Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Mabi de Almeida e uma morte prematura

08 de Junho, 2010

Mabi de Almeida morre aos 47 anos de idade.

Fotografia: Jornal dos Desportos

Em véspera de realização do Campeonato do Mundo de futebol pela primeira vez no continente africano, Angola chora pela morte de Mabi de Almeida, antigo seleccionador adjunto de Oliveira Gonçalves nos Palancas Negras. Homem de poucas palavras, Mabi de Almeida pautou por definir ao longo da sua carreira profissional trabalhos assentes nos métodos e nas estratégias científicos.Aquando da sua nomeação como seleccionador nacional, a 26 de Novembro de 2008, em substituição de Oliveira Gonçalves,em entrevista à Angop, havia dito que estava"consciente das responsabilidades"e dos objectivos traçados,pois a"disciplina, humildade e boa gestão dos recursos humanos"eram as linhas de força por que caminharia para a concretização dos objectivos definidos pela Federação Angolana de Futebol: chegar às meias-finais ou à conquista da Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010 e qualificar Angola ao Campeonato do Mundo de 2010.No jogo de estreia como seleccionador nacional, Mabi de Almeida teve como algoz o actual treinador dos Palancas Negras, Hervè Renard, na última eliminatória para a Taça das Nações (CHAN), reservada a jogadores que actuam nos Campeonatos domésticos, Côte d’Ivoire’2009. A Cidadela Desportiva testemunhou o empate a um golo. Antes, na condição de treinador interino, Mabi de Almeida havia obtido uma vitória sobre o Níger, por 3-1, em jogo da última jornada do Grupo III de apuramento ao Campeonato do Mundo’2010 e um empate a zero bola, em Caracas, com a Venezuela, em jogo enquadrado na Data Fifa.O jogo com a Venezuela respondia a uma das exigências de Mabi de Almeida.O antigo seleccionador havia pedido à Federação Angolana de Futebol uma diplomacia mais acutilante para o êxito dos objectivos definidos.Nem tudo foram "rosas"na sua carreira desportiva.Os espinhos também se manifestaram para o desagrado do técnico e dos aficionados do futebol. Durante uma conferência de imprensa, a propósito da convocatória dos atletas visando o jogo amistoso com o Mali, Mabi de Almeida havia dito que encontrava dificuldades para preparar a Selecção Nacional por conhecer tardiamente os adversários, ocais e datas de realização dos jogos.O treinador benguelense tinha como meta elevar o nível competitivo, a criação de um modelo de jogo e criar empatia entre os adeptos e os jogadores. Mas, a não melhoria das condições de trabalho e ausência de celeridade no tratamento das questões administrativas da selecção contribuíram para o seu insucesso nos Palancas Negras. Uma das questões que lhe havia deixado triste foi o afastamento das eliminatórias de acesso ao Campeonato do Mundo, Africa do Sul’2010. Mabi de Almeida havia apontado"a ingerência" de serviços administrativos nos aspectos técnico-desportivos.E para exemplificar, disse:"A dimensão reduzida do Estádio dos Coqueiros facilita os adversários que jogam para empate". Apesar de vitória, Angola apresentou "mau futebol" na primeira parte frente ao Níger.O sonho de implementar um futebol mais vigoroso para expelir no Campeonato do Mundo estava afundado. Mas uma parte mantinha-se de pé: contentar-se com a Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010. Cinco meses de pressão Em Abril de 2009, Mabi de Almeida começou a viver dias difíceis na sua carreira profissional. A pressão dos adeptos de futebol era tão grande quanto à dimensão do país. A direcção da Federação Angolana de Futebol não resistiu a "tensão" e havia admitido na primeira semana do mês a rescisão de contrato com o treinador "com melhor currículo" que havia anunciado em Novembro de 2008.Justino Fernandes e pares estavam cansados com a fraca prestação da Selecção Nacional de Angola nos jogos amistosos.Desde que havia substituído Oliveira Gonçalves, Mabi de Almeida conduziu três jogos oficiais diante do Níger (apuramento para o Mundial – 3-1), Zâmbia (duas vezes para CHAN – 1-1 e 1-0),  amistosos com a Venezuela (0-0), Mali (4-0), Cabo-Verde (1-0), Marrocos (1-1) e Namíbia (1-1).Para um conjunto que albergaria a Taça Africana das Nações Orange-Angola’2010, a apreensão dos angolanos insuflava as almas. Sem pestanejar, Justino Fernandes anunciou que membros da área técnica da Federação Angolana de Futebol estavam no mercado à procura de um treinador com qualidades adequadas para os Palancas Negras, visando a importante campanha africana.O anúncio de rescisão de contrato quebrou as aspirações de Mabi de Almeida no comando dos Palancas Negras, que apostava numa perspectiva de renovação contínua da selecção nacional através de pesquisa de novos valores.  