Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Interlagos apertado

03 de Novembro, 2010

Hamilton está a 21 pontos do líder do Mundial

Fotografia: AFP

Após a emocionante corrida de 2008, que lhe rendeu o título de campeão mundial, Lewis Hamilton parte para o circuito de Interlagos ciente de que não tem o melhor carro do grid, mas admite que tudo pode acontecer. “Independente do que possa acontecer, vai ser uma briga apertada. Vamos para o Brasil, mesmo sabendo que não temos o carro mais rápido, mas teremos um pacote decente que deverá funcionar bem”, disse Hamilton.

“Temos um forte motor e boa velocidade nas rectas. Acredito que conseguiremos ser rápidos. Crucialmente, esta combinação pode dar-nos a oportunidade de ultrapassar na primeira curva, o melhor lugar para fazer isso na pista”, acrescentou o piloto da McLaren.
Hamilton disse que, apesar da expectativa em torno do impacto do GP do Brasil na decisão do título, vai para a cidade de São Paulo pensando em conseguir apenas uma boa corrida.

“Sei que o Campeonato Mundial está na cabeça de todo o mundo no momento, mas não estou a pensar muito nisso. Preciso conseguir um bom resultado no Brasil para levar a disputa para Abu Dhabi. Esta é a minha prioridade”, concluiu.

Intergalos
é “estranha”

Segundo posicionado no GP do Brasil de 2009, Robert Kubica prefere não fazer nenhuma previsão para a corrida do ano corrente. Para o polaco, o piloto precisa de sorte para correr em São Paulo e, principalmente, torcer para que a chuva fique longe do circuito de Interlagos. “O Brasil é uma pista estranha e é muito difícil prever a corrida”, disse o piloto da Renault que acrescentou: “Há uma longa recta para fora da última curva, onde vamos ganhar muito com o douto frontal.

Dará potência ao motor e isso é importante”, completou Kubica, que vê o instável clima de São Paulo como uma “lotaria”. “O tempo é uma lotaria, porque o Brasil ganha condições instáveis nessa época do ano. É provável que teremos de correr com a pista molhada, como fizemos em 2009”, analisou.

“Quando chove, a pista tem aderência muito ruim e o piloto tem de ter a sorte para conseguir o equilíbrio perfeito com o carro”, justificou. “Tive um bom resultado no ano passado, que veio como uma surpresa. Será difícil repeti-lo este ano, mas como disse, o tempo pode desempenhar um grande papel em Interlagos e tudo pode acontecer”, concluiu.


Barrichello elogia Interlagos

Na preparação para o Grande Prémio do Brasil de Fórmula 1, o brasileiro Rubens Barrichello enalteceu a penúltima prova da época de 2010 do Campeonato do Mundo. O piloto da Williams elogiou a etapa brasileira da categoria e tudo que a cerca, como a cidade, o circuito e os admiradores. Barrichello projectou a possibilidade de correr com pista molhada, um dos pisos favoritos do piloto.


“Essa é a minha prova favorita. Amo a cidade, as pessoas e a atitude dos admiradores. Gosto de estar aqui, mas a estadia passa muito rápido”, contou. “A pista tem um óptimo traçado. Há alguns pontos de ultrapassagem em Interlagos e sempre existe a oportunidade da chuva tornar as coisas ainda mais interessantes”.

Rubinho, como também é tratado, elogiou o circuito de São Paulo, criticado por alguns pilotos no início da época pela sua “idade avançada” e falta de modernização. Para o piloto, o traçado é um dos mais técnicos do Campeonato do Mundo. “As curvas à direita 6 e 7 são uma das melhores do mundo. Conseguir um bom acerto e ir bem no qualifying é importante, mas não é fácil acertar o carro. O piloto precisa de uma tracção e balanceamento fortes”, explanou, prometendo mudanças no carro para a prova de São Paulo.

“A Williams tende a atender às necessidades da pista do Brasil e terei um novo motor para essa prova. Veremos como vai ser”, comentou e agradeceu o apoio do público. “Pelas mensagens que recebi, sei que os admiradores querem que a equipa vá bem nesse final de semana, e faremos o possível para conseguir isso”.

