Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

Vitória do desporto popular

27 de Maio, 2015

O atletismo esteve em grande impulsionado milhares de pessoa a concentra-se ao longo do percurso

Fotografia: Jornal de Desportos

A “1ª Grande Volta ao Prenda” em atletismo, em estrada por estafetas, disputada por 13 equipas, foi realizada numa manhã de domingo (texto publicado à 13/1/1976), organizado pelo D.E.C da Comissão Popular do bairro do Prenda, com apoio da JMPLA, daquela comuna.

Nesse dia, o atletismo esteve em grande, impulsionando milhares de pessoas a  concentrar-se ao longo do percurso, em especial na Meta, que foi no largo do Realojamento, na então Avenida Lisboa e junto da Clínica do Prenda. As equipas em causa, num movimento total de quase setenta atletas, competição que contou ainda com a orientação duma equipa técnica da Escola de Educação Física, um bom serviço por parte da Polícia de Viação e Trânsito e com a assistência de uma ambulância da Cruz Vermelha.

À chegada dos corredores (atletas), vivamente aplaudidos ao longo do trajecto, estiveram vários camaradas ligados ao Desporto, entre as quais o Ministro da Educação Cultura, camarada António Jacinto e o Director Geral da Juventude e Desportos, Pedro Augusto.

Quanto à corrida propriamente dita, pode dizer-se que houve muito equilíbrio na primeira etapa,  na segunda  começaram-se  a definir as equipas mais apetrechadas para na terceira terem as posições e que nas duas seguintes, se consolidou a posição da equipa da E.E.F (descida da D. João III) e se verificou uma notável recuperação do Comité do Margoso.

Classificação: 1ª E. E. Física, 20m.00s e 3/10; 2ª Cow-Boys, 20.23; 3ª Mártires de Kifangondo; 21. 21. 1; 4ª Zeca D´ongiva, 21. 22. 1; 5ª Comité do Margoso, 22. 13. 9; 6ª C. Cultura do Prenda, 22. 18. 8; 7ª Com Stona, 22. 19.4; 8ª Esc. Neves Bendinha, 22. 31. 1; 9ª C. Cultura do Prenda "A", 22. 42. 1; 10º Comissão do Bairro Prenda, 23. 04. 6; 11ª Dá e Doi, 23. 19. 8; 12ª Cienfuegos- B, 24.21.6; Cienfuegos-A, 24.43.


Centena e meia de atletas
Jornada de Atletismo surpreendeu a baixa


Por ocasião da I Jornada Aberta de Atletismo, a baixa de Luanda ficou surpreendida com o movimento de atletas que deram corpo na larga pista do Estádio dos Coqueiros, levaram toda a harmonia animadora, num sábado de tarde (11 de Maio de 1976).

Rapazes e raparigas, de todas as idades, encheram de alegria o Estádio dos Coqueiros, rasgaram  assim o horizonte para uma participação mais vasta,  levaram a crer que todos os participantes dessa primeira jornada, num total de cerca de 150, iam voltar na  seguinte com mais alguns “novos”.

Sem serem particularmente importantes - de momento interessa incentivar o Desporto - a nossa reportagem, confiada ao camarada Ângelo da Silva, colheu os apontamentos que possamos a dar nem relação aos vencedores das séries: 80 metros infantis masculino - 1ª. Série, João Sousa Fernandes, Escola Alda Lara, com o tempo de 12.2 s. ; 2ª. Série, João Augusto, 13 s.; 3ª. Série, Francisco Nelson, E.A.L, 13.2; 4ª. Série, Diamantino Sousa, 12.6ª; 5ª. Série, Luís Costa, E.A.C., 12s.; 6ª. Série, José Ana Pais, Escola Augusto Ngangula, 11.5 s.

80 metros infantis feminino - 1ª. Série, Janette Miranda, E.A.L., 12.4; 2ª.
Série, Palmira, E.A.L., 13.4; 3ª. Série, Maria de Lourdes, E.A.L., 12.8; 4ª Série, Maria de Lourdes LAUREANO, E.A.L., 131; 5ª. Série, Maria Vidal, E.A.L., 13.7; 6ª. Série, Constança, E.A.L., 13s.
100 metros iniciados masculinos - 1ª. Série, Elísio Rosa, Ngola Kanini, 13.8; 2ª. Série, Francisco Domingos, E.A.L., 14.6; 3ª. Série, Abílio Oliveira, E.A.L., 14.9.

