Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Hóquei em Patins em crise na Huíla

Gaud?ncio Hamelay, no Lubango - 14 de Agosto, 2017

Projecto de massificação está paralizado situação que está a preocupar os agentes locais

Fotografia: PHILIPPE LOPEZ | AFP

A modalidade de patinagem na província da Huíla está a atravessar momentos difíceis provocados pela conjuntura económica que o país vive.  Como consequência disso, os projectos de massificação gizados pela Associação de Patinagem da Huíla estão paralisados, aliada a falta de materiais desportivos, equipamentos, recursos financeiros e meio de transporte.

 A persistir assim, alertou o homem forte da patinagem nas terras altas da Chela, Hernâni Santos “corremos o risco de encerrar as portas”. Hernâni Santos disse que neste momento estão a tentar manter as categorias de juvenis e juniores mas com muitas dificuldades de fórum material sobretudo patins, stiks, joelheiras, caneleiras, entre outros para a camada de massificação.

 Neste sentido, o presidente da associação provincial de patinagem da Huíla, Hernâni Santos aproveitou a ocasião para apelar ao órgão reitor da modalidade a olhar urgentemente para o hóquei em patins na província antes que no futuro as coisas venham a complicar.
 Considerou ser uma pena uma província que sempre praticou a modalidade, participou em campeonatos nacionais e a que mais torneios inter provinciais realiza, paralisar com o desenvolvimento da prática da patinagem.

  “Neste momento, a modalidade está a atravessar momentos muito difíceis tendo em conta a actual situação económica que o país atravessa. Pois neste instante nós não estamos à margem de todas essas dificuldades. Estamos com problemas da falta de materiais, financeiros, transporte, só para citar estes. Todas as nossas dificuldades foram se agravando principalmente no que toca ao processo de massificação que está parado.

E estamos a ver que se não houver um olhar mais atento em termos de apoio, vamos ter que encerrar as portas, o que é triste para o desporto na província e no atinente particularmente a modalidade de hóquei em patins”, avisou. Dois clubes mormente 1º de Dezembro e o Juventude do Lubango, movimentam a modalidade ao nível da cidade do Cristo-Rei, segundo Hernâni Santos e acrescentou estar na forja outro projecto de implementação da patinagem no Benfica Petróleos do Lubango.

“Felizmente há conversas muito positivas com o presidente de direcção do clube encarnado do Lubango, Jacques da Conceição para acolher a modalidade. Mas oficialmente aqui na província temos dois clubes e que estão a atravessar muitas dificuldades no concernente ao material, transportes, porque nós estamos a treinar no Pavilhão Anexo nº 1 da Nossa Senhora do Monte, o que requer transporte para levar o petizes e vice-versa.

Se não se der a devida atenção, a toda essas dificuldades, o futuro está mesmo ameaçado”, lamentou. O dirigente associativo apontou existir algum material para as categorias de competição juvenis e juniores, enquanto ao nível dos escalões de massificação o projecto parou. Hernâni Santos elucidou que a massificação está parada porque não há material para formação e adiantou que inclusive há algumas escolas que ainda funcionam, mas se não se der a devida atenção, podem fechar a qualquer momento.

  “Estou a falar do Sporting Clube do Lubango, que abraçou a modalidade, a Escola de Patinagem da Huíla, o próprio Benfica quer arrancar com a massificação e é a massificação que garante a continuidade da patinagem. Se esta categoria está como está, então, adivinhasse que a qualquer momento as coisas podem nos complicar nas classes posteriores: juvenis e juniores”, citou.

 Ressaltou que apesar das inúmeras dificuldades que a modalidade vive na província, conta com um bom número de atletas que continuam a aderir a modalidade, gostam da patinagem e acorrem aos recintos de treinos. Enumerou que ao todo, praticam o hóquei em patins, 50 atletas repartidos em dois clubes 1º de Dezembro e o Juventude do Lubango, nos escalões de juvenis e juniores.

Disse que haveria muito mais praticantes se as classes de massificação nomeadamente as escolas estivessem a funcionar. “Estão a funcionar, mas muito timidamente”, frisou. Hernâni Santos defendeu que a nível do hóquei em patins, quanto muito mais material é necessário sobretudo joelheiras, caneleiras, entre outros, daí “ necessidade de haver mais disponibilidade financeira”.

INOVAÇÃO
Huíla incrementa corrida de patins em linha

A integração da disciplina de corrida de patins em linha, constitui uma grande inovação ao nível da Associação Provincial de Patinagem da Huíla, afirmou no Lubango, o presidente de direcção do referido órgão, Hernâni Santos. “A patinagem em linha foi uma grande inovação porque no ano passado integramos a nível da associação esta especialidade de corrida em patins”, felicitou.

 Hernâni Santos realçou que essa inclusão vai de encontro com as novas realidades mundiais já que os campeonatos mundiais deste ano a decorrer em Setembro em Nanjing, China, deixaram de ser mundiais de hóquei em patins e passam a designarem-se de campeonatos mundiais de patinagem. “E nós na Huíla, estamos bem servidos”.

