanos de basquetebol e um de andebol. Em todos os eventos realizados no país, fizemos a cobertura total”, finalizou.
ROSA NAPOLEÃO
E ÁLVARO ALEXANDRE

COBERTURA DE RISCOS
Seguro vai abranger pavilhão e adeptos


O coordenador adjunto da Comissão Executiva do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, Pedro Azevedo “Chipita”, tranquilizou a população sobre um eventual acidente nos pavilhões. Segundo Pedro Azevedo os adeptos do hóquei em patins podem marcar presença nos pavilhões de forma descansada, uma vez que têm a integridade física e a assistência médica assegurada, através do seguro de responsabilidade civil.

As negociações entre o Comité Organizador do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins (Cohoquei) e a seguradora estão na fase final. O coordenador adjunto da Comissão Executiva do Campeonato do Mundo garantiu que o acordo final vai ser rubricado ao longo da semana. “Estamos a cuidar dos pormenores finais. Se não houver contratempos a assinatura do protocolo é feita ainda esta semana”, disse.

O dirigente do Cohoquei informou que “o Campeonato Mundo de Hóquei em Patins tem assegurados todos os riscos. O seguro não será apenas para os pavilhões. O protocolo é abrangente, os adeptos estão protegidas por força do protocolo”, garantiu. Chipita reforçou que o seguro tem o seu pendor forte nas vertentes da saúde, da competição e da responsabilidade civil.
Álvaro Alexandre