Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Real Tala anima Cazenga

Manuel Neto - 12 de Março, 2010

Arlindo Pedro, presidente de direco do clube

Fotografia: Jornal dos Desportos

A falta de boa saúde financeira dificulta a execução dos projectos da equipa do Real Tala Futebol Clube. Nos dias que correm, o grupo luta arduamente pela angariação de patrocínio e na aquisição de um espaço para a construção de uma sede. A falta de instalações para o exercício de actividades administrativas constitui num dos principais obstáculos para o crescimento do clube. Para satisfazer as questões administrativas, a residência do presidente de direcção, Arlindo Pedro, transformou-se em escritórios.

Não obstante as dificuldades acima enumeradas, a direcção esmera-se em proporcionar aos amantes do desporto no município bons momentos de lazer. Entre os projectos que o grupo tem em carteira consta a celebração de um contrato de patrocínio com a equipa do Real Madrid de Espanha, no qual ressalta a construção de uma escola de formação desportiva que sirva para fornecer jogadores para distintas equipas nacionais e estrangeiras, contribuindo para o desenvolvimento do desporto nacional.

Adeptos estão satisfeitos

O poder de organização aliado à qualidade futebolística patenteada pela equipa do Real Tala torna-a numa das equipas com elevado número de adeptos no município. Tanto é que arrasta multidão para os recintos de jogos quer dentro como fora do município.
Durante o jogo, cada um dos adeptos vibra com a equipa à sua maneira do primeiro ao último minuto, empurrando-a para boas exibições e o alcance de resultados positivos. Francisco António “Tio Chico” é um adepto ferrenho da equipa do Real Tala. "É um dos clubes que mais nos alegra.

Antigamente, ficávamos isolados e sem divertimento aos fins-de-semana. Desde que o grupo do Armindo surgiu, tudo mudou e hoje não falto a um jogo da equipa. Os munícipes sentem-se satisfeitos sempre que vejam a jogar o Real Tala", disse. O objecto social do Real Tala transcende a competência desportiva. É uma associação que assume responsabilidade junto da população do município do Cazenga.

Recintos para treinos
preocupam o Grupo

Campo para jogos e treinos do Real Tala é outro elemento que tira sono a Arlindo Pedro. O conjunto treina no Campo do Areia em meio de dificuldades. É o único recinto que acolhe a maior parte de jogos no município de Cazenga. “A maior parte dos campos foi destruído por pessoas egoístas e inimigas do desporto”, diz o presidente do clube. "O campo de jogo é uma componente imprescindível para o projecto que nos propusemos seguir, mas infelizmente continuamos a debater-nos com dificuldades, porque o Areia é o único que nos serve", disse.

Um dos municípios mais populoso de Luanda, Cazenga foi uma zona fértil em campos de jogo com destaque para os do então Bairros Unidos, Independente do Rangel, 4 de Fevereiro, Refrinor, Kuanzas, Sociborda, Fama e Sucata. Todos foram destruídos e substituídos para práticas que nada abonam para o desenvolvimento do desporto nacional.

Uma história de sucesso

O Real Tala surgiu em 2001 por iniciativa de Arlindo Manuel Pedro, cujo objectivo primordial era de proporcionar bons momentos de lazer, nos tempos livres, aos velhos, jovens e crianças do município, participando nos torneios de fim-de-ano e das Velhas Guardas.
A formação desse grupo não foi fácil, porquanto faltava quase tudo, Segundo Arlindo Pedro. Os recursos financeiros e humanos sempre constituíram em dor de cabeça. Os primeiros apoios morais e financeiros foram proporcionados por Domingos António, proprietário da empresa Domant, e Armindo, antigo vogal de direcção do 1º de Agosto e ex-proprietário da empresa Auto-Disel.

O Real Tala cresceu rapidamente e fez vibrar multidões no bairro. Acolheu e delapidou alguns talentos que fizeram e continuam a fazer história no futebol angolano, como Sotto Maior, Délcio Vicente, Madack, Paz, Bocandé, Mabiná, Roger, Chára, Avex, Kumaka, entre outros. Passados oito anos desde a constituição, Arlindo Pedro está convicto que é tempo de proporcionar melhor alegria aos adeptos e aos munícipes que se revejam no colectivo.

A curto prazo, Arlindo Pedro pretende levar a equipa à disputa do campeonato provincial de futebol de Luanda bem como a extensão do leque das modalidades desportivas no clube, com o fito de tirar do caminho da delinquência a maior parte da juventude e dar um contributo mais activo ao desporto nacional. "Surgimos com fins recreativo, ocupando o tempo livre dos munícipes", justifica Arlindo Pedro. O crescimento foi uma questão de tempo e hoje abrem novas perspectivas.

"Por termos ganho muita adesão da população, queremos proporcionar melhores serviços aos nossos adeptos, perspectivando a participação da equipa nos próximos campeonatos provinciais, bem como alargar o leque de modalidades desportivas, com destaque para o atletismo" disse. Quanto ao material desportivo, a equipa está bem servida; actualmente, possui quatro pares de equipamentos e vinte pares de botas que são suficientes para suprir as necessidades do grupo. O seu equipamento habitual é de cor azul-escuro e alterna com o de cor branco.

É preciso apoio

Com a desistência da patrocinadora oficial, a Auto-Disel, por morte do seu proprietário, o Real Tala sobrevive do bolso do presidente e da empresa Domant, a nova patrocinadora. Face às despesas com almentação, transportação, prémios, entre outras, Arlindo Pedro enceta contactos com algumas empresas nacionais com o objectivo de obter o maior número de patrocinadores. O presidente do Real Tala pretende criar todas as condições antes que se "aventure" num campeonato provincial. Para o efeito, todas as empresas do município são chamados para o bem da comunidade desportiva.