 Citou possuir na Huíla um clube denominado “Tireni” vocacionado para a dinamização desta especialidade de corrida com patins.
 Apontou que o clube Tireni, estava apenas desfasado em termos de integração oficial, porém neste momento estão na associação onde ocupam uma vice-presidência.

“E posso garantir que neste momento a área mais forte da Associação Provincial de Patinagem da Huíla é a corrida de patins porque eles também não requerem muito material. Basta um patim em linha e pouco mais é suficiente para massificar a modalidade. Tem pessoas muito dinâmicas que estão em frente deste projecto”, destacou.  Hernâni Santos defendeu a necessidade do enquadramento em termos de campeonatos nacionais no sentido de fazer despontar novos talentos nesta especialidade.

 O número um da patinagem huilana disse estar bem servido na corrida de patins em linha, mas se não haver apoios por parte do órgão reitor da modalidade no país e a nível local do governo provincial, a modalidade pode ser extinta.  “A nível local, o governo provincial, também deve dar uma maior atenção e não só o hóquei em patins, porque eu noto isso a nível de outras modalidades. Mas é necessário olhar um pouco com olhos de ver o desporto a nível da província”, manifestou. G.H.

VISÃO
Hernâni defende realização de intercâmbios

A realização de intercâmbios inter provinciais e regionais que permitem dotar de maior rodagem competitiva as equipas, foram defendidos pelo presidente de direcção da Associação Provincial de Patinagem da Huíla. Hernâni Santos referiu que a Huíla e Namíbe, são as únicas províncias na região sul que mantém a tradição de estimular os intercâmbios.

 “Pelo que sei as províncias da Huíla e Namíbe, mantêm a tradição de realizar intercâmbios. Tivemos recentemente no Lubango, o festival de patinagem denominado Festipatim Coca-Cola. Agora temos um convite para irmos ao Namíbe. E isto é muito bom porque só assim é possível desenvolvermos a nossa modalidade”, destacou. 

 Argumentou que se os clubes e equipas ficarem restritos a nível do trabalho interno, não haverá desenvolvimento e aconselhou outras províncias a optar também pela realização de intercâmbios pelo facto de se disputar um campeonato anual a nível de todas as províncias.

 Indicou que estes inter provinciais, vão dar outro entrosamento às equipas das respectivas regiões do país que praticam a modalidade.
 “Estes inter provinciais, vão dar outro entrosamento e porque uma coisa é treinar localmente e outra é competir com outras províncias. Por isso, está de parabéns a Huíla porque tem organizado regularmente o Festipatim Coca-Cola”, disse.

 Hernâni Santos, manifestou a sua satisfação pelo facto do Clube do Benfica do Namíbe organizar um torneio inter provincial entre a Huíla, Namíbe e Benguela, no próximo mês de Setembro, em alusão às festividades da fundação daquela agremiação desportiva.
Referiu que a iniciativa do clube encarnado do Namíbe é louvável pois contribui para o desenvolvimento da modalidade, não só a nível regional e mas sim também nacional.

 “Como sabemos a maior praça do hóquei em patins está a nível de Luanda. E as equipas de outras províncias nomeadamente Huíla, Namíbe e Benguela para tentarem chegar a nível competitivo próximo das equipas de Luanda, só com a realização de intercâmbios provinciais. Sem estes torneios, fica muito difícil as províncias atingirem um nível para ganharem campeonatos nacionais”, admitiu. 
Gaudêncio Hamelay, no Lubango

CONVOCATÓRIA
Chamada de Licínio Torres
alegra responsável


A convocatória do hoquista huilano Licínio Torres, para fazer parte da pré Selecção Nacional de Patinagem em Sub-20, visando o Campeonato do Mundo, prova aprazada para o mês de Setembro, em Nanjing, China, demonstra o esforço do árduo trabalho que a província desenvolve em prol da modalidade.

A constatação é do presidente da Associação Provincial de Patinagem da Huíla (APPH), Hernâni Santos e acredita que o atleta convocado tem capacidades técnicas para estar entre os eleitos do seleccionador nacional. Ressaltou ser motivo de maior satisfação em saber que um atleta totalmente formado a nível das escolas da Huíla, desde a massificação, estar convocado para integrar a Pré Selecção Nacional nos escalões de Sub-20, com vista ao mundial da modalidade.

 De acordo com Hernâni Santos, significa dizer que afinal há trabalho na província para o desenvolvimento da patinagem. “É um orgulho e nós associação temos o nosso sentido de missão cumprida. Isso significa dizer que na Huíla afinal se está a trabalhar. Não é para qualquer província pôr um atleta a nível de selecções nacionais. Isto é resultado de muito trabalho e só espelha que afinal a Huíla está a trabalhar”, manifestou.

 Destacou que Licínio Torres é um dos melhores atletas formados, daí a província da Huíla está de parabéns por estar representada numa pré selecção nacional de patinagem que vai competir numa prova mundial.                                          
G.H