Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Futebol jovem anima O´mbaka

Júlio Gaiano, em Benguela - 02 de Setembro, 2010

Estadio Nacional de O’mbaka albergou a IV edição

A cidade de Benguela organizou a edição´2010 do Torneio Internacional da Fundação Eduardo dos Santos, em que participaram as selecções de futebol de Sub-20 de Angola, Zâmbia, África do Sul e Lesotho. Durante dois dias (28 e 29 de Agosto), o futebol jovem animou a festa que assinalou o 68º aniversário do Presidente da República. A Selecção Nacional da Zâmbia foi a justa vencedora, ao derrotar na final a formação angolana por 1-0, numa partida marcada pelo baixo grau de discernimento dos anfitriões que, em momentos cruciais do jogo, se fartaram de falhar as oportunidades de golo, para desolação do público que apareceu em número considerável.

Cerca de 12 mil espectadores deixaram o estádio com a alegria adiada, por culpa do zambiano Richard Kasonde, que calou o estádio nacional de O´mbaka, com um magnífico golo, no minuto 27. O técnico da selecção zambiana atribuiu a vitória ao combinado nacional, que tudo fez para não perder o jogo. A promessa do técnico Miller Gomes, feita antes do arranque do torneio, foi assim cumprida.
Mas, do gesto de cortesia dos zambianos, alguns adeptos lamentaram a derrota em campo. "Pressionar, durante grande parte do jogo, obrigando a equipa adversária a defender-se como pôde,  para terminar derrotada, custa a crer (…)", confessou um dos adeptos presentes no estádio de O’mbaka.

Todavia, valeu a iniciativa da Fundação Eduardo dos Santos em trazer um torneio daquela dimensão em Benguela, já que serviu de atracção para a sociedade desportiva da província que, mais uma vez, teve a oportunidade de conviver com o futebol de luxo proporcionado pelos jovens e talentosos futebolistas dos quatro países da Região Austral do Continente Africano.

Objectivo falhado
     
Angola venceu o Lesotho, por 4-0, e os zambianos derrotaram os sul-africanos, por 4-3, resultados que garantiram a passagem das referidas selecções à final da prova, disputada no sistema quadrangular. No desfecho do certame, os jovens Palancas Negras foram incapazes de triunfar diante dos Chipolopolozinhos. Uma derrota que, apesar de triste, não abalou os intentos dos angolanos que sempre acreditaram no futebol praticado pelos rapazes "maravilhas". Daí a forma como foram ovacionados pelo público, depois do soar do último apito de Figueiredo Costa. Os "pupilos" de Miller Gomes deixaram o Estádio Nacional de O´mbaka de cabeça erguida.
Na classificativa para o terceiro lugar, a formação do Lesotho, tida inicialmente como a mais fraca do torneio, foi feliz ao derrotar a sua similar da Africa do Sul por 7-5, após a marcação de grandes penalidades, Durante o tempo regular, registou-se um empate a dois golos.

Organização positiva do certame

A organização do Torneio Internacional da FESA poderia ser melhor, não fosse o atraso registado no arranque do certame. Marcado, inicialmente, para as 15h30, o primeiro jogo começou às 17h00. A fraca afluência de público no estádio, que se registou no primeiro dia do certame (estiveram menos de cinco mil espectadores), deveu-se à realização de jogos referentes à "Segundona", no mesmo dia, nos campos do Buraco (Lobito) e do Municipal (Benguela).

O público cansou-se de esperar, dado ao atraso que levava para o arranque da prova. O Estádio Nacional de O´mbaka está situado num local onde o acesso exige meios de transporte, tanto dos residentes de Benguela, quanto dos do Lobito. Ao não ter à disposição os autocarros prometidos pela organização, o púbico não teve escolha senão deixar o local antes das 17h00, quando começou o primeiro jogo entre a Zâmbia e a África do Sul.

O segundo jogo teve início às 19h00 e terminou às 21h00, constituindo embaraços aos populares dependentes de transportes públicos.
No segundo dia, a organização fez jus ao prometido. Foi rigorosa no cumprimento dos horários. O primeiro começou 15h00 e, duas horas mais tarde, o segundo jogo foi testemunhado por mais público (cerca de 12 mil espectadores). A prova foi um sucesso. A organização colocou à disposição de cada selecção participante um autocarro e aos oficiais, viaturas protocolares. As condições de alojamento, alimentação e acomodação deixaram impressionados todos os participantes.

