Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Taa Girabairro do Lobito sada centenrio da cidade

Paulo Caculo - 13 de Maio, 2013

Equipa da Caponte conquista ttulo municipal do Girabairro

Fotografia: Jornal dos Desportos

A edição 2013 da fase municipal do Girabairro do Lobito decorreu sob o signo do centenário da cidade lobitanga. A organização local da maior competição futebolística de bairro, encabeçada pelo Movimento Nacional Espontâneo, juntou a prova às comemorações antecipada dos 100 anos da cidade, como forma de homenagear a efeméride, que se assinala em Setembro próximo.

Em face disso, os seis meses de disputa do campeonato têm sido de autêntica festa, com os jogos aos fins-de-semana a marcar de forma significativa os tempos livres da juventude lobitanga, com realce para a falange de adeptos do futebol e do desporto local. Numa breve abordagem feita pelo Jornal dos Desportos à competição de futebol mais mediática do Lobito foi possível constatar o enorme interesse, os níveis de competitividade e confirmar as razões pela qual elegem o Girabairro como o maior “viveiro” de craques do país.

Na prova chegam atletas de várias idades. Uns por gosto, outros pela ambição de um dia ganharem visibilidade no Girabola e muitos ainda movidos pela enorme paixão que é jogar a bola aos fins-de-semana, como é o caso de Daniel Pinto, capitão de equipa do Camutangre FC da Canata, um dos candidatos “naturais” ao título da competição de bairro.

GANHAR EXPERIÊNCIA
Se por um lado o nosso jornal conseguiu provar que o Girabairro do Lobito é dos mais bem disputados e altamente competitivos a nível nacional, sobretudo a julgar pelo número de equipas que arrasta para a prova, 18, por outro, não deixa de ser curioso o facto da competição estar a tomar contornos agradáveis, ao ponto de muitos dos jogadores se considerarem já profissionais, por auferirem salários e prémios de jogo. “Muitos deles não trabalham e esta é uma forma também de os incentivar a continuarem a jogar futebol e participarem na vida social do país. Só desta forma conseguimos mantê-los em competição”, justifica Celsio Vindula, presidente de direcção do FC Compão.

Com a integração no Girabairro lobitanga, muitos jovens acreditam estarem a ganhar uma nova experiência. Destacam, sobretudo, o facto de muitas das 18 equipas presentes na competição ostentarem condições equiparadas àquelas proporcionadas aos jogadores do Girabola, a maior competição de futebol do país. Mas há quem vá mais longe na sua abordagem da prova criada pelo MNE nos bairros e diga que é a solução para muitos jovens que no passado pensaram partir para caminhos da criminalidade.

“Com o Girabairro aqui no Lobito, estamos a afastar muitos jovens da delinquência, das drogas e do consumo excessivo de álcool”, assegura Bento Cangombe, presidente do Flamingos da Caponte. Um dos aspectos que têm contribuído também para tornar a competição lobitanga interessante prende-se com o facto das equipas anfitriãs terem o seu próprio campo, com o privilégio de congregar e agradar no seu habitat os seus apoiantes e, ao mesmo tempo, brindá-los com boas partidas de futebol.

COORDENADOR-ADJUNTO
“O nosso campeonato é o melhor do país”

Marcelino Candumbo, coordenador-adjunto do Girabairro municipal do Lobito, considera-se satisfeito com as metas alcançadas pelo pelouro que representa na missão de tornar disputada e altamente competitiva a maior prova de futebol de bairro do país na cidade lobitanga. O responsável acredita que existem motivos para estar feliz, pois garante não ter dúvidas de que o Girabairro do Lobito é o mais bem disputado a nível nacional.

“Acho que temos o maior Girabairro, com mais de 18 equipas e níveis de competitividade muito forte. Existe uma enorme rivalidade entre as equipas na luta pelo título, no bom sentido, facto que torna a prova muito interessante e mais agradável”, disse o coordenador-adjunto da competição de bairro, que lamenta apenas algumas cenas pouco agradáveis que acontecem no calor da disputa dos jogos.

“A competição está a correr bem, tirando algumas anomalias que têm acontecido durante os jogos, mas que estamos a procurar resolver. Temos lamentado alguns excessos por parte dos adeptos e mesmo dirigentes das equipas, que chegam a invadir o retângulo de jogo, porque protestam contra este ou aquele árbitro. Mas, tirando este aspecto, o campeonato está competitivo e do primeiro até ao quinto lugar todos chegaram a ter hipóteses de ganhar o título”, garante Marcelino Candumbo.

