Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Uma carreira coroada de sucessos

03 de Dezembro, 2010

Andrés Iniesta colocou a Espanha no leque de campeões Mundiais

Fotografia: AFP

Andrés Iniesta entrou para o Barcelona em Setembro de 1996, com 12 anos, depois de se destacar no torneio infantil de Brunete, como jogador do Albacete Balompié. Em pouco tempo, passou a ser uma das jovens promessas dos escalões de formação do clube catalão.
Durante duas temporadas, jogou no Barcelona B até que, na temporada 2002-03, se estreou na equipa principal sob o comando de Louis van Gaal. Durante essa e a seguinte temporada, alternou a titularidade com o banco de suplentes. Na temporada 2004-05, passou a fazer parte, definitivamente, da equipa principal e participou activamente na conquista do título de campeão da Liga Espanhola. Apesar disso, não foi titular indiscutível na maioria dos jogos sob o comando de Frank Rijkaard. Quando jogava como titular, era costume ser o primeiro a sair na metade do segundo tempo. Depois disso, só não jogou uma partida da liga e foi participando em 37 jogos, sendo o jogador mais activo, tal como Samuel Eto’o.

A 17 de Maio de 2006, participou na final da Liga dos Campeões, na qual o Barcelona venceu e conquistou o seu segundo título.
A sua camisola era inicialmente a 24. No entanto, em 2007, outorgou-se com a 8, deixada por Giuly, número que usara nos escalões de formação. Em Janeiro de 2008, renovou com o FC Barcelona até 30 de Junho de 2014, aumentando a sua cláusula de rescisão de 60 a 150 milhões de euros. Mostrando o seu valor na equipa, na temporada 2008/09 foi eleito como o quarto capitão, a seguir a Carles Puyol, Xavi Hernández e Víctor Valdés. Em 2009, na lista final dos concorrentes ao prémio de Melhor Jogador do Mundo da FIFA 2008, Iniesta figurava como o mais novo de todos.

Nas temporadas seguintes, mais títulos vieram para o clube catalão e mais consistente se mostrava Iniesta no Barça. Com a chegada de Josep Guardiola para o comando da equipa, Andrés foi decisivo nas inúmeras conquistas do clube na temporada 2008-09, inclusive sendo considerado o melhor jogador da semi-final da Liga dos Campeões daquele ano, marcando o golo decisivo, aos 93 minutos, contra o Chelsea, que deu a vitória ao Barcelona. Na final, foi dele o passe que permitiu a Eto'o marcar o primeiro golo da vitória sobre o Manchester United, por 2-0.

Títulos
Barcelona

Mundial de Clubes: 2009
Taça UEFA: 2005-06 e 2008-09
Liga: 2004-05 de 2005-06, 2008-09 e 2009-10
Super-taça da UEFA: 2009
Super-taça da Espanha: 2005 e 2006
Taça do Rei - 2008-09
Taça Catalunha: 2003-04, 2004-05 e 2006-07

Selecção Espanhola
Euro Sub-19: 2004
Euro: 2008
Mundial: 2010

Prémios Individuais
"Jugón de ouro": 2007
• "Equipa ideal UEFA All-Star": Euro 2008
Melhor jogador da Liga dos Campeões Europeus 2008-09.
Melhor jogador em campo na Final do Mundo de 2010

Na Selecção Espanhola

Depois de ser convocado por duas ocasiões para jogos amigáveis pelo seleccionador nacional Luis Aragonés, a 15 de Maio de 2006 foi finalmente incluído na lista dos jogadores que participaram no Mundial- 2006. Estreou-se pela selecção e realizou três partidas, sendo titular apenas contra a Arábia Saudita. Na sequência, o maior êxito com a selecção espanhola foi quando conseguiu a titularidade durante a Euro-2008, disputado na Áustria e Suíça. Andrés foi o único jogador espanhol que disputou todos as partidas. A 29 de Junho de 2008, no Estádio Ernst Happel de Viena, consagrar-se-ia, com os 22 companheiros, campeão Europeu, jogando contra a Alemanha (1-0 com golo de Fernando Torres).

Apesar de um início "débil", a Furia foi crescendo no decorrer da prova, e Andrés foi eleito um dos 23 elementos da equipa ideal da prova, além do prémio de melhor jogador da semi-final contra a Rússia. Mas a história de Iniesta começara já nos escalões de formação. Em 2001, foi titular nas selecções de base espanholas que ganharam tanto o Euro de Sub-16 quanto o de Sub-19. Em 2003, jogou a final do Mundial de Juvenis nos Emirados Árabes Unidos, e foi eleito para a "Equipa das Estrelas" da prova. Posteriormente, foi eleito capitão da selecção de Sub-21. Em 2010, no Mundial da África do Sul, foi o autor do golo que deu o título ao seu país, aos 116 minutos da final.