Técnico da selecção da Zâmbia
felicita Presidente de Angola

O treinador da selecção zambiana, Keagan Mumba, felicitou o povo angolano pelo nível de organização do Torneio Internacional da FESA’2010, que serviu para festejar 68º aniversário do Presidente da República de Angola."Parabenizo o povo angolano pela organização demonstrada. Realizaram um evento desportivo a todos os títulos coroado de sucessos. Com este gesto, os angolanos dignificaram a figura do Presidente da República, que comemorou mais um ano de vida. Por isso, dedico esta vitória ao povo angolano e ao seu Presidente, que tanto se bate em prol da melhoria do desporto do seu país", disse. Para o técnico Keagan Mumba, o sucesso do futebol angolano na arena internacional tem "a mão do Presidente da República", por isso, "a homenagem que lhe foi feita é merecida".

Surpresa agradável

A selecção nacional do Lesotho acabou por se tornar numa surpresa agradável, o que impressionou grande parte dos amantes da bola que afluíram o Estádio Nacional de O’mbaka. Fruto da humildade com que se apresentou na prova, os Basotho provaram em campo que nem sempre os nomes são determinantes para se ganharem jogos. Depois de perder por 0-4, na classificativa ao terceiro lugar, o conjunto Basotho redimiu-se e "bateu o pé" à forte selecção sul-africana, derrotando-a por 7-5 na marcação de grandes penalidades. Se, do lado dos Basotho, a satisfação pela sua prestação foi de louvar, o mesmo não se pôde dizer aos sul-africanos, rotulados como potenciais favoritos do torneio. Os "netos de Mandela" começaram mal o torneio e acabaram pior diante do Lesotho. Pura decepção! É o que se podia ler no rosto dos integrantes da selecção sul-africana.  

O melhor da prova

A organização da FESA procedeu a algumas distinções no final do torneio. Os destaques recaem para o jovem guarda-redes da Selecção Nacional de Angola Adilson Cipriano (Neblu), considerado o Melhor Jogador do certame. Ao rubricar três golos na prova, o atacante sul-africano Stevan Sheldon conquistou o prémio de melhor marcador e o prémio para a selecção fair-play coube ao Lesotho.

Postura dos benguelenses
agrada a Pedro Garcia

O director provincial da Juventude e Desportos de Benguela, Pedro Garcia, elogiou o comportamento do público que acedeu ao Estádio de O’mbaka e prestou tributo às selecções participantes do Torneio FESA’2010. A atitude do público, disse, superou as expectativas esperadas. "O público acedeu aos nossos apelos e compareceu no estádio. Durante os dois dias, os benguelenses, em representação do país, brindaram uma calorosa recepção aos nossos visitantes, que participaram da festa do aniversário do Presidente da República", referiu.

Pedro Garcia afirmou que "foi gratificante a forma como o público se comportou no estádio: ordeiro e disciplinado, sem que para tal necessitasse a intervenção policial para manter a ordem na casa". O antigo internacional angolano assegurou que o executivo provincial vai continuar aberto para apoiar o desporto nacional e a selecção nacional de futebol está entre as prioridades.

João Malanshton
elogia Palanquinhas

O técnico de futebol João Diogo dos Santos "Melanshton" manifestou o seu regozijo pela postura dos jovens da selecção nacional de Sub-20 no torneio da FESA. "Do que pude observar, há talentos na selecção nacional e, pela compleição física apresentada, são todos de idade real e com muito futuro. Apresentaram uma postura digna de louvor, jogaram bem nos dois jogos e foi com muita pena que não conquistarem o troféu. Ainda assim, dignificaram o futebol angolano", referiu. No jogo de consagração, os "Chipolopolozinhos" derrotaram os palanquinhas, por 1-0, numa partida marcada por fortes emoções, dentro e fora das quatro linhas, fruto da pressão exercida pelos comandados de Miller Gomes.

Alargar o leque dos convocados

O professor João Melanshton defendeu o alargamento do leque de jogadores seleccionáveis a serem testados para uma possível integração no conjunto nacional, tanto atletas que evoluem no país como no estrangeiro. "Os responsáveis afectos às selecções jovens devem deslocar-se com frequência às província e tomar contacto com a realidade do futebol local. É preciso alargar o número de jogadores para haver um maior número de opções para as distintas selecções de formação", comentou o também comentarista desportivo. "Limitar-se a atletas que evoluem em campeonatos de Luanda coarcta a possibilidade de outros garotos que também sonham em representar o país ao mais alto nível", acrescentou.