Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Reportagens

XX Campeonatos Nacionais de Ciclismo rodeados de grande expectativa

Simão Kibondo - 27 de Julho, 2010

Depois do Santos, Associação da Huíla vai firmar contrato

Fotografia: Jornal dos Desportos

Em pleno mês da "Volta a França" em bicicleta, todos os caminhos do ciclismo angolano darão nas principais artérias das províncias de Luanda e do Bengo, onde a Federação Angolana de Ciclismo, depois de pela primeira vez monitorizar os campeonatos provinciais, criando condições para normalizar as suas actividades competitivas, vai balanceá-las, de 30 de Julho a 01 de Agosto, com a disputa dos XX Campeonatos Nacionais de Estrada Unificados.Também será inédita a realização de provas reservadas às categorias de juvenis e de cadetes, que à semelhança dos seniores, que dividirão a primazia com os juniores, disputarão as suas provas unificadas, isto é envolvendo duas categorias. As três provas previstas no programa são o contra-relógio individual seniores-juniores, a 30 de Julho, que terá 30 quilómetros, com partida no desvio da Barra do Dande/ Barra do Dande/ chegada 3 Km após a ponte da Barra do Dande. Para os junioress/cadetes terá uma distância de 20 quilómetros, com partida no desvio da Barra do Dande e chegada a 7 quilómetros do local de partida.Responderam positivamente aos apelos da federação para a realização dos campeonatos provinciais em simultâneo e monitorizados, na primeira opção, nos dias 26 e 27 de Junho, apenas a Associação Provincial de Luanda, enquanto Uige, Cabinda, Huíla e Huambo, fizeram as provas nos dias 03 e 04 de Julho e Benguela nos dias 10 e 11. As demais províncias devem apresentar os resultados das suas realizações, provavelmente na reunião técnica dos nacionais, que decorrerá a 29 do corrente, na sede da Federação Angolana de Ciclismo.Acordo contratual na forjaA Associação Provincial de Ciclismo da Huíla tem motivos para começar a pensar em dias melhores, quando assinar o contrato programa previsto com a federação da modalidade para os ciclistas daquela província participarem no XX Campeonato de Ciclismo de Estrada Unificado em condições iguais ou aproximadas aos demais atletas. A nossa reportagem soube que a delegação huilana, composta por nove pessoas (oito ciclistas e um delegado), deve chegar a Luanda ao longo desta semana, altura em que a FACI terá tudo preparado para fazer a entrega do kite do material, composto de seis bicicletas de competição, seis capacetes, doze pneus de número doze e igual número de câmaras de ar. Note-se que, até agora, a Huíla e o Santos Futebol Clube de Angola, em Luanda, foram as únicas instituições que responderam positivamente aos apelos do órgão reitor da modalidade, no sentido de os associados interessados comparticiparem financeiramente na compra dos meios para assegurar as respectivas participações regulares em provas oficiais do calendário da federação (campeonatos nacionais) e das associações provinciais (Campeonatos Provinciais), provas que normalmente têm um ou vários patrocinadores.Corredores de Luanda e de Benguela são favoritosDo acompanhamento efectuado em provas provinciais de ciclismo, um pouco pelos onze pólos de desenvolvimento, pudemos depreender que Luanda e Benguela vão discutir entre si o título. Desde 2008 que a hegemonia pertence à capital, através do ciclista Bruno André, que na altura defendia as cores do Santos Futebol Clube de Angola e agora representa a Escola David Ricardo. Isto sem desprimor às demais províncias, que se conseguirem um ou outro brilharete será certamente considerado uma surpresa agradável, como aliás aconteceu em 2008, com o ciclista huilano Bernardo Edson Simões Cardoso, na prova em linha de 120 quilómetros, ao conseguir subir ao pódio, classificando-se na terceira posição.Huíla só temcinco máquinas O ciclismo huilano de