Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Stankovic é o melhor futebolista sérvio do ano

João Carmo - 26 de Dezembro, 2010

Stankovic representa o Inter de Milão

Fotografia: AFP

O médio Dejan Stankovic foi eleito, pela segunda vez na sua carreira, o melhor jogador sérvio do ano, fruto das conquistas da Liga dos Campeões, da Série A, da Taça da Itália, da Super Taça e, mais recentemente, do Mundial de Clubes. Stankovic já tinha sido distinguido com o prémio em 2006 e este ano é indicado novamente. A cerimónia de premiação realizar-se-á em Belgrado, na terça-feira. Vencedor do galardão há quatro anos, Stankovic foi distinguido pelo Comité Executivo da Federação Sérvia de Futebol, depois de uma época brilhante em que ajudou o Inter a conquistar cinco títulos.

Capitão da selecção da Sérvia, que marcou presença na fase final do Campeonato do Mundo da África do Sul, Stankovic é o único jogador do país que participou em três fases finais do Campeonato do Mundo, já que representou a Jugoslávia em 1998, em França, e a Sérvia e Montenegro na Alemanha há quatro anos, sendo o segundo jogador sérvio mais internacional de sempre, com 95 jogos, menos sete que Savo Miloševiæ. O médio do Inter irá receber o prémio numa cerimónia a realizar em Belgrado, no próximo dia 28, juntamente com Rajevac, técnico distinguido por levar o Gana aos quartos-de-final do Mundial de 2010, prova na qual foi eliminado pelo Uruguai no desempate por grandes penalidades. O treinador, de 56 anos, actualmente ao comando do Al-Ahli, da Arábia Saudita, já tinha sido eleito técnico africano do ano no início desta semana.

Do Estrela Vermelha
ao Inter de Milão
             

Dejan Stankovic nasceu em Belgrado aos 11 de Setembro de 1978, é um futebolista de nacionalidade sérvia. Há mais de dez anos no futebol italiano, actualmente joga no Inter de Milão. Iniciou a carreira no Estrela Vermelha, da sua cidade natal e a equipa mais vitoriosa da antiga Iugoslávia que, na altura, atravessava má fase. Ainda assim, a suas promissoras actuações levaram-no ao Mundial de 1998 pela Selecção Iugoslava. Depois do Mundial, chegou à Itália para jogar na Lazio. Na temporada seguinte conquistou a Taça de Itália. Depois, um novo título na Taça da Itália, em 2004, disputado pelos arqui-rivais Internazionale e Juventus, optando pela equipa de Milão, na qual logo se firmou na espinha dorsal do elenco.

Após duas temporadas de decepções no campeonato italiano, perdidos justamente para a Juventus, surgiram bons ventos: os “nerazzurri” herdaram um dos títulos do rival, que baixara à Serie B como punição por envolvimento em manipulações de resultados e conquistaram outros quatro em seguida (superando os dezassete títulos do outro rival, o Milan), tornando-se a força dominante do país. Na temporada 2009-10, já veterano, perdeu espaço na equipa, embora tivesse sido bastante utilizado como opção para o segundo tempo. E assim viveu a temporada mais vitoriosa da história da Inter, em que o clube conseguiu um inédito feito para o futebol italiano: na mesma temporada, além do campeonato italiano, vieram também a Taça da Itália e a Liga dos Campeões Europeus, quebrando um jejum de quase meio século sem títulos na mais importante prova de clubes europeus.

Percurso em
selecções diferentes


Com Savo Miloševiæ, Stankovic é um dos dois jogadores que representaram a Iugoslávia (em 1998) e a Sérvia e Montenegro (em 2006). Ainda pela Iugoslávia, ambos jogaram também o Europeu 2000. Actualmente, Stankovic é o capitão da Sérvia e o único futebolista a representar três selecções diferentes em Mundiais (ainda que tal diferença não seja reconhecida oficialmente pela FIFA, que as considera a mesma), uma vez que Miloševiæ fez a sua despedida da selecção no Europeu 2008.