Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

O tenista número um do ranking

05 de Setembro, 2011

O sérvio também foi campeão dos Masters 1000 de Indian Wells e Miami

Fotografia: AFP

Novak Djokovic é um tenista profissional sérvio, que começou a jogar aos quatro anos de idade, e fez a sua estreia oficial aos 16. A paixão da família pelo desporto sempre lhe deu muito apoio e ânimo na hora de escolher a carreira desportiva. O seu ídolo sempre foi Pete Sampras. Com 12 anos, treinou na escola de Niki Pilic em Munique, na qual permaneceu até aos 14. Fala sérvio, alemão, inglês e italiano. Djokovic também é conhecido no circuito pelas suas inúmeras imitações de tenistas famosos, como Maria Sharapova, Roger Federer e Rafael Nadal.

CARREIRA
Em 2003, Djokoviæ ganhou o primeiro título como promessa do ténis na Sérvia e Montenegro ao derrotar Ferrer-Victoria. Também chegou a duas semifinais nesses torneios e obteve um registo de dez vitórias e cinco derrotas. No ano seguinte, disputou dois torneios de promessas em Fevereiro, chegando às semifinais em um deles. Estreou-se na Taça Davis contra a Letónia e derrotou Skroderis.

Ganhou o torneio de promessas de Szolnol na Hungria, após vencer Tkalec. O primeiro título de Challenger foi conquistado em Budapeste, ao vencer Bracciali. Perdeu na primeira etapa no torneio da ATP de Umag, enfrentando Volandri. Ganhou outro torneio de promessas em Belgrado, após vencer Cipolla. A primeira vitória numa partida da ATP foi em Bucareste, contra Clement.

Também ganhou o Challenger de Aachen contra Burgsmüller. Em duplas, ganhou um título de jovens promessas e chegou às semifinais em um Challenger.Terminou a temporada de 2005 entre os cem primeiros. Estreou-se no Open da Austrália com derrota frente a Marat Safim. Em Março desse ano, ganhou algumas partidas na Copa Davis contra o Zimbabwe, enfrentando Chidzikwe e Mahefu. Um mês depois, perdeu outras duas partidas da Taça Davis para a Bélgica, enfrentando C. Rochus e Vliegen.

Ganhou a primeira partida de um Grand Slam em Roland-Garros contra Robby Ginepri, mas abandonou na segunda etapa quando jogava contra Guilhermo Coria, por problemas respiratórios. Em Wimbledon, chegou à terceira etapa, após derrotar Juan Mónaco e García-López, e perdeu para Sébastien Grosjean. Estreou-se no Masters Séries de Cincinnati, perdendo para Fernando González. No Open dos Estados Unidos, derrotou Gael Monfils e Mário Ancic, mas perdeu na terceira etapa para Fernando Verdasco em cinco sets.

No Masters de Paris, também chegou à terceira etapa, com vitória sobre Victor Hanescu e Mariano Puerta e perdendo para o espanhol Tommy Robredo. No US Open 2007, chegou às finais, perdendo por 3 sets a 0, com parciais de 7-6 (7-4), 7-6 (7-2) e 6-4 para o suíço Roger Federer. Em 2007 conquistou os seguintes títulos: Master Séries de Montreal, ATP Estoril e Viena, Master Séries de Miami e ATP Viena, este também é o seu ano de estreia na Tennis Masters Cup (torneio que reúne os oito melhores da temporada).

Dokoviæ venceu o primeiro torneio do Grand Slam no Open da Austrália de 2008, vencendo o francês Jo-Wilfried Tsonga na final por 4-6, 6-4, 6-3, 7-6. No primeiro semestre de 2008, também ganhou o Masters Séries de Indian Wells, derrotando Rafael Nadal na semifinal, e o Masters Séries de Roma, além de ter sido semifinalista nos Masters de Monte Carlo e Hamburgo e em Roland Garros. Já no segundo semestre, foi vice-campeão do Masters de Cincinnati, ganhou o bronze olímpico em Pequim, chegou à semifinal do US Open e obteve o título da Masters Cup.

Em 2009, foi às quartas-de-final do Aberto da Austrália, ganhou o ATP 500 de Dubai, foi finalista do Masters de Miami, Monte Carlo e Roma em sequência, campeão do ATP de Belgrado, quadrifinalista de Wimbledon, finalista do Masters de Cincinnati, semifinalista do US Open, campeão do ATP de Pequim, chegou à semifinal do Masters de Shanghai, ganhou o ATP de Basel e o Masters de Paris.

Em 2010, Dokoviæ foi aos quartos-de-final do Aberto da Austrália e de Roland Garros; foi à semifinal de Wimbledon, do Masters 1000 do Canadá, de Monte Carlo e de Shanghai, e do ATP 500 de Rotterdam; foi à final do Open dos Estados Unidos e do ATP 500 de Basel; além de ganhar o ATP 500 de Dubai e o ATP 500 de Pequim. No final do ano, levou o seu país, a Sérvia ao título da Copa Davis junto com Viktor Troicki, Janko Tipsarevic e Nenad Zimonjic ao derrotar a França por 3 a 2.

Em 2011, Djokovic mostrou grande evolução e crescimento. Em Janeiro de 2011, venceu o Open Austrália de forma contundente, ao perder apenas um set em sete jogos, eliminando Roger Federer na semifinal e Andy Murray na final. O sérvio também foi campeão dos Masters 1000 de Indian Wells e Miami a seguir: no primeiro, derrotando Roger Federer e Rafael Nadal no segundo, voltando a derrotar o nº um do mundo, Nadal, na final.

Ganhou o ATP 250 de Belgrado, sua terra natal, e depois venceu em seguida os Masters 1000 de Madrid e Roma, ambos disputados em saibro, derrotando Rafael Nadal nas duas finais. Perdeu a primeira partida do ano somente em Roland Garros, na semifinal contra Roger Federer, acabando assim sua invencibilidade de 41 vitórias seguidas no ano (e 43 no total, considerando as duas últimas de 2010).

Em 1 de Julho de 2011, Novak Djokovic assegurou os pontos necessários para tornar-se o número 1 do mundo no ranking divulgado em 4 de Julho de 2011, ao vencer Jowilfried Tsonga na semifinal de Wimblendon. Derrotando Rafael Nadal na final, tornou-se o primeiro sérvio a vencer o torneio e liderar o ranking. É o 25º tenista a tornar-se número 1 na Era Profissional. Após Wimbledon 2011, venceu também o Masters 100 do Canadá, e em Agosto chegou à final do Masters 1000 do Cincinnati, abandonando o jogo devido ao cansaço físico acumulado na temporada. Foi apenas a segunda derrota de Djokovic no ano, tendo obtido nove títulos.