Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Napoleão tranquiliza os sócios

Manuel Neto - 09 de Fevereiro, 2010

Napoleão Brandão vem a público tranquilizar os sócios do clube

Fotografia: Jornal dos Desportos

"Apesar de todas as dificuldades trabalhamos com tranquilidade. "Dificuldades de vária ordem, dentre as quais os atrasos no pagamento dos vencimentos e prémios de jogo, têm assolado a equipa do Sagrada Esperança. Por esses motivos, foi a última das 16 a fazer parte do Girabola´2010 a iniciar o trabalho de pré-temporada.

Apesar disso, Napoleão Alfredo Brandão, treinador principal, vem a público tranquilizar a massa associativa do clube, pedindo que se mantenha calma e adianta que a situação não é tão dramática como muitos propalam. "Apelo aos adeptos da equipa no sentido de ficarem tranquilo".diz

Ouve-se dizer que o Sagrada Esperança vive dias difíceis. Confirma?
As dificuldades existem em qualquer clube e o Sagrada Esperança não foge à regra. Apesar disso, estamos a fazer tudo para ltrapassar todos os problemas que enfermam o grupo para aparecermos bem no Girabola.

Concretamente, que dificuldades enfrenta o grupo?
São várias, de âmbito social, mas não me compete comentar esse assunto ao pormenor, por serem de responsabilidade da direcção do clube. Ainda assim, quero deixar bem claro que isso não nos impede de fazer o nosso trabalho, com tranquilidade. O grupo está a trabalhar com muita força. Acredito que a direcção está a trabalhar para superar todas as dificuldades por que passamos.

A questão dos prémios de jogo e vencimentos em atraso foi solucionada?
Conforme disse, não é apenas o Sagrada Esperança que tem problemas de salários e de prémios de jogo. Há muitas equipas no país que enfrentam esse tipo de problemas e, dentro de um clima harmonioso, têm procurado resolvê-los. É certo que nem todos os atletas estão preparados para enfrentar essa situação, e, por isso, temos feito um grande trabalho no sentido de sensibilizar os nossos atletas a não perderem a cabeça, a trabalharem com disciplina, porquanto a direcção está a trabalhar no sentido de resolver a questão.

A direcção avançou um horizonte temporal para resolver a questão?
Pelo que tenho acompanhado, penso que o assunto será superado brevemente, uma vez que o elenco directivo está a organizar todo o seu trabalho administrativo para resolver o problema.

Têm recebido apoio de outros clubes ou pessoas?
De outros clubes, nada recebemos. Temos apenas a atenção e carinho da nossa direcção, o que me deixa bastante moralizado para fazer um trabalho condigno. Por isso, até agora fazemos a nossa parte. Nesta senda, gostaria de alertar o público em geral, com particular realce para os adeptos do Sagrada Esperança, que temos sido apoiados com refeições e transporte. Não temos passado sede nem fome, como muitos comentam, um comportamento que não concorre para o bem do desporto nacional.

Como estão em termos de campos para treinos?
Estamos a trabalhar em Luanda e devemos conformar-nos com os recintos disponíveis. Temos excelentes condições no Dundo, mas, enquanto estivermos aqui, vamos continuar a trabalhar no Campo de São Paulo e na Floresta da Ilha de Luanda. Não temos outra hipótese.

Em busca de entrosamento

O trabalho que fazem garante ao grupo a rodagem competitiva necessária para ter um bom início do Girabola?
Não é possível termos a rodagem que necessitamos nesta fase, pois fomos a última equipa do Girabola a iniciar o trabalho, e logo numa fase em que a maior parte das equipas se encontram a estagiar no exterior do país. Assim, fica um pouco difícil atingir os níveis
que necessitamos para o início de temporada. Apesar de tudo isso, vamos continuar a procurar equipas para treinar connosco.

