Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Fora de Campo

Adeptos na Justiça

13 de Março, 2015

Cidadão francês teve de ir a um médico a fim de acalmar os ânimos

Os efeitos da acção de racismo dos adeptos do Chelsea podem custar caro à equipa da capital inglesa. O cidadão francês de 33 anos, Souleymane, que foi discriminado racialmente no metro de Paris por adeptos ingleses, pondera levar à Justiça os adeptos dos clubes envolvidos na partida dos quartos de final disputada em Paris, entre Chelsea e PSG.

Em entrevista à rádio RTL, Souleymane mostrou-se muito magoado pela acção e recusou o convite do Chelsea para assistir à partida realizada quarta-feira em Stamford Bridge.

"Não vou e não podem comprar-me por um pedaço de papel. Não sou uma criança, não me vou sentar ao lado de pessoas racistas num estádio", protestou Souleymane.

O francês cogitou entrar com uma representação na Justiça contra ambos os clubes.

"Continuo a ouvir as vozes das pessoas que me discriminaram por causa da cor da minha pele. Não consigo ir mais ao trabalho. Vivo com o racismo, mas foi a primeira vez que tive de ir a um médico para pedir algumas pílulas e conseguir acalmar os meus ânimos", disse.

Souleymane junta-se a muitos outros nomes que desejam pôr fim ao racismo contra negros que se assiste na Europa e noutras partes do mundo americano. "Quero que essas pessoas sejam processadas e que a justiça seja feita. O racismo tem de parar", frisou. Há algumas semanas, Souleymane foi impedido de entrar num vagão do metro, quando voltava do trabalho, por adeptos do Chelsea que se dirigiam ao Parque dos Príncipes, em França. A entoar gritos racistas, os ingleses não deixaram o cidadão francês embarcar devido à cor da pele, acção que foi filmada por um celular e percorreu as redes sociais ao redor do mundo e gerou revolta e comoção popular.


PIERS MORGAM
Derrota do Arsenal implicava cadeira eléctrica

O conhecido jornalista e adepto do Arsenal, Piers Morgan, voltou a demonstrar no Twitter até que ponto sofre como adepto do Arsenal. Apesar do "radicalismo", houve quem não o tentasse demover. Piers escreveu na sua conta pessoal no Twitter: "Deus, se o Arsenal perder logo, eu próprio vou para a cadeira eléctrica e ligo-a", não escondendo o desejo nem a importância que, como adepto dos gunners, deu ao confronto com o Manchester United. É certo que o conhecido jornalista não se sentava numa cadeira eléctrica, caso o Arsenal perdesse com o United nos quartos de final da Taça de Inglaterra.


RAFAEL NADAL
O crítico dos adeptos

Rafael Nadal criticou os protestos dos adeptos do Real Madrid após a derrota com os alemães do Schalke. O tenista e confesso admirador dos merengues entende que "os jogadores não tiveram uma má atitude". Segundo Nadla, "havia tensão e nervosismo", pelo que quando "se é assobiado" é natural que os futebolistas se sintam ainda mais nervosos". "Não entendo os assobios dos adeptos no Bernabéu", afirmou Nadal. O espanhol defende que "quem vai ao estádio deve animar a sua equipa, para que as coisas corram melhor, e não o contrário". Acrescenta ainda que "quando faltam cinco minutos para terminar o jogo e este está numa situação crítica, como espectador, o que se deve fazer é apoiar a equipa e não prejudicá-la". Apesar de reconhecer que os merengues atravessam uma fase de menor fulgor, o tenista lembra que o Real está "nos quartos-de-final e a lutar pela Liga dos Campeões, mais uma vez".