O golo que parou a Espanha

O golo marcado por Iniesta contra a Holanda, no jogo da final do Campeonato do Mundo da África do Sul, não foi apenas o mais importante da sua vida. Foi simplesmente o mais importante da história da Espanha. Andrés Iniesta Luján, o incansável médio, será para sempre conhecido por ter marcado o golo do primeiro título mundial espanhol. E foi merecido, por tudo o que mostrou naquele dia.
O baixinho, 1,70 m, reinou no meio campo, ajudou na marcação e apoiou o ataque. Consagrou-se como o melhor do jogo, prémio entregue pela FIFA, e fez o golo salvador no fim do prolongamento, aos 11 minutos do segundo tempo, um remate certeiro e sem hipóteses para o guarda-redes Stekelenburg.

"Ainda não acredito que fiz esse golo tão significativo para a selecção e para a Espanha", declarou Iniesta na altura. "Não acreditei quando a bola sobrou para mim", acrescentou. O atleta já tinha participado no Mundial da Alemanha, mas dos três jogos disputados pela Espanha só foi titular num. Dois anos antes, foi uma das principais peças da equipa Campeã da Europa. Desde então, tem confirmado tratar-se de um jogador fundamental para a selecção. "Foi um jogo duríssimo, mas merecíamos o título. Tenho a certeza que esta selecção vai conquistar muito mais porque é jovem e unida", disse o médio na sala de imprensa. Fazer golos não é novidade para ele, apesar de não ser um ponta de lança. Dos oito tentos da Espanha na África do Sul, foi o autor de dois (um no triunfo sobre o Chile, por 2 a 1).

O médio do Barcelona fazia parte da lista dos dez jogadores para serem escolhidos como o melhor do Mundial. Com ele, outros dois espanhóis: Villa e Xavi. O título ficou com o craque uruguaio Forlán e Iniesta não ficou entre os três primeiros lugares. O camisola 6, normalmente dada a um lateral, nunca fez tanto sucesso em Espanha. E, a partir daquele dia, o seu nome passou a estar estampado em muitas camisolas vermelhas de fanáticos e adeptos. Depois de fazer balançar as redes, Iniesta levantou a camisola espanhola e levou cartão amarelo pelo gesto, sendo que por baixo dela havia outra camisola de cor branca com os dizeres: "Dani Jarque, sempre connosco". Era a homenagem ao jogador do Espanyol, morto em 2009 de ataque cardíaco. "Foi uma homenagem merecida", disse o herói.

Informações pessoais
Nome completo: Andrés Iniesta Luján
Data de nascimento: 11 de Mio de 1984 (26 anos)
Local Fuentealbilla,  Espanha
Nacionalidade: Espanhola
Altura: 1,70 m
: Direito
Apelido: Don Andrés, Sweet Iniesta

Informações profissionais
Clube actual: Barcelona
Número: 8
Posição: Médio

Clubes de juventude
1994–1996 Albacete
1996–2001 Barcelona

Clubes profissionais
Anos
              Clubes   Jogos  (golos)
2001–2003     Barcelona B054 0000(5)
2002–          Barcelona    210 000(17)

Selecção nacional
2006
– Espanha 049 0000(8)
2004– Catalunha 001 0000(0)

Escolhido para a edição-2011 do jogo virtual da Fifa

Com o golo que marcou contra a Holanda, na final do Mundial da África do Sul, o espanhol Andres Iniesta ganhou o mundo. Desta vez, o médio do Barcelona passou a ser destaque no mundo virtual. O jogador foi escolhido como o principal nome para a edição 2011 do "game" de futebol da Fifa e estará na capa do jogo. Satisfeito com o seu desempenho na temporada, Iniesta disse que está honrado em poder ser associado a um elemento que faz parte da vida de jovens pelo mundo e aproveitou para falar do jogo. "É uma honra. Estou muito grato por poder representar a nova versão do jogo. Eles realçaram valores importantes para o desporto e para a vida. Com as melhorias deste ano, estou convencido de que as pessoas vão gostar de brincar ainda mais com os amigos", disse.

Yeary Romera, director do fabricante do jogo em Espanha, disse que a escolha não é apenas o resultado da última temporada ou do desempenho do jogador no Mundial da África do Sul. Para ele, o perfil profissional de Iniesta foi fundamental. "Passámos meses a pensar a capa do jogo e, finalmente, podemos anunciar que é o Iniesta. Ele é um jogador admirado por todos os amantes do futebol. Para nós, é uma notícia muito boa tê-lo como representante. Não só pelo seu valor como jogador, mas pelos valores que representa com o seu "fair play" - explicou Romera.