Adjunto fiel do mágico Álvaro de Almeida Mabi nasceu na cidade de Benguela, província com o mesmo nome, no dia 12 de Outubro de 1963 e morreu a 6 de Junho de 2010, na província do Huambo. De nacionalidade angolana, foi treinador de futebol e residiu nos últimos 12 anos, na cidade de Luanda. Estreou-se como treinador de futebol nas equipas jovens do 1º de Maio de Benguela.Através de uma bolsa de estudo, viajou para a República Democrática da Alemanha, onde se licenciou em Educação Física, na especialidade de fisioterapia.Após o regresso a Angola, Mabi de Almeida estreou-se no escalão sénior como treinador do Sporting de Cabinda, em 1998.O tempo de trabalho na equipa de Cabinda mereceu reconhecimento da direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF). Com a nomeação de Oliveira Gonçalves à frente das selecções nacionais jovens, Mabi teve a oportunidade de constar dos quadros da FAF, como treinador adjunto do “mágico”. A dupla de treinadores angolanos trouxe ao país a taça africana mais cobiçada nos escalões de Sub-20, quando desfeitearam na final do Campeonato Africano das Nações a poderosa selecção do Ghana, com golos de Loló e Mantorras.Mabi de Almeida torna-se campeão africano de Sub-20.Com a ascensão de Oliveira Gonçalves à Selecção Nacional de seniores, Mabi de Almeida esteve no reboque com as suas pranchetas, pronto a auxiliar o melhor treinador angolano de todos os tempos. O profissionalismo que sempre o acompanhou mais uma vez estaria à disposição dos angolanos. Quando tudo parecia perdido, Justino Fernandes apostou na "dupla de campeões africanos" para salvaguardar a honra de Angola, um país que se abria para o mundo. Em 8 de Outubro de 2005, Mabi de Almeida festejou em Kigali, Ruanda, como todos os angolanos, a qualificação inédita de Angola ao Campeonato do Mundo.A euforia permaneceu viva até à realização do campeonato do Mundo: Alemanha’2006. Angola fez-se representar com todas as suas forças.Desde a cultura ao desporto, o mundo registou imagens de uma Angola em crescimento. Naquela cimeira, Mabi de Almeida ajudou a arquitectar as tácticas que resultaram em derrota frente a Portugal (1-0); empates com México (0-0) e Irão (1-1), o primeiro golo de Angola numa fase final do Campeonato do Mundo, marcado por Flávio Amado.Em 2009, após a rescisão de contrato com a Federação Angolana de Futebol, Mabi de Almeida teve a oportunidade de conduzir outros clubes nacionais, mas recusou fazê-lo.Na presente época futebolística, Mabi de Almeida assinou contrato com o Benfica de Luanda que teve a duração de "duas jornadas do Girabola". No dia 14 de Abril de 2010, dia da juventude angolana, foi apresentado como treinador do Recreativo da Caála, da província do Huambo, em substituição do técnico interino Patrick Kodia.À frente da agremiação das terras do milho,Mabi de Almeida estreou-se com derrota por 0-1 frente ao Kabuscorp do Palanca, golo de Milex, que se seguiu ao empate na cidade do Lubango frente ao Desportivo da Huíla.A derrota incomodou os adeptos da equipa que já haviam manifestado insatisfação pela sua contratação. Programa de velório e do funeral  6h00 – Chegada da urna ao pavilhão anexo nº 1 da Cidadela Desportiva9h00 – 10h30 – Velório e assinatura do livro de condolências (entidades, governamentais, políticas, religiosas, desportistas e amigos)10h30 – Partida para o Cemitério do Alto das Cruzes11h00- Elogios Fúnebre:a) Famíliab) Clube Recreativo da Caálac) Governo Provincial de Benguelad) Federação Angolana de Futebol- Baixa da Urna