100 metros juvenis feminino - 1ª. Helena Gomes, 16.2; 2ª. Suzanete Fátima, 16.8.
200 metros juniores e seniores masculinos - Germano Gomes, E.E.F., 26.7.
200 metros juvenis feminino - Marina Rosa, 37.6.
400 metros juvenis - Fernando Silva, B.K., 1.01.
500 metros femininos - Lina Antunes, E.A.C.L.25.
500 metros masculinos - Joaquim Paulo, E.E.F., 1.09.1
2.000 metros - António Andrade, 6.04.3


Figura
António Andrade


Aos 56 anos de idade, dos quais 44 no atletismo, é um profissional angolano considerado o “eterno vice - campeão da corrida de São Silvestre”.
Detentor de vários títulos nacionais e internacionais, tais como a São Silvestre de Luanda desde 1975 a 1980, aos Jogos da África Central, 1980 e 81, António João Andrade é dos rostos mais visíveis na massificação do atletismo no país.

Hoje, enquanto dirigente desportivo, o antigo praticante do Clube do Ferroviário de Angola (afecto aos Caminho-de-Ferro de Luanda) e do 1º de Agosto, disse que no dia da proclamação da independência nacional, a 11 de Novembro de 1975, acompanhava o processo a partir das instalações desportivas do “Ferroviário”.

Na altura contava 16 anos de idade, recorda ainda, que foi nas instalações do Clube do Ferroviário de Angola que em 1974, o engenheiro Santos de Almeida, ex - Director Geral dos Desportos do Caminho de Ferro  de Angola reuniu-se com os dirigentes do MPLA, UNITA e FNLA, tendo em conta a preocupação de termos um país livre do jugo colonial. E isso  concretizou-se com o partido no poder.

Onde estava na dia 11 de Novembro de 1975?
No celebre ano da proclamação da nossa independência, isto a 11 de Novembro de 1975 eu já vivia no Clube Ferroviário de Luanda, porque nesta altura, era atleta afecto aquela casa desportiva.
Lembro-me  que em véspera da independência, um ano antes, na altura do conhecido “25 de Abril de 1974”, os três movimentos de libertação nacional, MPLA, FNLA e UNITA estavam reunidos nas instalações, com o engenheiro Santos de Almeida, ex-director geral dos Desportos do Caminhos de Ferro de Angola.

Que acontecimento desportivo mais o marcou nestes 40 anos de independência que o país vai assinalar?
Ao longo destes 40 anos da nossa independência, tenho a dizer que foram muitos os acontecimentos que me marcaram. Por exemplo, fui o primeiro vencedor da “mini -corrida de São Silvestre, 1974/1975, realizado pelo professor Alberto Quadrios. Em 1975, já na Angola livre fui o vice - primeiro campeão da São Silvestre, cuja entrega do troféu recebi das mãos do camarada, José Eduardo dos Santos  ora presidente da nação, na altura exercia a função de Ministro das Relações Exterior e Secretário do Comité Central do MPLA para as Relações Exteriores. 
Um ano depois (1976) voltei a conquistar o segundo lugar na São Silvestre.

O que gostava que tivesse acontecido no desporto neste 40 anos, mas que no entanto não aconteceu?
O caminho é longo e por isso todos somos chamados a ajudar o país a crescer. Gostaria que houvesse maior desenvolvimento em todas as áreas, principalmente no desporto, pois um verdadeiro país só cresce com pessoas saudáveis e isso, tem muito a ver com a massificação da prática desportiva a partir da base. Recordo-me que na década de 1980, o desporto angolano estava no auge e o atletismo era a modalidade que mais se notabilizava dentro e fora do país. Digo isto porque, em 1980, durante os primeiros Jogos da África Central que decorreram na República do Congo, em Brazaville, Angola conseguiu arrebatar 35 medalhas e das quais, o atletismo foi a modalidade que mais se destacou.  No ano seguinte, Luanda realizou o segundo Jogos da África Central que foi de 27 a 30 de Junho,  em  casa somamos 45 medalhas e como sempre o atletismo superava as demais modalidades.

Como ex-atleta, de créditos firmados, como avalia o contributo no processo evolutivo do nosso desporto nestes 40 anos?
O desporto ainda está aquém daquilo que pensávamos, ou melhor, precisamos  de trabalhar muito para levar o país ao seu verdadeiro nível, tal como era na década de 1980. Hoje, de certa forma não se pratica desporto por amor à camisola como outrora.