O grande desafio da coordenação do Lobito do Girabairro, segundo ainda o nosso entrevistado, é ter uma equipa do município na fase nacional. Acredita, por isso, que o Flamingos da Caponte, campeão antecipado do Girabairro 2013, tem condições para alcançar o objectivo.

INICIATIVA
Técnico e dirigentes enaltecem a prova


ZAMBIÉ GOMA (treinador do FC Compão) – “Se calhar, a cada ano que passa, os clubes estão a investir mais em termos de material de trabalho e outros, porque o Compão FC depois de dez anos volta a entrar no Girabairro, a princípio para recrear, mas à medida que o tempo foi passando, fomos vendo que estamos em condições de lutar pelo título. Houve esforço e reuniões de emergência para colocar os traços, porque afinal de contas tínhamos condições para lutar para ser campeão. O interessante nesta prova é que quanto mais chegamos à ponta final, mais o campeonato fica competitivo.”

CELSIO VINDULA (presidente do FC Compão) – “Agradecemos o grande trabalho que o Jornal dos Desportos tem feito para dar visibilidade ao Girabairro do Lobito. E gostava de realçar que estamos gratos pela oportunidade e dizer que o nosso clube está muito bem enquadrado na competição e com objectivos totalmente voltados para a recreação da juventude. A máxima do clube são as vitórias, existimos há 18 anos e a nossa intenção é continuar a lutar para colocar a equipa no leque das mais prestigiadas do Girabairro da província. Para uma equipa como a nossa, que há nove anos não participava numa prova do Girabairro, entrar agora e estar a fazer um campeonato como este, é muito positivo.”

TANGO NDUNDUMA (dirigente desportivo) – “Objectivamente, nós viemos com uma força motivadora muito forte. O objectivo do FC Compão não é ganhar campeonato, mas contribuir para a competitividade da prova, onde apenas o Camutangre e o Flamingos tinham destaque. Os nossos objectivos prendem-se mais para a fase provincial e tentarmos lutar para ver se conseguimos alcançar a prova nacional. O grande incentivo é o apoio pessoal. Não temos muita coisa, mas estamos a dar aquilo que podemos. Estamos a trabalhar a nível do bairro, com a população em geral, no sentido de chamar a atenção para o facto da actividade desportiva ser uma coisa séria.”


SATISFAÇÃO
Jogadores falam das suas equipas 


MÁRCIO DUDU (jogador do Recreativo do Liro ) – “Acabámos a primeira volta em décimo, conseguimos recuperar na segunda volta e a direcção traçou o seu objectivo para o provincial. Pensamos que a equipa tem futuro. ”MIGUEL VUNDA (guarda-redes do Flamingos) – “Temos um grande plantel e tudo isso sempre nos deu uma grande confiança para a conquista do título. Apesar de alguns percalços ao longo do campeonato, nunca perdemos a liderança da prova. DANIEL GUIMARÃES (médio do Camutangre) – “O campeonato sempre foi muito competitivo. O grupo está a trabalhar muito bem e penso que não temos tido razões de queixas.”


Equipa da Caponte consegue um feito histórico.
   Flamingos é campeão antecipado

O Clube Flamingos da Caponte é o mais novo campeão da fase municipal do torneio Girabairro do Lobito. A quatro jornadas do final da prova, os flaminguistas festejaram o título, fruto da diferença pontual de 13 pontos sobre o segundo colocado, Camutangre FC. A equipa da Canata confirmou a conquista do troféu municipal da competição de bairro, organizada pela coordenação do Girabairro, após goleada 4-2 sobre o terceiro colocado, 27 de Março, na 29ª jornada do torneio. Antes disso, o conjunto flaminguista já vinha de um ciclo ininterrupto de 28 jogos sem perder, facto que o deixou claramente isolado na tabela de classificação.

Um feito histórico conseguido pela equipa lobitanga, num ano em que quase tudo lhe está a correr de feição. O grande desafio do Flamingos da Caponte, que já venceu por duas vezes a fase nacional do Girabairro, é representar condigamente o município do Lobito no interprovincial de acesso à competição nacional. Apesar de serem já campeões, antecipadamente, os flaminguistas acreditam que podem encerrar o torneio com chave de ouro, alcançando vitórias nestas últimas quatro jornadas. A alimentar o optimismo da equipa de José Bento Cangombe está o facto da equipa gozar de prémios aliciantes, que têm estado a motivar para as excelentes exibições da equipa.

