Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Sebastio Guimares No futebol s conquistei amizades

26 de Novembro, 2010

Estdio do Morumbi poderia receber a abertura do Mundial do Brasil na opinio de Lula.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O ex-atleta jogou futebol com bolas de trapo, como a maioria das crianças da sua época, no bairro Paraná, Rangel. Na altura, alinhou com Albano, Jairzinho, Cavungi, Juvenal, Marcelo (falecido), Antoninho Coelho, Silveira “Ngongo” e outros. “Realizávamos jogos inter-bairros. Curiosamente, as partidas eram assistidas por muita gente e, devido à minha habilidade, transferi-me da escola de Fernando Peyroteo para o Sporting da Maianga, nos finais da década de 60”, disse.

Foi no Sporting da Maianga onde começou a sua verdadeira história como futebolista, jogando como juvenil, na posição de médio-ala. Nessa colectividade, jogou ao lado de Perincho, Feliciano, Bebi Moreira, Félix, Arlindo, Kadimba e Chito, antigas glórias do nosso futebol.
Anos depois, Sebastião Guimarães, ou simplesmente, Guimarães, ascendeu à categoria de júnior. No seu jogo estreia, contra o Atlético de Luanda, no campo de São Paulo, ele fez uma excelente partida, mas a sua equipa acabou por perder por três bolas a uma.

Naquela época, o Atlético de Luanda tinha uma equipa recheada de grandes valores, onde despontavam jogadores como David Pálido, Rufino, Nelito e André Costa. Guimarães, a despontar no seu clube da Mainga, foi convidado para jogar no Sporting de Braga de Portugal, convite negado por seus pais, por se tratar do filho mais velho da família. Inconformado com a situação, deixou o clube da Maianga e ingressou no Recreativo do Bembe, clube com sede no bairro Rangel, propriedade de Vicente Barbeiro, morador da comissão do Rangel.

No Recreativo do Bembe, já perfilavam jogadores de referência, como Juku (guarda-redes), Garrincha, Moisés, Lua e Virgílio. Com esta equipa, participou no Torneio Popular Cuca, em 1971, mas sem êxitos. Casado com o futebol, Sebastião Guimarães não cruzou os braços. Em 1973, em companhia de Garrincha, parte para o Kwanza-Sul e assina um contrato com o Recreativo do Libolo, por alguns anos. Como ao Recreativo do Libolo faltava um ponta-de-lança, Guimarães deslocou-se a Luanda para recrutar António Gonçalves

“Matreira”. Durante a sua permanência no clube, o jogador foi vicecampeão distrital no primeiro ano, e, no segundo, campeão distrital invicto. Sebastião Guimarães contou que teve um bom contrato com a equipa do Libolo, pois, o salário que recebia dava para custear as despesas de casa. Depois do 25 de Abril, em Portugal e devido à situação de instabilidade reinante no país, Guimarães regressou a Luanda.

Ainda assim, voltou a jogar em 1977, no Torneio Experimental, pela equipa Ambaka. Chico Ventura, já falecido, convidou-o então a fazer parte da equipa do Desportivo da TAAG. Na TAAG, o jogador teve uma passagem curta. Para fechar a carreira, assinou pelo Grupo Desportivo da Cuca, a convite de Manuel Miguel, o dirigente mais activo da Cuca, onde teve direito a um emprego. Era trabalhador e jogador. Por lá ficou até 1984.

O antigo futebolista afirmou que, no futebol, não ganhou nada, mas conquistou muitas amizades. Neste momento, vive dependente dos seus familiares. “Preciso de um emprego para ajudar a família, devido ao custo de vida que se faz sentir”, frisou. Nos tempos livres, dedica-se à leitura e acompanha o fenómeno desportivo através da televisão pública. Não vai aos campos de futebol ver os jogos, devido ao nível de futebol praticado: “Prefiro ver os jogos pela televisão”, desabafou o antigo jogador.

>> Por dentro

Nome:
Sebastião Gomes Guimarães
Naturalidade: Luanda
Altura: 1,68     
Data de Nascimento: 25 de Maio 1953
Nacionalidade: Angolana
Peso. 65kg
Modalidade. Futebol
Clube: Recreativo do Libolo
Tabaco: Não
Bebida: Sumo e água
Prato preferido: Calulú com feijão de óleo de palma
Número de calçado: 41
Hobby: Leitura
Cor: Azul
Livros: Romances
Música: Semba
Droga: Contra
País: Angola
Cidade: Luanda