Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

"Vamos recuperar a força de outrora"

José Chaves - 10 de Dezembro, 2009

Fotografia: Jornal dos Desportos

Que caracterização lhe oferece fazer sobre o desporto na província do Bié?
A província do Bié quer recuperar a mística desportiva de tempos passados. Estamos a lutar para atingir os níveis que a província sempre teve; é  um dos objectivos para curto e médio prazo, sobretudo, no futebol, basquetebol, andebol, hóquei em patins e atletismo, modalidades tradicionais no seio dos habitantes desta região Centro-Sul de Angola.

A época desportiva de 2009 está prestes a terminar. Qual é o balanço que lhe apraz fazer?
É positivo, porque programamos quatro acções essenciais, designadamente, a continuação do programa de massificação, relançamento do desporto federado, conclusão das distintas infra-estruturas desportivas e formação de técnicos desportivos. Estas acções foram cumpridas na íntegra.

Comente as suas palavras…
Continuamos a massificar as distintas modalidades; o número de núcleos de massificação cresceu, principalmente, no futebol e no basquetebol; foi realizado o campeonato provincial de futebol unificado sénior/junior depois de cinco anos parado e, 17  anos depois conseguimos incluir na prova clubes do interior da província. Ainda no futebol, foi realizado um campeonato infantil com a participação de 18 equipas. Alguns clubes já começaram a absorver atletas provenientes do programa de massificação, o que nos deixa regozijado. O  objectivo  primordial da massificação está a surtir efeito.

Houve algum constrangimento na organização do campeonato provincial de futebol?
Foi uma grande luta para a sua realização, mas conseguimo-lo para gáudio de todos os amantes. Depois de muito tempo sem uma prova dessa envergadura, estamos a caminhar bem e com passos seguros. A realização do “provincial” ajudou bastante na pacificação dos espíritos da juventude, principalmente, da região que sofreu bastante com a guerra. É de louvar a realização desta prova.

Em função das suas explicações, deduz-se que a Associação Provincial de Futebol do Bié está num bom caminho…
Sim, houve uma revolução. Todavia, é necessário que os clubes e a associação concedam-nos uma palavra de apreço. Vamos torcer para que as outras modalidades sigam o exemplo do futebol.

Está a dizer que o desporto está a renascer nessa província?
O Bié era a província que apresentava menor vitalidade em termos desportivos, tanto no que toca ao número de infra-estruturas desportivas quanto ao nível do seu material humano. A verdade é que vários quadros tiveram de deixar a província em busca de melhores condições de vida e de segurança. Actualmente, esse cenário tende a mudar. Existe um avanço significativo em relação ao desenvolvimento desportivo, não obstante algumas modalidades carecerem ainda de maior impulso.

Quanto ao desporto federado, como vai a província?
Após a reorganização e reestruturação das diversas associações desportivas e clubes, através da realização das assembleias de renovação de mandatos, hoje, o Bié tem nove associações desportivas e igual número de clubes, alguns dos quais pertencentes aos municípios do interior. Essa organização permitiu a realização do campeonato provincial de futebol com a participação de nove equipas, cinco das quais em representação dos municípios do interior.

Além dessas actividades houve mais?
O Bié albergou competições de âmbito nacional nas modalidades de salão ao acolher, em Setembro último, os XXX Campeonatos Nacionais de Andebol, em ambos os sexos, e, no passado mês de Novembro, a final da Taça de Angola em hóquei em patins. A realização dessas provas permitiu o relançamento dessas duas modalidades tradicionais no seio dos habitantes do Bié. Também veio despertar consideravelmente os amantes destas disciplinas e, por força disso, reforçou o programa de massificação. A nível dos clubes, aumentou a capacidade de intervenção no quadro dos programas de massificação. Por outro lado, um grande esforço tem sido desenvolvido para a participação de várias equipas locais nos campeonatos nacionais, aumentando assim o nível de competitividade e erguendo bem alto o nome da província.

Em termos promocionais, que ganhos trouxeram esses eventos (os "nacionais" de Andebol em ambos os sexos, a final da Taça de Angola, além da reunião magna da Federação Angolana de Futebol) à província?
Trouxe muitos ganhos e surpreendeu pela positiva as pessoas cépticas. No capítulo turístico, pessoas de diferentes estratos sociais, sobretudo, jovens de outros pontos deste belo e imenso país, puderam visitar o Bié. Esses são os ganhos da paz. O Bié é uma província tradicional em acolher provas nacionais. Esse ano, começamos com três eventos e vamos continuar a acolhê-los. É uma das formas de promovermos o turismo rumo à reconstrução nacional. Se anteriormente a cidade do Kuito era o principal palco da guerra fratricida, actualmente, queremos recuperar o prestígio que já possuía durante as décadas de 70 e 80 até princípio de 90, do século XX. O Bié organizava eventos desportivos de forma ininterrupta anualmente. Vamos recuperar a força de outrora. Estamos crentes na certeza absoluta.

Quais são as  perspectivas do andebol, depois do Misto do Bié ter participado no "nacional" sénior masculino?
Desde os anos anteriores, defendemos sempre que o andebol estivesse no topo das competições a nível dos campeonatos nacionais. É uma modalidade de alta competição, por isso, vamos continuar a apostar nele.

Desde a sua implementação, a massificação desportiva já gastou muito dinheiro?
Apesar das grandes vicissitudes que vive o programa, por causa da falta de meios financeiros para se cumprir cabalmente com os programas já planeados, continua a produzir bons frutos.

