Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Nunca desistam dos vossos sonhos

04 de Maio, 2010

Joaquim Narciso

Fotografia: jornal dos desportos

Tinha ele 12 anos, quando começou a jogar basquetebol, no bairro em companhia de familiares e amigos da sua infância. Quando ele entrou para o basquetebol não foi pela modalidade em si, foi pela necessidade de começar a praticar algum desporto, então como já era alto comparado com os miúdos da sua idade os seus pais deram-lhe a opção de ir para o basquetebol.

Na época em que jogava na rua, Abrantes, treinava uma hora e meia por dia, num ginásio de um centro de estabelecimento de ensino, situado no bairro. Na altura, ele lia artigos ou notícias que lhe podiam ajudar a evoluir como jogador.

Contudo, Abrantes sentia uma sensação boa como é óbvio, quando marcasse um cesto, o que deixava a vontade de querer marcar mais a seguir. Entre marcar um triplo ou fazer uma assistência, Abrantes, afirma que, "ambas têm valor pois um triplo além de valer mais pontos é um lançamento difícil pois é realizado de uma maior distância mas não há nada como fazer uma boa assistência e assim fazer também um colega de equipa feliz."

Consta na carreira do jogador, passagens pelos clubes do Petro de Luanda; Sporting de Luanda e por fim o Inbomdeiro de Viana. Hoje, o extremo base do clube vianense, defende que,"o que me faz mais feliz dentro do campo é o facto da minha equipa estar a ganhar estando todos unidos com uma boa atitude e concentração. É a minha família dentro de campo, os meus companheiros de "guerra", é poder contar sempre com eles".

 Interrogado sobre o que é que sente quando o seu treinador lhe substitui. O atleta disse: "depende muito do momento. Há alturas que ele me tira e eu sei que posso continuar em campo e dar mais pela equipa mas também há outros momentos em que sei que não estou a render o que ele quer".

O basquetebolista do Inbomdeiro de Viana, acrescentou que, "a minha posição preferida é essa a de extremo base, onde me sinto bem ou jogo melhor. Já tenho experiência de jogar nessa posição e também rendia bastante. Acho também que o meu futuro passa por essa posição".

O jogador sente que o tempo que dedica ao basquetebol é recompensado, pois aprenda imensas coisas que vão para além do basquetebol, e faz muitas amizades que ficam para a vida.Joaquim Narciso Abrantes deixa para os atletas mais jovens, uma mensagem: Nunca desistam dos vossos sonhos, corram sempre atrás daquilo que ambicionam e não desistam por aparecer obstáculos pois isso faz parte da carreira dos melhores".

Altos & Baixos

"Eu amo o basquetebol"

"Sempre é possível conciliar as coisas quando se faz aquilo que se gosta. Eu amo o basquetebol e amo meu trabalho. Tenho um tempo ainda para bater uma bola com os amigos no bairro aos domingos. Levo sempre adolescentes para os pavilhões para assistirem partidas de basquetebol. É uma coisa que eu adoro fazer".

O basquetebol é maravilhoso

 " O basquetebol é um desporto maravilhoso que premia os mais esforçados. Não basta a pessoa ter apenas talento. Treine bastante, seja perseverante. Seja persistente para melhorar suas deficiências. Seja humilde e peça ajuda para continuar progredindo. Procure entender todos os aspectos do jogo. Mergulhe no basquetebol até seu último fio de cabelo. Você vai, com certeza, se apaixonar".

>> Quem é quem …

Nome: Joaquim
Narciso Abrantes
Data de Nascimento: 31/5/89
Natural: Luanda
Nacionalidade: Angolana
Peso: 72kg
Altura: 1,94
Modalidade: Basquetebol
Clube: Inbomdeiro de Viana
Posição: Extremo base
Categoria: Sénior
Prato preferido: Feijoada
Tabaco: Não
Bebida: Sumos
Número de calçado: 47
Filmes: Acção
Religião: Maná
Cor: Branca
Poligamia: Respeito
Perfume: Givence
Música: Raph
Esplanada ou discoteca:
Esplanada
Droga: Contra
Conduz: Não
Uma cidade: Orlando, Flórida
Um país: Estados Unidos
Campo ou praia: Praia
Um sonho a realizar: Jogar na Selecção Nacional
Um ídolo no basquetebol: Magic Johnson
Uma mulher bonita: Minha esposa.
Imprensa: Imprescindível.
Um livro: Código Da Vinci
Amizade: É aquela coisa quando alguém fica um tempo sem ver a pessoa, e na primeira conversa, parece que estiveram juntos a vida toda. Tenho uma lista de pessoas assim.
Deus: Meu companheiro de quarto nos últimos anos
O que você mais gosta: Conviver com a minha família
O que mais detesta: Telefone ocupado