Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

A frica tem grande potencial humano

?lvaro Alexandre - 05 de Setembro, 2017

Kirsan Ilyumzhinov promete revolucionar o xadrez mundial

Fotografia: AFP

Na qualidade de patrono, que contributo a Fundação Kirsan Ilyumzhinov pode dar aos africanos?
O projecto para o desenvolvimento do xadrez em África, abraçado pela Fundação Kirsan Ilyumzhinov, com sede na cidade inglesa de Londres, tem como primeiro objectivo a implementação da representação.  A África do Sul foi escolhida para albergar a sede continental desta fundação.  Acredito que, ainda este ano, vamos ter a instituição a funcionar. Falta apenas resolver alguns detalhes de âmbito administrativo. A minha organização é de carácter humanitário e já tem aprovado 550 mil dólares para financiar projectos viáveis para o desenvolvimento do xadrez em África. A sua disponibilidade é imediata. Apenas pretendemos que as federações africanas apresentem projectos credíveis.

Qual é a dimensão de assistência da sua fundação aos países eleitos e  quais são os principais vectores?
O projecto tem uma abrangência global, sem exclusão de nenhum país membro da Federação Internacional de Xadrez (Fide). O mais importante é aceitar com rigor as finalidades impostas pela instituição central, com monitorização em Londres.  A verba vai ser aplicada para financiar os programas de implementação geral do xadrez em todas as escolas, nas comunidades e no seio familiar. O mesmo vai ser em todos os níveis e escalões. Estes são os três principais vectores .

Do valor a disponibilizar, qual é o alcance definido pelo investimento?
A nossa ideia é alcançar a cifra de um mil milhão de xadrezistas em todo o planeta. Pretendemos alcançar o número de geração de intelectuais de todo o mundo. Portanto, temos a árdua missão de formar essa cifra de xadrezistas nos próximos anos. O objectivo é igualar ou superar a classe dos intelectuais da população mundial.

Que garantias há com o lançamento do projecto, num continente com inúmeros problemas sociais e uma demografia desajustada?
A África tem um grande potencial humano. A população é estimada em aproximadamente 600 milhões de habitantes. Pretendemos que grande parte dela seja praticante do jogo-ciência. A parte restante vai ser mobilizada noutros continentes, porquanto é um projecto abrangente e sem exclusão.

Que interesses há por detrás do desenvolvimento do xadrez no continente africano?
Um dos meus grandes objectivos é deixar a presidência da Federação Internacional com um atleta africano melhor do mundo. Temos africanos talentosos em xadrez, matemática, física e química. Vai ser um orgulho para o continente e o mundo inteiro ter um africano campeão mundial individual absoluto, destronando o reinado do Grande Mestre norueguês Magnus Carlsen. A Fundação Kirsan vai marcar um passo para atingir este objectivo.

EDIÇÂO 2022
África acolhe Olimpíadas Mundiais 

Os seus antecessores nunca se mostraram interessados com o continente africano, como pretende demonstrar. No seu programa de trabalho consta a realização de uma fase final das Olimpíadas Mundiais de Xadrez em África?
A Federação Internacional de Xadrez é uma organização desportiva de todos os filiados. Como já se tornou prática noutros continentes, também vai brindar pela primeira vez a África com a organização das Olimpíadas Mundiais de Xadrez de 2022. Já realizámos inúmeras vezes na Europa, Ásia e América. Creio não haver nenhum obstáculo ao trazermos a competição à África.

O estudo realizado pela Fide dá garantias de que a África tem capacidade para acolher um evento gigantesco como é as Olimpíadas?

O continente africano está capacitado para albergar uma competição internacional da dimensão das Olimpíadas Mundiais de Xadrez. Para a edição de 2022, recebemos duas candidaturas: uma da Zâmbia e outra do Zimbabwe. O último pais organizou e muito bem o Campeonato Africano Individual das Escolas.