Jenson Button sonha repetir
performance do ano passado

Pouco mais de um ano após sagrar-se campeão mundial, em Interlagos, o piloto inglês Jenson Button está de volta ao Brasil. Agora, na McLaren, o piloto quer repetir a performance do ano passado para tentar manter a oportunidade de chegar ao bicampeonato nessa época. “Aprendi uma importante lição: em 2009, larguei em 14º lugar, enquanto o meu companheiro de equipa Rubens Barrichello foi pole. Mas quando pensei que estava tudo perdido, fiz uma corrida agressiva, uma das melhores da minha carreira na Fórmula 1”, disse o britânico.

Para coroar, “essa é uma coisa que vou levar para o próximo final de semana, onde sei que não só preciso de um bom resultado, mas também dependo dos outros para continuar na disputa pelo campeonato”, comentou o inglês, que foi o quinto colocado em 2009, o suficiente para levantar a taça. Pela primeira vez no Brasil, desde que se consagrou, Button elogiou bastante o circuito de Interlagos.

“Trata-se de uma pista incrível, um lugar onde o piloto corre forte e todos os seus erros são punidos, mas é recompensado se atacar. Creio que o nosso pacote combina com esta pista”, avaliou Jenson, prometendo muita garra. “No ano passado, lutei muito para ser campeão e não vou desistir agora sem lutar”, afirmou. Nesse momento, Button soma 189 pontos no Mundial, contra 231 do líder Fernando Alonso. Restam 50 pontos em disputa da época.

Bridgestone com pneus
médios e supermacios

A fornecedora exclusiva de pneus para a Fórmula1, a Bridgestone, anunciou que optou pelos compostos médios e supermacios para a disputa do GP do Brasil, programado para o próximo domingo no autódromo de Interlagos, em São Paulo. “Interlagos é uma pista maravilhosa e desafiadora. Apesar de ser a segunda pista mais curta do calendário, tem uma impressionante recta e empolgantes curvas.

Para maximizar o desempenho, é importante ter um bom balanço através das curvas até à subida do último trecho. A travagem da primeira curva é uma óptima oportunidade de ultrapassagem, mas ao mesmo tempo pode acabar com os pneus”, avaliou Hirohide Hamashima, director de desenvolvimento de pneus desportivos. Penúltima do ano, a etapa brasileira costuma ser marcada por mudanças climáticas, o que preocupa o japonês.

“Esse é um importante factor, pois pode variar de muito quente para muito molhado”, observou. Dependendo da combinação de resultados, o piloto da Ferrari Fernando Alonso pode sagrar-se campeão na capital de São Paulo pela terceira vez. Para isso, basta vencer e torcer para que Mark Webber chegue, no máximo, em quinto lugar.

Fittipaldi desfila
com carro histórico

O bicampeão de Fórmula 1, Emerson Fittipaldi, teve um reencontro que o deixou emocionado ontem, terça-feira. Em dia de repouso, na passagem da categoria pelo Brasil para a etapa de Interlagos, no próximo domingo, uma empresa promoveu um passeio do piloto pelas ruas de São Paulo com a Lotus que o ajudou na conquista do título de 1972 e na primeira vitória na Fórmula 1, no GP dos Estados Unidos de 1970.

Por volta das 8h00 (locais), Fittipaldi deu a partida na réplica do histórico modelo e passou por um dos novos cartões-postais da cidade, a Ponte Estaiada, localizada na Zona Sul de São Paulo. O passeio durou menos de 10 minutos e atraiu alguns curiosos na manhã nublada do Dia de Finados. O pouco movimento nas ruas no feriado evitou transtornos por conta do evento, que interditou vias importantes da cidade de São Paulo como a Marginal Pinheiros. No momento do evento, São Paulo tinha 0 km de congestionamento registado pela Companhia de Engenharia de Tráfego.

O passeio faz parte do final de semana da Fórmula 1 no Brasil, com o Grande Prémio de Interlagos. A possibilidade de chuva é dada como grande pelos meteorologistas. Na pista, o espanhol Fernando Alonso, da Ferrari, é o líder da competição com 231 pontos. O segundo é Mark Webber, da Red Bull, com 220, seguido de Lewis Hamilton (McLaren), com 210, Sebastian Vettel (Red Bull) com 206 e Jenson Button (McLaren) correndo por fora, com 189 pontos. Felipe Massa (Ferrari) é o sexto colocado, com 143 pontos.