Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Fora de Campo

Menino-Messi foge para Paquistão

09 de Maio, 2016

Menino-Messi foge para Paquistão

Fotografia: AFP

Murtaza Ahmadi, o garoto afegão de cinco anos que ficou conhecido mundialmente após ter uma foto viralizada na internet, na qual veste uma camisa “caseira” de Lionel Messi, teve de se mudar com a sua família para o Paquistão. O motivo foi a recorrência de ameaças de sequestro ao menino.“Amo Messi. Ele é o rei”, afirmou Murtaza à BBC, agência de notícias internacional. O caso do garoto, que vestia uma camisa da selecção da Argentina feita de plástico azul, chegou ao jogador. Messi, em resposta, enviou-lhe duas camisas oficiais autografadas, além de uma bola de futebol.

“Alguns dias atrás, recebi uma ligação de um criminoso local. Pensou que, como o meu filho recebeu estes presentes de Messi, talvez tenha recebido dinheiro, também, e pediu uma parte”, contou Arif Ahmadi, pai de Murtaza.A família teve de deixar a província de Ghazni, no Afeganistão, pois a situação era muito arriscada para o menino. Agora, em Quetta, após o pedido de asilo ao ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), esperam a oportunidade de uma vida melhor, apesar de viverem oito pessoas apertados num único quarto.

Enquanto isso, Murtaza foge dos paparazzis e pratica as suas habilidades futebolísticas, esperando um dia poder conhecer o seu herói. O embaixador da Unicef já afirmou apoiar um encontro entre os dois. Ademais, no início do ano, a associação de futebol afegã prometeu reunir o garoto e o craque, seja no Afeganistão, na Espanha ou noutro país.“Messi, você sabe o quanto te gosto. Agora, quero que me convide para que possa te conhecer”, esta é a mensagem do fã para o camisa 10 do Barcelona.

JORDAN PARSONS
Polícia dos EUA
prende motorista


O Departamento de Polícia de Delray Beach prendeu o motorista acusado de atropelar e matar o lutador do Bellator Jordan Parsons. O atleta de 25 anos não resistiu aos ferimentos decorrentes do acidente e morreu na última quarta-feira (4).O motorista de 28 anos, de nome Dennis Wright, foi preso depois de seis dias de investigação. De acordo com o Departamento de Polícia de Delray Beach, já havia tido a sua habilitação suspensa por seis vezes e foi acusado de diversos crimes, incluindo ao deixar a cena de um crime causou a morte. Os investigadores apreenderam o Range Rover utilizado por Wright no acidente.

"Uma testemunha disse aos investigadores que Wright dirigia entre 160 e 190 km/h, quando atropelou Parsons, que estava a atravessar a rua. Parsons estava com fones de ouvido e pode não ter escutado o veículo a aproximar-se", afirmou as autoridades em nota oficial.O Departamento de Polícia afirma, ainda, que Wright tentou reparar os danos causados no veículo, mas a oficina recusou o trabalho. Após isso, alugou um armazém para esconder o carro. O nome de Wright foi dado às autoridades por meio de um informante anónimo.

O atropelamento aconteceu no dia 1 de Maio e Parsons foi encaminhado para um hospital de Delray Beach. Foi necessário amputar a perna e ser submetido a uma esplenectomia, que é a remoção cirúrgica, completa ou parcial, do baço. Na quarta-feira, não resistiu aos ferimentos e morreu.Jordan Parsons estava no Bellator desde abril de 2014. Fez três lutas pela organização, venceu duas vezes e foi derrotado no seu último combate, contra Bubba Jenkins. O lutador de 25 preparava-se para participar do Bellator 154, marcado para o dia 14 de Maio.