Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Toy Limpa Chão em Espanha

Melo Clemente - 22 de Fevereiro, 2011

Toy Limpa Chão sonha com os EUA

Fotografia: José Cola

Quando em 1998, o então presidente de direcção do Atlético Sport Aviação (ASA), Branco Ferreira, solicitou os préstimos de António Lourenço Van-dúnem, ou se preferirem, Toy Limpa Chão, para enxugar a quadra do Pavilhão Anexo número dois da Cidadela Desportiva, em Luanda, o jovem que nasceu nas terras da Palanca Negra Gigante, a 23 de Dezembro de 1981, não imaginava que essa actividade o fosse tornar famoso.

Depois de ter estado no velho continente, mais concretamente, em Lisboa, na sua primeira internacionalização, Toy Limpa Chão pode seguir nos próximos dias para Espanha, para limpar quadras naquele país ibérico. “Tudo começou numa brincadeira. Sempre nutri uma paixão pelo ASA e nunca perdia uma sessão de treinos, tanto do futebol como do basquetebol, para não falar de outras modalidades.

Lembro-me como se fosse hoje, o ASA jogava na condição de visitado e, como não havia ninguém para proceder à limpeza do piso, o então presidente Branco Ferreira solicitou os meus préstimos”, lembra o jovem António Lourenço Van-dúnem com alguma nostalgia.
Para se livrar da delinquência, Toy Limpa Chão decidiu apostar a sério na sua actividade. Mas, com a morte da sua mãe, em 1999, Toy, como era carinhosamente tratado pelos seus próximos, viu interrompido o trabalho, mas, volvidos oito meses estava ele de volta à actividade.

E tal como qualquer cidadão comum, Toy Limpa Chão, alimentava a esperança de um dia vir a limpar quadras além-fronteiras. E o convite surgiu da Federação Portuguesa de Basquetebol, em parceria com a direcção da Compal. A primeira pessoa a informá-lo do convite foi a sua esposa Domingas Kissua. “Quando a minha esposa me disse que tinha ouvido na televisão que eu ia para Portugal, não quis acreditar. Três horas depois, o meu telefone tocou e alguém do outro lado, disse-me: Toy Limpa Chão prepara a tua documentação que vais a Lisboa. Foi um momento extraordinário.

Fiquei dois dias sem dormir até ao dia do embarque”, confessou. Em terras portugueses, o jovem angolano conquistou os corações dos tugas. Que o diga o nosso companheiro de trabalho, João Diogo, da RDP, Rádio Difusão Portuguesa, que ofereceu uma camisola autografada da sua emissora. Toy Limpa Chão encantou os milhares de adeptos da “bola cesto” que se fizeram presentes no Campo Pequeno e, mal terminou o sonho, está à beira de realizar mais um. Curiosamente, recebeu já um convite da federação espanhola para ali mostrar o seu talento.

Eua são a meta
O  jovem angolano, de 29 anos de idade, almeja encerrar a sua carreira  nos Estados Unidos da América, limpando as quadras de jogo daquele país. Toy Limpa Chão, que foi convidado pelo comité organizador da segunda edição da Supertaça Compal para, com o seu jeito peculiar, limpar o piso do Campo Pequeno, local que acolheu a prova, afirmou que o convite surgiu em boa altura, já que conseguiu realizar um dos SEUS sonhos. “Estive pela primeira vez na Europa. Foi um sonho realizado, mas espero terminar a minha carreira nos Estados Unidos da América”, afirmou Toy Limpa Chão.

O amor da sua vida
Quando descobriu que o marido conseguia o sustento da família como empregado de limpeza nas quadras de basquetebol, a sua cara metade, Domingas Kissua - Mingota, como Toy Limpa Chão faz questão de lhe chamar - decidiu romper com a relação. “Foi difícil porque ela não sabia que eu limpava chão das quadras de jogo. Quando, em 2002, o 1º de Agosto organizou a Taça dos Clubes

Campeões Africanos de Basquetebol em seniores masculinos, a direcção militar convidou-me e foi numa das partidas que a minha esposa me viu pela TPA. Mas, graças a Deus, consegui convencê-la a ficar comigo. Hoje, quer ela quer os meus filhos, às vezes, assistem ao meu espectáculo”, disse. Actualmente, para compensar o trabalho, Toy Limpa Chão recebe um salário do clube central das Forças Armadas Angolanas.