Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Leões gastaram menos que os rivais

15 de Setembro, 2010

Sporting é o clube, com pior saldo financeiro nas transferências

Fotografia: AFP

O Sporting é o clube, entre os chamados três grandes, com pior saldo financeiro nas transferências de jogadores durante o ano de 2010, ao registar um prejuízo de 3,8 milhões de euros nas transações de atletas. A balança negativa, correspondente às transferências realizadas entre 1 de Janeiro e 31 de Agosto deste ano, resulta da diferença entre os 20 milhões de euros recebidos na venda de atletas e os 23,8 milhões gastos em aquisições.

Os leões ficam atrás do Sp. Braga (10,25 milhões positivos), FC Porto (9 milhões positivos) e Benfica (1,5 milhões negativos), apesar de terem gasto menos dinheiro que os dois principais rivais. Para este resultado, contribuiu o reduzido número de vendas efectuadas desde o início do ano, durante o qual apenas transferiu dois atletas, ambos no início da nova época e ambos criados na "cantera" verde e branca: os médios, João Moutinho e Miguel Veloso.

O antigo "capitão" disse adeus a Alvalade e rumou ao FC Porto, com os leões a receberem 11 milhões de euros, antes de Miguel Veloso aceder ao convite do Génova e mudar-se para Itália a troco de nove milhões. Sem qualquer venda registada no mercado de Inverno da temporada passada, os dirigentes da formação de Alvalade deram primazia às aquisições e foi precisamente durante esse período que "aterraram" em Alvalade quatro dos 12 reforços de 2010.

O moçambicano Mexer, proveniente do Desportivo de Maputo, foi o primeiro a chegar, seguindo-se o francês Sinama-Pongolle (ex-Atlético de Madrid), segunda contratação mais cara da história do clube (6,5 milhões), e os portugueses João Pereira (ex-Sporting de Braga) e Pedro Mendes (ex-Glasgow Rangers). Já no início desta época, os leões voltaram ao mercado e gastaram mais 12,5 milhões de euros em Evaldo, Torsiglieri, Nuno André Coelho, Diogo Salomão, Jaime Valdés e Alberto Zapatero, além de Tales de Souza, inscrito nas últimas horas do mercado.

Benfica e Braga
amealham milhões

O Benfica e o Sporting de Braga já amealharam quase dez milhões de euros só por entrarem na fase de grupos da Liga dos Campeões (LC) de futebol, ajudando Portugal a manter o sétimo lugar nos países com mais ganhos. Tendo em conta os valores da última temporada, os prémios monetários para 2010/11 ainda não foram revelados, os dois clubes portugueses presentes na prova vão receber 3,8 milhões de euros de prémio de participação, mais 550 mil por cada um dos seis jogos, o que perfaz um total de 7,1 milhões.

O Benfica e o Sporting de Braga vão ainda dividir o valor do "market pool" para Portugal, que engloba transmissões televisivas e publicidade estática, com os “encarnados” a receberem 55 por cento por ser campeão.

Real Madrid arrecada 27 milhões

O clube espanhol, nove vezes campeão da Europa, arrecadou 27 milhões de euros em receitas de bilheteira no ano que terminou a 30 de Junho, um aumento de 48 por cento face ao período homólogo. No mesmo período, o lucro antes de impostos do Real Madrid aumentou 24 por cento para 31 milhões de euros.De acordo com o relatório e contas do clube, este crescimento foi sobretudo sustentado na procura de adeptos estrangeiros, nomeadamente dos EUA e do Reino Unidos. Peritos contactados pela Bloomberg explicam que o futebol espanhol é hoje uma verdadeira atracção turística, para a qual contribuiu as contratações milionárias do Real Madrid.

Só Ronaldo custou mais de 90 milhões de euros, a transferências mais cara na história do futebol. "Existem agora mais bilhetes disponíveis para estrangeiros devido à crise económica", explicou o CEO da agência Prime Time Sports à Bloomberg, acrescentando que os fãs vêm de todo o mundo e os jogos dos grandes clubes espanhóis são um dos principais alvos de interesse dos turistas, chegando a ser mais procurados do que os principais museus das cidades. Os números do Real Madrid são divulgados numa altura em que a Espanha tenta recuperar da pior recessão dos últimos 60 anos, que levou o desemprego a rasgar a barreira dos 20 por cento.

UEFA mantém
prémios monetários

O organismo que rege o futebol europeu adiantou que, além dos 550 mil euros por jogo da fase de grupos, os clubes continuarão a poder ganhar mais 800 mil, em caso de vitória, e 400 mil, em caso de empate. A UEFA vai manter os prémios monetários para as 32 equipas que vão participar na Liga dos Campeões de futebol, sendo que Benfica e Sporting de Braga já arrecadaram cerca de 10 milhões de euros pela entrada na fase de grupos.

O organismo que rege o futebol europeu adiantou à Agência Lusa que, além dos 550 mil euros por jogo da fase de grupos, os clubes continuarão a poder ganhar mais 800 mil, em caso de vitória, e 400 mil, em caso de empate. A qualificação para os oitavos de final garantirá a cada emblema mais três milhões de euros e para os quartos de final o prémio será de 3,3 milhões. As quatro equipas que alcançarem as meias-finais recebem 4,2 milhões de euros, o finalista vencido soma 5,6 milhões e o clube que conquistar o troféu terá direito a mais nove milhões.

Além dos prémios monetários pela parte desportiva, que são idênticos à época anterior, a UEFA estima distribuir um total de 341,1 milhões pelo "market pool", que engloba transmissões televisivas e publicidade estática, com o Benfica a receber 65 por cento pelo mercado português e o Sporting de Braga os restantes 35 por cento. Na última temporada, o FC Porto, única equipa lusa em prova, recebeu 5,4 milhões de euros pelo "market pool", um montante que resulta também pelo número de jogos que os clubes de cada país disputam. No total, a UEFA estima gastar 1,1 mil milhões de euros em prémios monetários na Liga dos Campeões.