Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Fora de Campo

Ministério oferece bolsa a atleta apanhado no doping

07 de Fevereiro, 2015

Atleta foi apanhado no exame antidoping antes do Mundial de piscina curta no Qatar

Fotografia: AFP

O Diário Oficial da União trouxe na edição de quinta-feira, dia 5, o nome do nadador João Gomes Júnior como um dos beneficiários do programa Bolsa Pódio do governo federal. Mas o atleta foi apanhado no exame antidoping antes do Mundial de piscina curta, realizado em Dezembro, em Doha, no Qatar.

O caso foi divulgado de forma extra-oficial em 19 de Janeiro. A FINA (sigla em inglês para federação internacional de natação) e CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) não informaram sobre qual substância  encontrada na urina de Júnior. A única informação é de que se  tratava de um diurético, comumente utilizado para mascarar o uso de substâncias que ajudem na performance do atleta. A data do julgamento ainda não foi divulgada.

A CBDA já colocou o advogado Marcelo Franklin para defender o atleta Júnior. Até que haja o julgamento, o nadador pode receber os cinco mil reias mensais a que tem direito pela Bolsa Pódio, do que é beneficiário desde 2013. O programa foi criado para apoiar directamente atletas com chances de medalhas nos Jogos do Rio-2016 e conta com 235 contemplados no desporto olímpico e paralímpico.

“O ministério precisa de esperar a decisão sobre eventual punição do atleta. De acordo com a Lei 10.891 – alterada pela Lei 13.051 –, o atleta deve sofrer a punição apenas se estiver a cumprir a penalidade/suspensão imposta por tribunal de justiça, em sentença transitada em julgado (quando não houver mais possibilidade de recursos judiciais)”, explicou o Ministério do Desporto. “Ainda não recebemos o comunicado da CBDA sobre este caso”, completou, em comunicado.

O Brasil corre o risco de perder todas as medalhas que Júnior disputou em Doha. Ele integrou as provas de estafecta 4x50 m medley, 4x100m medley e 4x50m medley misto.

Se o atleta for considerado culpado e acabar punido, o Brasil pode perder as três medalhas, ainda que ele tenha feito parte da equipa apenas nas eliminatórias. Desta maneira, o Brasil ia  perder também o título da competição.


Da “Sports Illustrated”
Hannah Davis seduz na capa


A belíssima Hannah Davis foi a manequim eleita para figurar na capa deste ano da edição de fatos de banho da Sports Illustrated. A produção da conceituada revista surpreendeu a norte-americana e contou-lhe, durante um programa de televisão, que tinha sido a escolhida para deslumbrar na primeira página. Quando descobriu, a loira emocionou-se e ficou em lágrimas. “Estou a tremer, é um sonho tornado realidade”, referiu a namorada do antigo jogador de beisebol Derek Jeter. Ninguém pode ficar indiferente à capa da conceituada publicação, onde se pode observar a invejável silhueta da jovem modelo, que chega às bancas na segunda-feira. A manequim russa Irina Shayk, antiga namorada de Cristiano Ronaldo e Kate Upton já foram as estrelas da SI em edições anteriores...


Futebol
 Ex-lixeiro vira jogador profissional

A Copa do Brasil é uma competição marcada pelas zebras e pelos jogadores desconhecidos que viram sensação, como Cícero Ramalho, Valdiran e Bizú, só para citar três. Na edição deste ano, um dos candidatos à surpresa chama-se Sidevaldo Bispo dos Santos, tem 24 anos e joga no Real Noroeste Capixaba, clube do Espírito Santo fundado em 2008. Titular absoluto do Real Noroeste, o atleta tem uma trajectória épica na chegada ao futebol profissional. Saiu de casa ainda na adolescência em busca de trabalho e só se tornou jogador mesmo aos 23 anos, muito mais tarde do que seus companheiros de equipa, por exemplo. Entre os cargos desempenhados antes de virar profissional de futebol, trabalhou em construção, como lixeiro. Também foi mecânico, apesar de não ter nem carta de condução