Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Massificação do futsal ganha corpo

Gaudêncio Hamelay, no Lubango - 05 de Outubro, 2013

Crianças entre os 8 e 12 anos estão inseridas num processo de massificação na Huíla que é amanhã apresentado oficialmente e que procura o desenvolvimento do futsal

Fotografia: Jornal dos Desportos

A apresentação oficial do projecto de massificação de futebol  de salão que a equipa da União Desporto e Amizade (UDA) está a implantar  há três meses, sucede  este domingo, na cidade do Lubango na  província da Huíla.

António Leal que é o mentor do projecto, anunciou ao Jornal dos Desportos, que a cerimónia de apresentação aos amantes da modalidade ao público em geral e às autoridades desportivas da província foi preparada ao pormenor para que tudo decorra sem sobressaltos.

 “Vamos fazer a apresentação das nossas equipas domingo. E aproveitar para fazer tudo aquilo que o UDA tem trabalhado para a massificação até agora desde os mais pequeninos que vão desde os oito aos 17 anos até os escalões seniores. Portanto, todas as equipas vão estar presentes no acto com inclusão da nossa equipa feminina”, confirmou.

 António Leal referiu que para abrilhantar os presentes durante o acto com momentos de alegria foi elaborado um programa pormenorizado para o efeito.  Adiantou que para a cerimónia de apresentação oficial do projecto foram convidadas equipas dos escalões de formação de Luanda, Namibe, seniores da UDA, a equipa da Estrela do Palácio da Huíla e algumas figuras VIP da cidade para participarem em jogos demonstrativos de futsal.

 “Conseguimos um contacto com Luanda. Deste modo, vamos contar com a presença neste acto de apresentação do nosso projecto, de uma equipa de Luanda que trabalha no processo de massificação de futsal há mais tempo que nós. Ainda não tenho o nome confirmado, mas  vem para jogar com a nossa equipa dos mais pequenos dos oito  aos 12 anos e localmente contámos  com o colégio Pirilampo nesta faixa etária”, disse.

 António Leal acrescentou que a equipa da União Desporto e Amizade, faz dois jogos. Um com a equipa que vem de Luanda nas categorias dos oito aos 12 anos e outro com o colégio Pirilampo. Na faixa etária dos 13 aos 14 anos vai estar presente uma equipa do Namibe e localmente a formação Estrela do Palácio da Huíla.

Para a categoria dos 15 aos 17 anos vai ser feito um jogo de demonstração por uma equipa do Lubango pelo facto      de não ter sido possível arranjar uma formação de outra província. O mentor do projecto esclareceu que a equipa feminina do UDA (União Desporto e Amizade) defronta a formação do Namibe.

“Há também um jogo de VIP sobretudo pessoal da informação e outros de vários sectores até de empresas que apoiam o projecto de massificação do UDA com equipamentos como é o caso da Ngola e a Coca-Cola. Portanto, esses jogos para abrilhantar um pouco mais. E outras surpresas com realce para música ao vivo e crianças que vão entoar o Hino Nacional com flautas e violinos. Além disso, está programado um lanche para as crianças durante o jogo e água.      Estas condições estão todas garantidas”, assegurou.

António Leal salientou que era também importante contar nesta actividade com uma equipa a representar outras províncias para incentivar a prática do futebol salão. Porém, faltou patrocinadores para arcar com alguns custos.

O presidente da Federação Angolana de Futebol de Salão (FAFUSA) foi convidado a estar presente neste acto de lançamento oficial do projecto de formação de novos talentos para a modalidade.

 “Há mais petizes e adultos a aderir ao projecto do UDA. Mas neste momento, foi o que conseguimos programar porque é quase impraticável para um dia só. Noutras circunstâncias vamos tentar que todos os miúdos em formação sejam incluídos nestas actividades”, explicou António Leal.

 Aclarou que o projecto a nível da camada jovem existe há três meses. Argumentou que este período não é seguido pois houve interrupções por vária ordem. António Leal reconheceu não ser muito tempo mas já se notam atletas fiéis e com vontade de apreender o ABC da modalidade. “Vêm todos os dias aos treinos e garantem a continuidade deste projecto”, confidenciou.


FEMININO
Número de atletas
reduz na província


O número de praticantes de futebol de salão feminino na província da Huila aos poucos está a reduzir devido à falta de incentivos morais e materiais.
António dos Santos Booka atleta da formação dos Imigrantes Universitários lamentou o actual momento que o sector feminino vive nestas paragens.

 “É lamentável que as atletas estejam a desaparecer da nossa província. Acho que a direcção da Juventude e Desportos da Huíla devia ver este problema. Na minha opinião, os responsáveis dos desportos devem pôr fim a este problema. O futsal é uma modalidade como outras. Se temos o andebol feminino que é um orgulho para o país, porque não fazermos isso no futsal feminino? Acho que a direcção dos desportos localmente devia dar mais atenção a essa questão” manifestou.

Para Booka  a causa da fuga das atletas do sector feminino no futsal “está na falta de incentivos”, para depois afirmar que  “quando se está num sítio onde não há desenvolvimento dá nisso não há valorização do atleta. Ele tem que imigrar para outras áreas ou províncias onde é valorizado e reconhecido”, justificou.

Já o treinador da equipa da Estrelas do Palácio Hélio Medeiro referiu que o campeonato feminino está a fazer muita falta.

A Huila foi uma potência na prática do futsal feminino, mas “as nossas jogadoras estão a fugir para jogar noutras províncias, sobretudo Namibe e Benguela”.


