Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Fora de Campo

Neymar é um monstro

09 de Junho, 2015

Na temporada 2014/2015, foram 51 jogos pelo clube catalão e 39 golos

Fotografia: AFP

 Em 2010, preocupado com o comportamento prepotente de Neymar, René Simões disse que o Brasil estava a criar um monstro. O treinador tinha certa razão, mas Neymar era um menino de 18 anos,  rico, famoso e que tinha de encontrar o equilíbrio natural das coisas e da maturidade diante de uma realidade ímpar.

Os anos passaram e o que se viu foi uma condução de carreira perfeita, tanto do ponto de vista de marketing, como do ponto de vista técnico e aos 23 anos de idade, o jogador já colecciona títulos e desempenhos impressionantes. Quando foi para o Barcelona, não foram poucos os que desconfiaram, mas Neymar foi extremamente inteligente ao unir-se imediatamente ao melhor jogador do mundo com admiração. Ao elogiar Messi em todas as entrevistas e tê-lo como espelho, o brasileiro ganhou o principal aliado  tanto em campo como fora. Estava ali pavimentado um caminho brilhante e sólido de conquistas.

São três títulos paulistas pelo Santos, além de Copa do Brasil, Recopa e Libertadores pelo alvinegro praiano. Soma-se também os títulos da Supercopa, da Copa do Rei, do Campeonato Espanhol e da Liga dos Campeões pelo Barcelona, marcou golos em todos os jogos dos quartos -de -final, semifinal e final. Conquistou também uma Copa das Confederações pela selecção.

Na temporada 2014/2015, foram 51 jogos pelo clube catalão e 39 golos. No total da carreira, tem aos 23 anos, 233 golos por clubes e selecção, muito mais do que tinham nessa idade, Messi e Cristiano Ronaldo, para usar dois exemplos contemporâneos.