Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

O defesa polivalente do Sporting de Benguela

23 de Outubro, 2009

Zagalo do Sporting de Benguela

Fotografia: Jornal dos Desportos

Como todos os jogadores do seu tempo, Zagalo começou a jogar futebol aos 11 anos de idade no Botafogo da Kaponte Grande, em companhia de Roldão ( já falecido ), Luís Filipe, Pirão Grande, entre outros. Posteriormente, jogou pelo Victória do Cotel, onde jogou com Agostinho Mendes, Caprego, Cabo e outros.
Em 1963, tornou-se federado pelo Benfica de Benguela, onde jogou por quatro épocas como júnior, em companhia de Matos Júnior, Regadinha e Prata. Em 1967, o Benfica de Benguela deixou de existir por dificuldades financeiras e, no ano seguinte, Zagalo transferiu-se para o Sporting de Benguela, onde começou a jogar como sénior no campeonato distrital.
Naquele tempo, o “Portugal de Benguela era a equipa mais forte e rica do distrito, se não mesmo a mais forte do país. Era composto, maioritariamente, por indivíduos de raça branca bastante habilidosos e não era fácil um negro jogar no clube, a menos que fosse muito craque, como se deu com Candengandenga, Valongo, Neto e outros”.
Devido ao seu potencial, quer em termos financeiros quer humanos, o Portugal de Benguela (hoje Nacional de Benguela) era simplesmente o papão. Além do Portugal, havia também o Sport Club do Lobito, Sporting do Lobito, o União Sport Clube da Catumbela, todos com grandes jogadores, como Zé da Barca, James Jordão, Frugier e outros. Portanto, “os campeonatos distritais em Benguela eram muito fortes”, disse Zagalo.
O seu ponto forte era empurrar a equipa para o ataque pelas alas e cruzar para a área. Era daqueles defesas que, se a bola passasse, ficava o homem e vice-versa. Os adversários “ficavam colados ao meu peito como se tivesse íman. Alguns avançados entregavam a bola de primeira, assim que me aproximasse deles, porque tinham medo de me enfrentar, pois sabiam que eu era duro e não facilitava” gaba-se o kota.
Indagado sobre como ganhou a alcunha de Zagalo, respondeu: “havia, no nosso bairro, na Caponte Grande, um kota chamado Alfredo Afonso, que na época já sabia muito do futebol mundial, especialmente sobre o brasileiro, e que, ao ver-me jogar, apelidou-me de Zagalo, por tudo o que lia e ouvia do antigo craque brasileiro. Nessa altura, eu jogava no Botafogo da Caponte e nunca tinha ouvido falar do tal Zagalo”.
Havia um momento muito especial para Zagalo. “Era quando jogava contra o Portugal de Benguela, na época em que o meu irmão mais novo, o Lourenço, que jogou no 1ºde Agosto, jogava pelo Portugal. Pelo Sporting, estava eu e o Nando Sardinha, irmão mais velho do Chio Sardinha, que jogava pelo Portugal e, naturalmente, colega do meu irmão. Era um momento muito estressante porque, normalmente, o Portugal levava de vencida e o meu orgulho, como irmão mais velho, fica ferido. Lembro-me de ter ganho ao Portugal de Benguela em apenas três ocasiões em toda a minha carreira como futebolista”, lembra-se Zagalo.
Com relação ao estádio do Arregaça, onde o Sporting de Benguela realizava os seus jogos em “casa”, Zagalo diz que o campo pertencia aos estudantes da missão da Nossa Senhora da Nazaré e foi construído por iniciativa do Padre Horácio, que posteriormente o cedeu ao Sporting.
Em 1975, em pleno estádio do Recreativo da Caála, num choque com Ferro, avançado do Caála, fracturou o joelho direito. “O homem pôs fim à minha carreira como futebolista quando tinha apenas 29 anos de idade, mas não tenho nenhum sentimento negativo contra ele, se é que ainda está vivo. O futebol tem dessas coisas”.
Zagalo considera as três vezes que ganhou ao Portugal de Benguela como os momentos mais altos da sua vida como futebolista e o mais triste, quando fracturou o joelho direito.
Além de jogador, Zagalo, também foi presidente do Benfica da Camunda, quando participou no torneio Cuca, em 1971/72, e foi secretário-geral do Inter de Benguela, nos anos 1980. Actualmente, Zagalo vive no bairro do Quioxi, em Benguela, é funcionário da Viação e Trânsito e tem 63 anos de idade.

Por dentro

Nome completo:
Fernando Lourenço
Filiação: Francisco Lourenço e de Maria Rosa
Data de nascimento:
05 de 0utubro de 1946
Estado civil: Casado com
Juliana Josefa Lourenço
Filhos: 05
Altura: 1,75m
Posição em que jogou: Defesa polivalente
Calçado: 42
Televisão: Gosto de ver novelas e desporto
Bebida: Vinho
Prato preferido: Um bom calulú com feijão de óleo de palma
Religião: Católica
Carro Próprio: Não tem
É ciumento: Sim
Cor preferida: Azul-escuro
Cidade Angolana: Benguela
Pais: Portugal