Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Fora de Campo

Andebol na TV Record

10 de Setembro, 2010

Pedro Godinho (2 esq) e Francisco de Sousa (2 dir) assinaram contrato no Hotel Tivoli

Fotografia: Jornal dos Desportos

A política de organizção administrativa e de marketing do elenco dirigido por Pedro Godinho na Federação Angolana de Andebol continua a somar pontos. Depois de coleccionar as grandes empresas públicas como patrocinadoras, chegou a vez da TV Record, do Brasil. Pedro Godinho e Francisco de Sousa, director executivo da TV Record Angola, assinaram o contrato na passada quarta-feira, no Hotel Tivoli, em Luanda. A estratégia definida para o actual mandato está a resultar a favor do desenvolvimento do andebol. Ciente das novas exigências, a presença da TV Record na cobertura integral dos jogos dos Campeonatos Nacionais de Andebol, a decorrer na cidade do Luena, província do Moxico, reflecte o prestígio que se quer dar à modalidade rainha dos troféus africanos.

Orgia com microfone

Dennis Rodman, ex-astro da NBA, voltou a aparecer de maneira indiscreta nas páginas dos jornais. Rodman participou numa orgia num hotel, "narrada" pelo próprio num microfone instalado no seu quarto, de acordo com o tabloide "New York Post". O ex-extremo de Chicago Bulls, Detroit Pistons, Los Angeles Lakers, Dallas Mavericks e San Antonio Spurs  instalou-se num quarto de hotel na cidade de Hampton Bays, no estado de Nova Iorque, na companhia de seis mulheres. Ainda de acordo com o jornal americano, Rodman agarrou num microfone no quarto para descrever o que faria com as seis em detalhes.

Um hóspede do hotel disse que era possível escutar tudo nos outros andares do prédio. Os responsáveis pelo hotel, também segundo a testemunha ouvida, teriam conseguido desligar o microfone antes da descrição ficar mais "picante". O empresário de Rodman, Darren Prince, disse que o ex-atleta "não sabia que o microfone estava ligado". Confirmando o incidente, Prince reconheceu também que o ex-jogador "tomou alguns drinques" no quarto de hotel.

A MVP pela terceira vez

A australiana Lauren Jackson conquistou um grande feito na noite de ontem. Na premiação dos melhores da liga americana feminina de basquetebol, a atleta foi eleita, pela terceira vez, a jogadora mais valiosa (MVP) da época. Jackson também conquistou o troféu em 2003 e 2007. A jogadora recebeu o prémio antes da primeira partida das finais da Conferência Oeste, contra o Phoenix Mercury. Na mesma ocasião, o técnico do Seatle Storm, Brian Agler, conquistou o título de Melhor treinador do ano. Com 1,96 m, a extremo australiana manteve uma média de 20,5 pontos e 8,3 ressaltos na actual época, números que garantiram 26 vitórias em 34 jogos para o Storm, melhor resultado na história da equipa. Em 2003, Jackson foi a primeira estrangeira a receber o título de MVP.

Embaixador na Índia

O bi-campeão da NBA com o Los Angeles Lakers, o poste espanhol Paul Gasol viajou para Mumbai e Delhi entre os dias 23 e 28 de Agosto, para divulgar a NBA na Índia. Foi a primeira vez que um campeão do basquetebol norte-americano viajou para aquele país para realizar actividades organizadas pela própria NBA. Gasol seguiu os passos de Dwight Howard, o poste do Orlando Magic, que visitou Bangalore e Delhi nos primeiros dias do mesmo mês. "Sempre quis visitar a Índia e estou muito contente de representar os Lakers e a NBA num país, onde o basquetebol está em crescimento", comentou o espanhol.

A divulgação da modalidade é também responsabilidade dos atletas mais conhecidos, defendeu Gasol. "Como jogador internacional dentro da NBA, sei o meu papel para que o básquete cresça globalmente; isso é muito importante e ficaria encantado em enfrentar um jogador da Índia na NBA algum dia", acrescentou. O poste levou na bagagem o troféu Larry O’Brien, que o credencia como último campeão da liga profissional americana e participou numa série de pequenas aulas em Mumbai com participantes do Mahindra NBA Challenge, a primeira liga comunitária de básquete na Índia.

Sem medo da morte

A Alemanha faz a festa para o "Kaiser" que completou, ontem, 65 anos de idade. Campeão do mundo, em 1974, Franz Beckenbauer é, junto com o brasileiro Zagallo, o ex-jogador a conquistar o Campeonato do Mundo como técnico, no seu caso, em 1990. Um dos nomes mais importantes do futebol, Beckenbauer mostrou estar bem-humorado e a aproveitar a vida, em entrevista ao jornal "Bild", mas sem deixar de cuidar de si. "Antes, com a minha idade, os homens tinham uma barriga enorme, mas isso mudou totalmente nos tempos actuais", afirmou. "Às vezes, tenho uma dorzinha aqui ou ali, mas não me sinto muito diferente de quando tinha 50 ou 60 anos. Nunca tive dificuldade em chegar à terceira idade", acrescentou.

Beckenbauer disse que o segredo para estar em "boa forma" se deve à prática de actividades físicas como golfe, caminhadas e hidroginástica. Embora sinta que "a máquina" esteja "um pouco mais lenta", o ex-jogador garantiu não se sentir aposentado, tanto pelas suas actividades extra-campo como pelo facto de não receber aposentação. Beckenbauer afirmou que a cada dia pensa na morte, mas "sem ter medo", e que reza diariamente, não para pedir alguma coisa, mas "para agradecer pela vida” que tem e que muito poucos "podem desfrutar". "Não sei se algum dia me encontrarei lá em cima com Deus, mas não acho que tudo o que existe no mundo seja uma coincidência; existe uma força superior", disse.