há dois anos não é o mesmo da actualidade. Debate-se com sérios problemas técnicos e organizativos, a começar pela ausência de apoios locais capazes de o tirar do marasmo em que se encontra. Este ano a Huíla realizou o Campeonato Provincial de Ciclismo de Estrada apenas com cinco bicicleta, um número que não espelha o desenvolvimento da modalidade na província, pelo contrário traz à superfície as dificuldades que a modalidade atravessa nas terras altas da Chela, cujas potencialidades competitivas estão adormecidas e precisam de muita sacudidela para acordar. O exemplo da Huíla é praticamente o espelho do que acontece um pouco por todos os pólos de desenvolvimento da modalidade, a excepção recai para Luanda e Benguela, os dois principais eixos da modalidade no país. Incentivos para a aquisição de bicicletas próprias para a competição e material gastável precisa-se amiúde. Aventa-se inclusive a possibilidade de, num futuro próximo, as associações da Huíla e do Namibe caminharem de mãos dadas, para ambas ultrapassar as dificuldades juntas.Santos acorda com a federação  A ausência do Santos Futebol Clube de Angola nos recém-disputados Campeonatos Provinciais de Ciclismo de Estradas Unificados de Luanda e o passado ascendente do clube na modalidade, do qual se destacam participações em provas internacionais como na Repúblicas dos Camarões, em 2008 e em 2009, deixou preocupada a Federação Angolana de Ciclismo, apelando recentemente à direcção daquele clube, presidida por Ismael da Silva Diogo, a rever a sua estratégia para com a modalidade, contando com a parceria do órgão reitor da modalidade no país. Daí que, no passado dia 20 de Junho, os representantes das duas direcções selaram definitivamente um acordo, trabalhado três antes pelos órgãos especializados das respectivas instituições. Foram signatários os presidente da Federação Angolana de Ciclismo, Diógenes de Oliveira, e pela Direcção do Santos FC responsável pela área financeira, Manuel José Francisco, em representação do presidente do clube, Ismael da Silva Diogo. O acordo rege-se pelas cláusulas que seguem: I - A FACI procede a venda, contra o pagamento a sessenta dias, de um kit de equipamento desportivo de ciclismo, composto de 6 bicicletas de ciclismo de estrada, sendo 3 da marca BH e 3 da marca órbita, 6 capacetes, 12 pneus e 12 câmaras de ar, no valor global equivalente a 9.660.00 usd (Nove mil e seiscentos e sessenta dólares). II - A Direcção do Santos Futebol Clube de Angola, na qualidade de compradora dos materiais desportivos mencionados no ponto I, obriga-se a proceder ao pagamento até sessenta dias, após a recepção dos equipamentos. O pagamento deve ser efectuado, contra depósito ou transferência bancária para a conta da FACI, nº 005-120429-011, sedeada na dependência do Banco de Poupança e Crédito da Sagrada Família. De realçar que este será o contrato modelo que a FACI assinará no futuro com os Governos Provinciais para apoiarem as respectivas direcções, Direcções de Clube e potenciais patrocinadores. E, como referimos acima, a província da Huíla, através da respectiva associação Provincial de Ciclismo, será a segunda a rubricar um acordo quase nos mesmos moldes do primeiro. Assembleia Ordinária vai admitir Cunene como o décimo segundo membro Como é hábito depois do Campeonato Nacional, a Federação Angolana de Ciclismo vai concentrar os associados, entre os dias 02 e 04 de Agosto, no anfiteatro da Federação Angolana de Futebol, para realizar a segunda Assembleia Ordinária do mandato 2009-2010. Além da análise e aprovação do relatório de actividades e contas relativo ao exercício 2008 a 2009, a mesma vai admitir a província do Cunene como o décimo segundo membro, com efeitos práticos a partir do último trimestre de 2010. De recordar que o Kuando Kubango foi admitido na I Assembleia Geral Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de Abril de 2009, como o décimo primeiro membro, tendo participado já como observador no I Conselho Técnico Nacional do quadriénio, outro evento que se realiza a margem da assembleia e que  aprova, anualmente, um comunicado com as principais recomendações sobre a modalidade.    