Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Michael Jordan

28 de Fevereiro, 2011

Michael Jordan nasceu em Nova Iorque

Fotografia: AFP

Apesar de seus quase dois metros, a altura era uma das coisas que menos chamavam a atenção quando Michael Jordan estava em campo. Pode até dizer-se que era um baixinho se comparado a outros atletas como Shaquille O'Neal, de 2,14 metros. Quando punha a língua de fora, corria e pulava em direcção ao cesto e dificilmente era parado. Jordan não foi apenas o melhor armador que o Chicago Bulls já teve, foi também o jogador de maior destaque internacional da História do basquetebol e, segundo o site da NBA, o maior desportista a vestir a camisola de um clube da liga.

As suas notáveis bandejas, enterradas, cestos de três pontos, assistências e desarmes impressionaram o mundo. Jordan transformou-se em ídolo de toda uma geração, passou a ser estampado em camisolas, painéis publicitários, deu nome a pares de ténis e a perfume. Desde cedo, que demonstrou gosto pelo desporto. No início da década de 80, começou a destacar-se na liga universitária de basquetebol dos EUA.

Na temporada 1983-84 foi eleito o melhor jogador do campeonato, além de ter ganho dois importantes prémios em 1984. Nascido em Nova Iorque, Jordan fez a faculdade no Estado da Carolina do Norte, onde se iniciou no basquetebol universitário. Na selecção feita anualmente por equipas da NBA com jogadores universitários, Jordan foi considerado o terceiro melhor em 1984. Contratado pelo Chicago Bulls, foi eleito o estreante da temporada 1984-85 e o seu desempenho foi brilhante, com uma média de 28,2 pontos por jogo.

Uma contusão no pé deixou-o de fora quase todo o campeonato 1985-86. No entanto, recuperou a tempo de participar da fase final (playoffs). Numa dessas partidas, estabeleceu o recorde de pontos marcados num jogo de etapa final: 63 contra o Boston Celtics. Na temporada seguinte, um novo recorde: foi o cestinha do campeonato, com uma média de 37,1 pontos por partida.

Foi o primeiro de sete campeonatos consecutivos como cestinha. Quando decidiu aposentar-se, em 1993, já tinha conquistado três prémios como melhor jogador da NBA. Convocado nove vezes para o All-Star Game, partida realizada entre a selecção das divisões leste e oeste da NBA, foi eleito o melhor jogador da partida de 1988, quando assinalou 40 pontos.

Jordan não foi apenas um cestinha insuperável. Tinha liderança dentro de campo e levou o seu clube a três títulos consecutivos por duas vezes na década de 90: 1990-91, 1991-92 e 1992-93 e 1995-96, 1996-97 e 1997-98. Talvez a falta de desafios o tenha levado a deixar o basquetebol em 1993.Jordan crescia nas decisões, nos jogos finais suas estatísticas superavam os números da fase classificativa. Depois de três títulos consecutivos, decidiu trocar o basquetebol pelo bastão de beisebol.

Não teve sucesso e voltou após um ano. Na temporada seguinte, 1995-96, com desempenho brilhante, iniciou mais uma série de conquistas, sendo campeão nos três anos consecutivos. A reforma definitiva veio em 1998, após o último título. Os números da carreira deste negro de Brooklin, bairro humilde de Nova Iorque, são impressionantes.

Em 13 temporadas na liga nacional de basquetebol dos Estados Unidos, esteve presente nos “All-Star Games”, jogos anuais com os melhores jogadores que disputam a liga norte-americana, em 1987, 88, 89, 90, 91, 92, 93, 96, 97 e 98, foi escolhido como o melhor jogador das finais da NBA em 1991, 92, 93, 96, 97 e 98, maior cestinha da História do Chicago Bulls, com quase 30 mil pontos. Jordan também foi o jogador com maior média de pontos marcados por jogo em todos os tempos no basquetebol norte-americano, realizou o maior número de desarmes em 1988, 1990 e 1993.

Por dentro

Nascimento: 17/02/1963, em Nova Iorque
Altura: 1,98 m Eleito melhor jogador da liga universitária de basquetebol dos EUA em 1983 e 1984
Estreia na NBA: 1984
Eleito novato do ano em 1985 (NBA)
Recorde de pontos consecutivos na NBA: 23 contra o Atlanta Hawks, em 16/04/1987
Eleito jogador mais valioso da NBA em 1988, 1991, 1992, 1996 e 1998
Recorde de pontuação numa partida de fase final (playoff) da NBA: 63 pontos
Maior número de desarmes nos anos de 1988, 1990 e 1993
Recorde de pontuação numa única partida: 69 pontos, em 28/03/1990
Eleito um dos 50 melhores jogadores da História da NBA
Maior cestinha do Chicago Bulls, com 29.277 pontos
Média de 31,5 pontos por jogo na carreira, a maior da História do basquetebol norte-americano
Medalha de Ouro nas Olimpíadas de 1984 e 1992