Já encetaram contactos?
Sim. O Petro foi acessível, mas não foi possível treinarmos devido ao jogo da Super-taça. Acredito que, nos próximos dias, eles estarão em condições de treinar connosco. Caso contrário, vamos procurar fazer jogos com um misto do Dundo, uma vez que lá também não há equipas suficientes para trabalhar connosco.

Primeiro objectivo
é ficar na 1ª Divisão

Como encara a saída de Stopira e de Sotto Maior, dois atletas de referência nos últimos anos?
Novos atletas podem tapar a lacuna deixada pelos que saem. Sem medo de errar, acredito que este ano estamos melhor servidos do que no ano passado. Gostaria de apelar aos adeptos da equipa a ficarem descansados.

Quais são os sectores que mais o preocupam?
É sobretudo no ataque. Ainda assim, estou mais descansado por terem ingressado no grupo, jovens que podem dar outra dinâmica àquele sector. Acredito que eles nos serão úteis para o campeonato que se avizinha.

Pode adiantar algum nome?
O Romeu (ex-Interclube), Edgar e Buba (médio ofensivo e libero, respectivamente), o Longuinha e Lili (provenientes do 1º de Maio de Benguela) e o Vado, cedido pelo Petro do Huambo. Estamos confiantes na obtenção de bons resultados no campeonato.

Que objectivos persegue o Sagrada Esperança no Girabola-2010?
O Sagrada Esperança não ambiciona chegar ao título. Vamos, sim, fazer tudo para ficarmos entre as grandes equipas, pois o mais importante é permanecermos na Primeira Divisão.

Como perspectiva o Girabola-2010?
Um bom campeonato, tendo em conta os reforços de que muitas equipas beneficiaram. Aliás, a dada novo ano, a competição tende a ser mais competitiva. Este ano, a prova tem mais duas equipas, números que deixam antever um bom campeonato. Por isso, apesar de virmos da Segunda Divisão, queremos juntar-nos a esta grande festa da bola com muito sucesso.

Há disciplina no seio do grupo?
Graças a Deus, tudo tem corrido bem, do balneário ao relvado. Aliás, não pactuo com a indisciplina. Tudo faço no sentido de banir esse mal que só estraga o trabalho. Alerto que todos os atletas têm a mesma consideração, desde que apresentem trabalho.

O seu contrato termina em Dezembro próximo. Vai renová-lo?
Fiz um contrato de dois anos. É claro que está prestes a terminar, mas penso que ainda é prematuro falar sobre renovação. Vamos esperar que o contrato termine, e, posteriormente, analisaremos, com calma. Em suma, só o futuro dirá.

"Temos boa matéria humana no país"

Que a avaliação faz do CAN´2010?
Foi um campeonato muito competitivo, no qual pontificaram as melhores selecções de África. Penso que ganhou o Egipto porque foi a selecção melhor selecção da prova.

Concorda com a opinião segundo a qual a Selecção de Angola não foi mais longe na prova por não ter bons jogadores?
Não. Temos bons jogadores, mas que já estão com a idade avançada. Por isso mesmo, acho que é o momento das pessoas de direito começarem a rejuvenescer o conjunto, nos mais variados sectores para aparecermos melhor nos próximos compromissos. Temos boa matéria humana no país para preencher as lacunas que possam surgir com a renovação do grupo. A par disso, é necessário termos bons "olheiros" a trabalhar nas equipas da primeira e segunda divisões, para delas tirarem os talentos. 
 
Já agora, fale dos escalões de formação no país.
É bastante complicado falar das classes de base, devido às péssimas condições existentes nos clubes. Mesmo cá, em Lunada, os jogos deste escalão são feitos em campos pelados, algo que nos dias de hoje, está ultrapassado.

O que se deve fazer para ultrapassar esse problema?
Entre outras questões, é necessário darmos liberdade e condições aos que trabalham nas camadas jovens, construir mais campos relvados, quer nos clubes quer nos bairros. A única equipa que tem condições para as camadas de formação é o Petro de Luanda. O 1º de Agosto, apesar de ter um campo relvado, nem os juniores trabalham nele.