Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Fora de Campo

Mangol deu n

28 de Julho, 2012

Mangol e Aleluia (ao centro) com os padrinhos

Fotografia: M.Machangongo

Com o pensamento na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos, o técnico de equipamentos do Interclube, Agostinho de Almeida, contraiu ontem matrimónio com Maria Aleluia de Almeida, na 7ª Conservatória do Registo Civil e na Igreja Mundial do Poder de Deus, localizado no bairro São Paulo, em Luanda. Conhecidos por Mangolé e Aleluia, o casal vive junto há oito anos, tem quatro filhos (todos rapazes) e resolveu oficializar a relação perante os familiares mais próximos. O especialista de equipamentos do Interclube escolheu para padrinho João Arsénio “Túbia”, antigo craque da equipa e actual técnico-adjunto de Bernardino Pedroto no Interclube. Mangolé está no futebol há sensivelmente 12 anos, tendo já assumido as mesmas funções nos Palancas Negras. Sempre sorridente, Mangolé confidenciou a Fora de Campo estar a viver uma excelente fase da sua vida, que espera aproveitar da melhor forma ao lado da sua esposa, a quem jurou amor e fidelidade, tal como se tem mantido nos últimos tempos na relação com o clube da Polícia Nacional. O que não foi revelado é a “praia e o hotel” oferecidos pelo padrinho Túbia para a passagem da lua-de-mel. Fora de Campo deseja ao casal muita felicidade e que comece, agora, a grande corrida de fundo para a busca da menina ou meninas…

ANTÓNIA DE FÁTIMA
A esperança de Angola


Com a abertura ontem dos Jogos Olímpicos de Londres’2012, a esperança dos angolanos está centralizada em Antónia de Fátima. A judoca angolana é terceira medalhista do campeonato do mundo realizado na Roménia. O sucesso obtido em Bucareste torna-a numa das atletas a abater pelas adversárias. Mas a crença no título é uma certeza que a levou a Londres. A concretizar o sonho, Angola inscreveria pela primeira vez o nome na lista restrita de medalhistas olímpicos, 37 anos depois da independência nacional. Um privilégio que só as mulheres angolanas podem oferecer. Integrada na maior delegação olímpica nacional de sempre, com 34 atletas, Faia, como também é conhecida, foi a porta-bandeira da delegação e faz parte do grupo dominante do grupo: 29 mulheres contra cinco homens, estes últimos em representação de canoagem (2) boxe (1), natação (1) e atletismo (1). Angola compete pela oitava vez nos Jogos Olímpicos, depois de se ter estreado em Moscovo’80, Seul’88, Barcelona’92, Atlanta’96, Sydney’2000, Atenas’04 e Pequim’08.

MICHELLE OBAMA
Almoço com atletas

A Primeira-Dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, deu ontem os cumprimentos em Londres aos atletas da equipa olímpica do seu país e desejou que os desportistas “se divirtam” e que “vençam” os Jogos Olímpicos da capital britânica. A mulher do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, participou num almoço com a delegação americana, tirou fotos com os atletas e distribuiu abraços, antes da cerimónia de abertura. Michelle compartilhou com os desportistas uma recordação familiar ao comentar como o seu pai, um homem atlético que sofria de esclerose múltipla, quando se encontrava “no melhor momento da sua vida”, manteve sempre “a sua paixão pelo desporto”.


MARIANA E PACAVIRA

Aniversariantes dos Jogos


Festejar o aniversário natalício no dia de abertura dos Jogos Olímpicos pode ser privilégio de poucos atletas. A delegação angolana foi bafejada ontem com aniversários do canoísta Fortunato Pacavira, maior referência de Angola em Pequim’2008 ao atingir as meias-finais, e Maria Henriques, nadadora especializada nas provas de 50 metros livres. O canoísta completou 34 primaveras, enquanto a nadadora festejou o 18º aniversário. Se Fortunato Pacavira vai na sua segunda experiência em Jogos Olímpicos, Mariana Henriques faz a estreia. Do seu currículo consta a participação nos Jogos Olímpicos da Juventude em Singapura. Fora de Campo deseja aos dois muita felicidade. Parabéns.

DUARTE FERREIRA
Brilho no pedal americano


O piloto angolano de Fórmula Indy Light e Nascar, Duarte Ferreira, voltou a ser destaque na imprensa norte-americana ao ficar entre os 50 melhores tempos da mítica prova de ciclismo de Indianápoles, disputada no último sábado, com o tempo de 7h34m nos 260 km, no percurso entre Terre Haute e Richmond. O facto de Duarte Ferreira participar pela primeira vez na prova que junta desportistas de várias modalidades todos os anos e efectuar o melhor tempo de Sub-20, entre 1700 participantes, demonstra atravessar uma boa etapa desportiva, do ponto de vista físico, o que deixa antever bom resultados nas competições em que está inserido. Analistas referem que o resultado de Duarte Ferreira na mítica prova deixa uma marca histórica, uma vez não se tratar de um ciclista. “Foi um desafio muito interessante, apesar da falta de experiência.