A primeira Assembleia-Geral Ordinária/Conselho Técnico Nacional, recorde-se, aprovará por unanimidade o Programa da FACI para o quadriénio 2009-2012. Os delegados propuseram igualmente à federação a realização de acções formativas nas províncias, a partir de 2009, de forma a aumentar o número de quadros locais.A realização de campeonatos de ciclismo em províncias que não seja a capital, esteve condicionada a apresentação de candidaturas com o aval dos respectivos governos, representados pela Direcção Provincial da Juventude e Desportos locais e /ou respectivos patrocinadores e, sujeitos a um caderno de encargo previamente elaborado pela FACI, que segundo a nossa reportagem apurou ainda não aconteceu. Estas e outras preocupações serão afloradas pelos associados ao longo deste fórum que deve resultar valiosas contribuições para o desenvolvimento da modalidade, numa altura em que a federação caminha decisivamente para a normalização da sua vida competitiva. A Mesa da Assembleia-Geral da FACI, a quem compete convocar a Assembleia-Geral Ordinária, é presidida pelo deputado Dumilde das Chagas Rangel.Ciclistas serão submetidos à avaliação Se uns tem capacidade financeira e nível competitivo regular e não necessitam de suportes para convencer o órgão reitor da modalidade a assinar contratos programas, a prática demonstrou que províncias há, como o Bengo, em que a Federação Angolana de Ciclismo não dará qualquer passo sem antes examinar as condições dos ciclistas propostos para disputar o XX Campeonato Nacional de Estrada Unificado. Assim, a província terá de submeter ao exame os seus dois ciclistas que pretende se inscrever na prova. Estarão na mesma condição as províncias do Uíge, da Lunda- Norte e do Kuando Kubango. Uíje corre a todo terrenoHá províncias que nem sequer têm uma bicicleta para ciclismo de estrada. É o caso do Uíge, cuja associação, para responder ao apelo da federação, realizou o campeonato provincial na especialidade de BTT (Bicicletas Todo Terreno). Em princípio, os seus representantes terão poucas chances diante dos grandes competidores de Luanda  de Benguela, a julgar pelas marcas obtidas. Por exemplo, o campeão provincial de Luanda, Bruno André, fez 27´36 nos 20 kms no contra - relógio do campeonato provincial. Já Igor Silva, campeão de Benguela, foi mais rápido um minuto, cronometrando 26´36. Outro pormenor importante foi as médias de um e de outro: o primeiro pedalou a uma média de velocidade de 47, 366km/h e o segundo de 43, 47km/h.Huambo podeser a grande surpresa  Este ano a surpresa deve surgir do Huambo, onde de há um tempo a esta parte se faz um trabalho árduo na modalidade sobretudo nos escalões de formação. O Governo do Huambo foi dos poucos que, em 2009, brindou o associado local com um kit de material composto de quinze bicicletas de competição, que tem sido o cartão de visita do ciclismo com a disputa de competições regulares naquelas paragens. Lúcio Amaral é o actual campeão provincial de ciclismo de estrada, enquanto António Baptista é o de contra-relógio. Amaral cronometrou 2h17minutos e 34 segundos nos 70 quilómetros da prova em que obteve a sua consagração, isto a uma média de velocidade de 33, 413 Km/h , enquanto António fez 32 minutos e 10 segundos nos 20 quilómetros, a uma média de 28, 520 Kms/h, números estes que ficam muito aquém dos obtidos pelos  melhores corredores dos dois pólos de desenvolvimento no país, Lunada e Beguela. Contudo, a participação num campeonato nacional pode servir de tónico para provocar verdadeiros milagres entre os atletas.