Já existe uma decisão consumada para a atribuição da primeira edição das Olimpíadas Mundiais no continente africano?
No âmbito da análise das melhores candidaturas, reuni em Junho, na Zâmbia, com o ministro dos Desportos e os seus parceiros. O mesmo exercício realizei também no dia 21 de Agosto, em Harare, com o vice-presidente zimbabweano, Emerson Mnangagwa, e os ministros dos Desportos, Educação e de Turismo. Como aconteceu na Zâmbia, após a conclusão da visita dos recintos que possivelmente vão albergar a competição e os seus participantes da edição de 2022, teci alguns elogios onde está perfeito e deixei algumas orientações para as melhorias dos aspectos que estiveram mal. Em síntese, os dois países estão de parabéns. As propostas vão ser reavaliadas pelo Comité de organização de eventos da Fide. Depois das discussões e análises pormenorizadas, só assim vamos decidir a quem atribuir as Olimpíadas Mundiais de Xadrez de 2022.

GARANTIA DO PRESIDENTE DA FIDE
Angola vai formar atletas na Rússia

Que comentário se lhe oferece fazer sobre o xadrez angolano, uma vez que é o líder da instituição mundial?
Conheço a realidade do xadrez angolano e também visitei o vosso país; tem tradição na modalidade. A Federação Angolana de Xadrez está muito bem instalada e com muitos talentos. Com algum apoio, pode crescer mais. A Fide está atenta aos  desenvolvimentos que Angola está a ter. Sei que enfrenta enormes dificuldades para manter os níveis alcançados. Seguramente, o país vai beneficiar, ainda este ano, de um seminário que visa a formação de formadores de treinadores, monitores e atletas praticantes.

Já estão identificado os prelectores que vão transmitir os conhecimentos aos angolanos e que incentivo existem para atrai-los?
Brevemente, vamos enviar ao vosso país um GM russo, professor dos professores, para formar treinadores locais. Além da acção formativa, o categorizado técnico russo vai também ser o responsável pela preparação de todas as selecções de Angola.
E sobre os incentivos... A formação dos atletas angolanos não vai ser realizada apenas no país africano. A Federação Internacional de Xadrez tem disponível cinco bolsas de estudo para Angola. Cabe as autoridades angolanas seleccionarem os candidatos com valências. Os xadrezistas seleccionados vão ser formados na Rússia. Até Dezembro do ano em curso, o expediente deve ser concluído. No próximo ano, a formação entra em acção.

RECANDIDATURA
Milionário da Kamykia
recebe apoio de Putin


O milionário da República da Kamykia preside à Federação Internacional de Xadrez desde 1995 e pretende manter-se no cargo para mais um mandato a fim de acompanhar a conclusão de alguns projectos. Kirsan Ilyumzhinov garante manter a direcção, em que consta o angolano Aguinaldo Jaime, vice-presidente da FIDE para África e ex-presidente da Federação Angolana de Xadrez.

A sua recandidatura ao cargo de presidente de direcção da FIDE tem apoio assegurado?
Sou cidadão russo e devo obediência ao Presidente Vladimir Putin. Estou motivado pelo facto de o nosso Chefe de Estado ter me autorizado a concorrer para mais um pleito eleitoral da Fide, que vai ser realizado na próxima Assembleia Geral a acontecer em 2018, em Batumi, Geórgia. 

PERFIL
O deportado que dá xeque-mate

Kirsan Nikolayevich Ilyumzhinov nasceu a 5 de Abril de 1962. É um empresário e político multi-milionário de Kalmyk. Foi o presidente da República da Kalmykia na Federação Russa de 1993 a 2010. Actualmente, é o presidente da FIDE (Federação Internacional de Xadrez) desde 1995. Também esteve na vanguarda da promoção do xadrez nas escolas da Rússia e no exterior. É o fundador da editora Novy Vzglyad. Em 25 de Novembro de 2015, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos inscreveu-o na lista negra  por "assessorar e agir de forma substancial em nome do Governo da Síria, Banco Central da Síria, Adib Mayaleh e Batoul Rida". Devido a essas sanções, em 6 de Dezembro de 2015, Ilyumzhinov retirou-se de qualquer operação legal, financeira e comercial da FIDE até o momento em que foi retirado da lista. Em 27 de Março de 2017, a FIDE anunciou que Ilyumzhinov renunciou como presidente, mas o próprio Ilyumzhinov negou isso.

