Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

"O meu sonho é conseguir ser titular na equipa de seniores"

Augusto Fernandes - 23 de Agosto, 2013

Mais conhecido por “Papi” entre os companheiros e familiares, Artineto Kimbala é o segundo guarda-redes dos juniores do 1.º de Agosto.

Fotografia: Augusto Fernandes

Faz-nos lembrar guarda-redes como Napoleão e Ângelo, por isso oferece muita confiança ao sector defensivo da sua equipa. Foi campeão provincial de Luanda e nacional de juvenis em 2011.

A vida futebolística do jovem guarda-redes Papi começou em 2005, no bairro do Golf 1 na zona da Catorze na companhia de Ari, Bukinha, Edson, Quito e Kota. Inicialmente jogava a defesa central. Em certa ocasião, já no Golf 2, no campo da zona verde, onde jogava futebol de salão, o guarda-redes principal da equipa faltou. “Por isso, como também sabia jogar a guarda-redes, predispus-me a alinhar na baliza e ganhamos por duas bolas a zero. O treinador gostou da minha actuação e daí passei a jogar sempre naquela posição.”

Mais tarde, um amante do desporto no bairro, de nome Gugas, criou uma equipa de futebol de onze e insistiu para que Papi continuasse a jogar como guarda-redes pois, segundo ele, o jovem tinha muito futuro naquela posição.

“O kota foi prestando muita atenção à minha pessoa e quase sempre eu era o primeiro a entrar e o último a sair dos treinos porque recebia cargas muito pesadas para estar cada vez mais em forma. O tempo foi passando e as pessoas começaram a elogiar-me e achavam que devia procurar um clube federado para não me perder no futebol de bairro”, comentou o jovem guarda-redes.

Papi foi tentar a sorte no Rodoviário, na altura treinado por “mister” Vado e encontrou o Maquina, Josimar, Abidul, Mwaca, Admiro, José, Vita, Tchiwe e outros, tendo ficado por lá por pouco tempo devido à distância, continuando a jogar no bairro

Do futebol de
bairro ao 1.º de Agosto

Por volta de 2009-2010, Papi foi convidado a jogar na equipa da Polícia no Kapolo. Aí conheceu um jovem chamado Marílio que jogava nos juvenis do 1.º de Agosto e que o convidou a jogar nos juvenis dos “militares”. Marílio estava convicto de que Papi não tinha problemas para conseguir a titularidade. “Como eu não tinha bilhete de identidade o Marílio fez todas as tentativas para conseguir o documento e depois de dois meses consegui o BI e pude ser inscrito e apurado depois dos testes.”
 
Pouco tempo depois foi para os juvenis. Aí chegado, recordando que o treinador era o Filipe Nzanza coadjuvado por Neto, Papi encontrou o Bráulio, Paizinho, Manucho, Josimar, Gerson, Claúdio e o Lambito, tendo sido bem recebido por todos, especialmente pelos dois treinadores. O seu primeiro jogo foi contra o Brilhantes, tendo Papi começado o jogo no banco. Neste dia o presidente do clube, Carlos Hendrick, foi assistir ao jogo, pois ouvia dizer frequentemente que os juvenis jogavam muito e queria vê-los de perto.

“Começámos a perder por uma bola a zero”, recorda Papi, “e a dada altura, ainda na primeira parte, o nosso guarda-redes principal lesionou-se e fui chamado para o substituir. “Mister” Baia, o treinador dos guarda-redes, por quem tenho muita estima, fortificou-me dizendo para ter calma, que eu podia sair-me bem. Minutos depois de entrar houve um livre perigoso conta nós na zona da meia-lua.

O jogador adversário mandou a bola ao poste e isto deixou-me muito preocupado, pois era o meu primeiro jogo e não queria sofrer nenhum golo, para manter a titularidade”, enfatizou Papi.