Infra-estruturas desportivas
"é uma obrigação do Estado"

Como está o Bié em termos de infra-estruturas desportivas?
A província conta com vinte campos polivalentes. No quadro da realização dos IV Jogos Nacionais Desportivos Escolares, a província ganhou 15 campos polivalentes dos quais alguns construídos e outros reabilitados. No município do Andulo, dois campos afectos a Institutos Médios Politécnicos juntam-se ao do Instituto Politécnico do Kuito. Podemos também aferir a reabilitação e o apetrechamento do Pavilhão gimnodesportivo do Sporting Clube do Bié, um empreendimento que já foi considerado o segundo melhor do país. Hoje, está totalmente reabilitado, equipado e tem condições para albergar provas de carácter internacional. O Governo provincial reabilitou as infra-estruturas sociais e desportivas dos clubes Vitória Atlético e do Sporting, assim como o Salão do Vitória e o Cine-teatro, o que dá outro alento ao desporto local.

Está a dizer que o Governo provincial ajuda as diversas associações desportivas e clubes?
No quadro das responsabilidades do Governo, as diversas associações locais desportivas beneficiam de ajudas; O Governo faz aquilo que pode e os poucos recursos cabimentados para o desporto são dados aos clubes e às associações. Para dar exemplo: a maior parte das infra-estruturas estão a ser reabilitadas aos olhos de todos.

A Direcção Provincial dos Desportos vai continuar a apoiar os clubes e as diversas associações desportivas nos próximos tempos?
Esta é uma das obrigações do Estado. Vamos continuar a apoiá-los, porque conhecemos as suas dificuldades financeiras. Aliás, os clubes e as associações são parte importante para o desenvolvimento do desporto, porque é através deles que o Governo implementa as políticas do desporto rumo ao desenvolvimento.

DESPORTO ESCOLAR
A província albergou, em 2008, os IV Jogos Nacionais Desportivos Escolares. Que benefícios trouxe para o Bié?
Os benefícios foram vários, desde os resultados no campo desportivo, nos quais a massificação prossegue em várias modalidades; no capítulo de formação, vários técnicos, dirigentes, entre outros agentes desportivos, foram aperfeiçoados. Cerca de mil e quinhentas crianças estão inseridas no programa do desporto escolar.

O desporto escolar não é da competência da Direcção Provincial dos Desportos. A sua direcção vai continuar a relançar esse sub-grupo do desporto?
Com certeza. Vamos continuar a colaborar com a Direcção Provincial da Educação no sentido de se continuar a apostar seriamente no desporto escolar. Isso vai permitir a formação de bons atletas e também de bons alunos. A formação é muito importante na vida de qualquer cidadão, razão pela qual devemos apostar com seriedade na formação académica dos petizes.

Quais são os próximos passos para continuar a relançar o desporto nas escolas?
Precisamos de apostar seriamente no desporto escolar. Este projecto pode dar frutos no futuro, por isso, vamos trabalhar todos juntos com o Governo provincial visando a revitalização do desporto.

"Formação dos agentes é  um calcanhar de Aquiles"

Quanto à formação de monitores, técnicos e dirigentes desportivos, qual é a realidade da província do Bié?
A falta de  formação na área desportiva é  o “Calcanhar de Aquiles”. Este ano, tivemos apenas uma formação realizada na modalidade de andebol com a participação de 25 monitores que representaram os nove municípios da província.

Qual é a política a adoptar para colmatar a falta de quadros desportivos que se verifica no Bié?
Vamos apostar no homem no que tange à formação de quadros ligados à área desportiva. Esse é um problema de fórum nacional. Vamos tentar remediar com algumas formações para superar as grandes deficiências que se vivem no dirigismo desportivo bieno.

O que está a faltar de concreto ao desporto bieno?
Faltam recursos humanos para dirigir as modalidades. É um problema de todo o país, não apenas da nossa província. Pessoalmente, acredito em melhores dias, em 2010, para o desporto no Bié.

Como caracteriza o desporto praticado nos municípios da província do Bié?
Está  mal. Apesar de termos em curso um projecto de massificação desportiva, as actividades vão continuar no próximo ano com a realização de campeonatos municipais e, posteriormente, os inter-municipais para tirarmos algum proveito. Com base na filosofia do desporto a nível provincial, os municípios vão praticar as modalidades escolhidas como o futebol, andebol e  basquetebol. A intenção é que haja competição em toda a extensão da província.

PERSPECTIVAS
Quais são as perspectivas para o ano de 2010 no sector dos desportos no Bie?
As perspectivas são várias, mas destaca-se a concretização das acções  de formação que foram planificadas para 2009 e que não cumpridas, suprimindo assim a falta gritante de quadros desportivos. Continuar com os programas de massificação nas modalidades de andebol, basquetebol, atletismo, sem descurar o futebol, e concluir o processo de arrelvamento do Estádio dos Eucaliptos, a colocação do sistema electrónico de irrigação e a sua manutenção. A requalificação dos campos de futebol de todos os municípios da província também consta do programa.

O país vai organizar a Taça Africana das Nações Orange Angola’2010.

Que antevisão se lhe oferece fazer quanto à participação dos Palancas Negras no grupo A?
Os Palancas Negras estão inseridos num grupo difícil dada a capacidade dos contendores. As equipas da série são fortes, principalmente, o Mali e a Argélia, tornando-a, por isso, complicada, não fraca como se vaticina. No entanto, acredito nas capacidades da nossa selecção; tenho a crença de que vai conseguir apurar-se para a fase seguinte com menor ou maior dificuldade. Apelo o apoio do público à equipa nacional do princípio ao fim de cada jogo.