VIDA PESSOAL
Ilyumzhinov nasceu em Elista, Kalmykia. O seus pais estavam sujeitos às deportações de Kalmyk de 1943, quando toda a população local foi deportada para a Sibéria. A família de Kirsan teve um registo impecável na luta contra os alemães (recebeu o nome de um tio-avô que serviu no Exército Vermelho durante a Guerra Civil Russa e cometeu suicídio após ter sido ordenado a executar um grande número de brancos capturados). Cresceu em Elista, depois que os Kalmyks foram autorizados a regressar, após a morte de Stalin. Desde a idade jovem, interessou-se pelo xadrez e ganhou o campeonato nacional de Kalmykian em 1976 aos 14 anos. De 1979 a 1980, Ilyumzhinov trabalhou como mecânico na fábrica de Zvezda em Elista. Depois de servir dois anos o exército soviético, voltou à fábrica como mecânico por um ano e depois estudou nas Relações Exteriores do Instituto Estadual de Moscovo de 1983 a 1989. Entre 1989 e 1990, foi gerente de vendas na empresa automobilística "Liko-Raduga" em Moscovo e, de 1990 a 1993, foi presidente da SAN Corporation em Moscovo. Ilyumzhinov adquiriu a sua riqueza com o surgimento do sector privado após o colapso da URSS. Kirsan é casado com Danara Ilyumzhinova  e têm um filho, David. Ilyumzhinov também tem dois irmãos: Sanal e Vyacheslav. Além de seu Kalmyk nativo e russo, é fluente em inglês, japonês e um pouco coreano, mongol e chinês.

EXPERIÊNCIA UFO
Ilyumzhinov chamou a atenção mundial por alegar que, em Setembro de 1997, foi tirado do seu apartamento por alienígenas e viajou na sua nave espacial, visitando outro planeta.Afirma que três dos seus funcionários procuraram-no no seu apartamento durante a sua "ausência" e não o encontraram. Depois não conseguiram explicar como reapareceu no seu quarto uma hora depois.

CARREIRA POLÍTICA
Em 12 de Abril de 1993, Kirsan Ilyumzhinov foi eleito primeiro presidente da República de Kalmykia e permaneceu presidente até 2010. Logo após a sua eleição, Ilyumzhinov introduziu o governo presidencial, concentrando o poder nas suas próprias mãos. Convocou eleições antecipadas em 15 de Outubro de 1995 e foi reeleito sem oposição: desta vez por um período de 7 anos. Ganhou a reeleição em 2002. A plataforma eleitoral de Ilyumzhinov para a presidência de Kalmykia incluiu eleitores promissores de 100 dólares cada e um telefone móvel para todo pastor: grande parte da população de Kalmykia vive da agricultura.

Uma vez, fez a campanha sob o slogan "um presidente rico é uma salvaguarda contra a corrupção". Também prometeu apresentar o que chamou de "ditadura económica" na república, bem como continuar a promover o xadrez em Kalmykia, na Rússia e no mundo em geral. Depois da sua reeleição em 1995, Ilyumzhinov teria dito a um jornalista do jornal russo Izvestia: "Independentemente do que digo às pessoas, dou-lhes instruções num nível subconsciente, um código. Faço o mesmo quando me comunico com cidadãos russos de outras regiões.

Estou a criar em torno da república uma espécie de campo extra sensorial que nos ajuda muito nos nossos projectos ". Ilyumzhinov gastou milhões de dólares em xadrez. Construiu uma igreja católica, depois de uma visita ao Papa João Paulo II. Diz que também construiu uma mesquita, uma sinagoga, 22 igrejas ortodoxas e 30 templos budistas. O xadrez foi sujeito obrigatório nos primeiros três anos do ensino fundamental: o único lugar no mundo onde é esse o caso.

A região agora tem vários campeões. O 14º Dalai Lama visitou Kirsan Ilyumzhinov em muitas ocasiões e abençoou uma série de templos em Elista, bem como templos budistas de Kalimk no exterior. Ilyumzhinov nega acusações persistentes de desviar os recursos da república para o seu próprio uso (na verdade não gera um salário como presidente) e de reprimir a liberdade de media.