Disputam a edição 2013 do Girabairro do Lobito as equipas do Bravos da Zâmbia, Farense, 27 de Março, Recreativo do Liro, 17 de Setembro, Belenenses, São João, Morro da Rádio, Flamingos da Caponte, FC Compão, Camutangre, África Sport, Recreativo do Kongo, Palanca, Belenenses do Akongo, Desportivo da Zâmbia, Bairro da Pomba e Kilamba FC.

BENTO CANGOMBE
“Lobito é o viveiro do futebol”


Bento Cangombe, presidente do Flamingos da Caponte, valoriza o facto do presente Girabairro do Lobito estar a homenagear os 100 anos da cidade, que se festeja em Setembro próximo. “Estamos na edição do centenário da cidade do Lobito e era o nosso desejo ganhar este provincial. Não ostentamos a hegemonia desta fase da prova, porque pertence ao Camutangre da Canata, que tem mais títulos no Girabairro municipal. Esta foi a única fase em que ganhámos o municipal. Temos hegemonia em ganhar os provinciais.

Acho que desde 2007, apenas perdemos em 2009 para o Desportivo da Zâmbia e o ano passado”, esclarece o responsável máximo da equipa da Canata, assegurando que os objectivos do Flamingos são mais amplos. “A nossa máquina está direccionada sempre para o título máximo que queremos atingir, que é o torneio provincial do Girabairro e, como tal, nós gizamos a nossa estratégia para atingir este desiderato. No entanto, este ano, que é o do centenário da cidade do Lobito, queríamos muito ganhar a fase municipal e conseguimos.”

O presidente de direcção dos flaminguistas sublinha que o grande objectivo da sua agremiação na fase provincial “é fazer tudo para que uma das equipas do Lobito esteja qualificada para a final da fase inter-provincial” e justifica a pretensão com o facto de defender que “o Lobito tem de ganhar o torneio provincial do Girabairro este ano”. Bento Cangombe acrescenta: “Se não for a nossa equipa a ganhar a fase provincial, apoiamos a equipa que ganhar, no sentido de irmos até à fase do inter-provincial, por um questão de orgulho e homenagem à cidade do Lobito.

Era muito bom a cidade, nos seus 100 anos, ter uma equipa a disputar a final do torneio inter-provincial”. O dirigente desportivo afirma, por outro lado, estar muito orgulhoso por fazer parte de um grupo de personalidades do desporto lobitanga que apoia o desporto na cidade e incentiva a prática da modalidade nos jovens.

“O Lobito é um viveiro do futebol. O nosso Girabairro tem 18 equipas a competir e a diferença de pontos é mínima, faz-me lembrar os fins dos anos 70 e início dos anos 80, os campeonatos inter-municipais de futebol, quando o Lobito tinha aproximadamente dez ou 11 equipas. É isso que nos anima”, destaca.

A finalizar, o presidente dos campeões do Girabairro municipal considera o voluntarismo oferecido pelas equipas ao torneio organizado pelo Movimento Nacional Espontâneo “uma questão de orgulho”, razão pela qual aproveita para “congratular-se com todos os presidentes dos clubes e directores das equipas, porque são eles que asseguram a existência deste Girabairro competitivo”.

“Esta competição movimenta muitos jovens e, portanto, temos de estar satisfeitos com este engajamento de todas estas pessoas anónimas que fazem do Girabairro uma actividade em prol do desenvolvimento das comunidades, numa parceria com a administração do Lobito e o Governo Provincial de Benguela”, disse.

TREINADOR
Daniel Quinhentos descobre talentos

O antigo técnico da Académica Petróleos do Lobito, Daniel Quinhentos, é um espectador assíduo do torneio Girabairro. O actual responsável pelas camadas de formação do clube lobitanga disse ao nosso jornal estar satisfeito com o surgimento de novos talentos no Girabairro. “Tenho estado a gostar do empenho das equipas, mas sobretudo da capacidade de exibição dos mais jovens, que têm ajudado a abrilhantar a prova, com as suas qualidades”, frisou o técnico Danny.

“Acredito que num futuro não muito distante, podemos contar com muitos mais jogadores a tornarem o nosso Girabairro cada vez mais atractivo”, acrescentou Daniel Quinhentos, um dos técnicos que têm acompanhado a evolução do jovem goleador Gaspar Fortunato “Txabalala”, talento de apenas 14 anos, autor de 20 golos em apenas três jornadas do campeonato provincial de juvenis do Lobito. “Temos a missão de procurar acompanhar este jovem talento, dar-lhe orientação e, sobretudo permitir que cresça e evolua no futebol as suas capacidades de goleador, que tem espelhado no campeonato de jovens da sua idade.”