“Temos um campeonato demasiado competitivo”

Treinador da União Desporto e Amizade diz
que falta melhorar a organização


O treinador António Leal afirmou ontem no Lubango que a cada ano que passa,está mais forte  a disputa do campeonato provincial da modalidade.

“Inevitavelmente há que dizer que o campeonato de futsal a nível da província está mais forte. Isso é evidente. As equipas que eram mais fortes tradicionalmente já não são. Estou certo que a cada ano que passa, as coisas melhoram”, reconheceu.

“Em termos competitivos as equipas mais fortes tradicionalmente já não são mais porque a cada ano que passa as coisas estão a melhorar, mas infelizmente a organização ainda não é boa. E temos de ser sérios ao revelar essas coisas. Por isso, temos de combater isso, para que realmente possamos seguir em frente”, frisou.

O técnico da formação de futebol de salão da UDA admitiu que quando a organização melhorar as regras todas aceites e acatadas, as equipas evoluem muito mais nas suas performances competitivas.

O problema de organização pode parecer um pormenor, sublinhou ser muito importante em determinados momentos para as equipas que estão a disputar os primeiros lugares do campeonato provincial de futsal e acabam por ser às vezes penalizadas por situações de falta de organização.

António Leal acredita que todos juntos podem melhorar a organização para ver se realmente no futuro haja maior      rigor e melhor competitividade nas competições internas no Lubango.

De acordo com o técnico da UDA, a Associação Provincial de Futsal da Huíla, este ano trabalhou muito mal. “Todos os clubes devem dizer isso. Não é só o UDA. Digo isso e de uma forma sustentada porque pode-se provar isso. Mas penso que todos os clubes, no geral, têm esse tipo de pensamento e apreciação”, confessou.

O nosso interlocutor avançou que as pessoas não devem ser negativas nem destrutivas. Mas pensar que é possível reconverter e fazer o melhor pois as     pessoas devem ganhar nova consciência e tentar fazer aquilo que é importante para a província e o país em termos de desenvolvimento da modalidade.

Na opinião de António Leal, as equipas estão a dar passos significativos no sentido de treinarem mais e terem melhor qualidade de trabalho. Todas elas, com destaque para a formação de futsal do Chela, Estrela do Palácio entre outras, há um ano têm trabalhado melhor.

Reconheceu que já se trabalha muito bem na Huíla. Neste momento as equipas estão a trabalhar melhor do que há dois anos atrás. “Contudo, é preciso que isso realmente seja acompanhado por todos os órgãos e agentes que têm a ver com o futsal”, defendeu António Leal.


TREINADOR DAS ESTRELAS DO PALÁCIO

Hélio Medeiros reconhece
competitividade no provincial


Hélio Medeiro treinador principal da formação das Estrelas do Palácio, reconheceu que o campeonato provincial de futsal na Huíla está “extremamente” competitivo.

 Argumentou existirem muitas surpresas a nível das equipas novas e os principais candidatos também começam a destacar-se na classificação, tendo confessado que a única preocupação verificada prende-se com a organização da parte da associação, o que começa a criar algumas dificuldades no decorrer da competição.
 
 “Em termos técnicos com uma ou outra falha, a associação tem estado a fazer o seu trabalho na marcação de jogos e na preparação de recintos de jogos. É próprio. Nem sempre as coisas correm conforme o planificado ou previsto visto que também dependem da direcção da Juventude Desportos para marcação de jogos principalmente aos dias de semana pelo facto dos jogos realizarem-se no período nocturno. De resto é de louvar”, disse Hélio Medeiro.

 Comparativamente à edição passada sustentou que neste provincial registou-se o aumento de duas equipas com relação à competição transacta e recordou que no ano passado participaram na prova 16 equipas, enquanto nesta há 18 formações. Adiantou que para maior competitividade a associação local teve de fazer uma triagem às equipas participantes.

 Para o treinador da equipa das Estrelas do Palácio, a prática do futsal na província da Huíla, já é um facto, o que falta agora é uma consistência por parte da organização. Apontou que a organização devia definir políticas que visassem a melhoria da modalidade visto que a Huíla não tem exemplos de outras províncias cujas formações são detentoras de patrocinadores.

 Referiu que na Huila, cada equipa sobrevive por seus próprios meios “As equipas não possuem patrocínios. A associação tem que ver um pouco sobre os custos que esse campeonato tem. E definir políticas que consigam salvaguardar estas equipas”, referiu.


ANTÓNIO BOOKA
Futsal é realidade


António dos Santos Booka, atleta da formação dos Imigrantes Universitários avaliou de positivo o campeonato provincial de futsal tendo em conta o nível de competitividade que a prova apresenta.

 “Se tivermos em conta os resultados que as equipas apresentam o campeonato está a decorrer a bom ritmo. Em termos técnicos também é salutar, pois as equipas têm comportamentos positivos”, realçou.

 Disse que o futebol salão tal como as outras modalidades têm fases. Para ele, os favoritos à conquista do provincial, já são conhecidos. Admitiu que o Desportiva da Chela e Estrelas do Palácio, estão em condições de disputar o primeiro lugar. Além disso, manifestou também que há outras equipas candidatas ao título provincial com realce para o UDA da Muhonda e o UDA.

“O futsal na Huíla já é uma realidade, pese embora não termos patrocínios e atenção especial merecida para a modalidade. Mas já é uma realidade. Há uma entrega total de praticantes dessa modalidade” salientou António dos Santos Booka.