Bons e maus
momentos

Continuando a recordar esse jogo de estreia, que acabou com um empate a três golos e que deu direito aos jovens “militares” a disputarem o campeonato nacional em 2011, Papi destaca: “Naquele jogo tive uma das melhores exibições de sempre pois fiz muitas defesas que podiam ter resultado em golos do adversário.”

“Fiquei muito feliz por ter contribuído para a nossa equipa não perder o jogo naquele dia e por ter sido o melhor jogador em campo”, referiu.

Contra o Vianense, ao contrário, Papi diz ter feito o seu pior jogo até ao presente. “Sofri dois golos de forma infantil porque entrei a ignorar o adversário e a partir do momento em que sofri o primeiro golo fiquei nervoso e foi muito difícil concentrar-me. Fui cometendo erros atrás de erros. Mas quando vi o treinador mandar aquecer o guarda-redes suplente constatei que tinha o lugar em risco nas próximas convocatórias. Concentrei-me e voltei a dar segurança à equipa. Graças ao meu companheiro Gerson, vencemos o jogo por 3-2 e não fui substituído”, reconheceu.

Papi diz ter aprendido muito no jogo contra o Vianense. “Não há vitórias antecipadas no futebol e muito menos devemos menosprezar o adversário por mais fácil que aparente ser”, alertou.

Na opinião do jovem guarda-redes, o Brilhantes, o ASA, o Petro de Luanda e o seu 1.º de Agosto eram as melhores equipas do provincial em juvenis. “Quando joguei nos juvenis, havia muitos jogadores talentosos como o Dagija, do Brilhantes, e o Gerson, do 1.º de Agosto, que maravilhavam o público com a sua técnica.”

Este ano passou para os juniores, onde é treinado pelos professores Nelly e Stopirra. Neste escalão encontrou o Adão, Bilé, Raul, Matchiby, Felix, Gugorá e outros. “Não estamos preocupados com o nosso actual quarto lugar com 14 pontos, pois ainda é cedo para se decidir o campeonato. Queremos ganhar o provincial e o nacional deste ano”, disse Papi.

O Girabola deste ano também merece a reflexão a Papi. “Em cada ano que passa o Girabola vai subindo de nível e dentro de pouco tempo teremos um dos melhores campeonatos de África. Apesar de o Kabuscorp estar a liderar, eu acredito que a nossa equipa vai lutar até ao fim porque ainda existem muitos pontos para se discutirem e tudo pode acontecer”.
O jovem guarda-redes inspira-se em Tony, mas também gosta de ver jogar Lamá.


PERGUNTAS E RERSPOSTAS


Jornal dos Desportos - Além de jogador o que gostava de ser no futuro?

Papi - Visto que o nosso país é um dos mais minados do Mundo, gostava de ser técnico de desminagem.

E como jogador?

Primeiro gostava de ser titular nos seniores, na Selecção Nacional e depois jogar em Espanha.

O que espera do “cinco” nacional de hóquei no Mundial que Angola organiza em Setembro?
Apesar de reconhecer que papões como Portugal e Espanha têm tudo para vencer a prova, espero que Angola esteja no pódio.


POR DENTRO

Nome completo? Artineto Joca Kambaia
Filiação? Robin Kambaia Manuel e Maria Domingos Jorge
Data de nascimento? 20 de Outubro de 1996
Quantos irmãos tem? Sete
Estado civil? Solteiro
Altura? 1,80 m
Peso? 70 quilos
Calçado? 44
Com que camisola joga? 22
Tempos livres? Ver vídeos de treino de guarda-redes
Música? Kuduro
Filmes? Acção
Prato preferido? Feijoada
Bebida? Sumo de limão
Pessoa de que mais gosta? Gosto de toda a minha família
Acredita em Deus? Sim
Porquê? Ele é o criador de tudo que existe na natureza
Religião? Metodista
Clube do coração? O coração fica onde está o seu futuro
Cor preferida? Azul
Cidade de Angola? Malange
Do que tem mais medo? De acidentes
Sonho? Ser um empresário bem sucedido