Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

"A nossa poca foi negativa"

26 de Dezembro, 2014

Treinador de futebol de salo perspectiva boa poca no prximo ano

Fotografia: Nuno Flash

O treinador da equipa de futebol de salão das Estrelas do Palácio, Hélio Medeiros, considerou negativa a prestação do seu plantel na última época, pois não foi capaz de atingir os objectivos, quer nas competições provinciais, como nas nacionais.
 
Hélio Medeiros afirmou que depois de identificar o que esteve mal na época de 2014, nomeadamente a vertente de treinos, para a época 2015 pretende inverter o quadro com a aposta na formação.

O técnico da formação huílana assegura conquistar o Campeonato Provincial do próximo ano, é o grande objectivo da equipa na nova época, para que possa estar novamente presente no “nacional” em seniores masculino.

Terminou mais uma época desportiva para o futebol de salão na Huíla. As Estrelas do Palácio, pelo que se pode constatar, tiveram um ano sem grandes conquistas. É esse também o vosso entendimento? 
Com certeza. Por isso, o balanço que fizemos não é positivo. Podemos dizer que nós, Estrelas do Palácio, um dos objectivos que tínhamos para época não alcançámos. Fomos finalistas da Taça da Huíla, mas perdemos no jogo decisivo, porém, beneficiamos da irregularidade do adversário. A classificação no Campeonato Provincial, cujo objectivo era vencer, não concretizamos. Classificamo-nos em segundo lugar.

Mas a vossa equipa acabou por melhorar a classificação no Campeonato Nacional...

Sim, melhoramos a nossa classificação com relação ao Campeonato Nacional da edição passada, mas não naquilo que era a nossa perspectiva para 2014. Também não conseguimos chegar à final da Taça de Angola. Então, podemos balancear como negativo aquilo que eram as intenções das Estelas do Palácio para este ano.

Com base nisso, o que se perspectiva para época de 2015?

Em 2015, os objectivos são aqueles que não alcançamos este ano, que passam em sermos campeões provinciais, sendo a competição que nos dá acesso ao Campeonato Nacional. Garantir presença na fase nacional da Taça de Angola, para podermos chegar à final, é também outro nosso grande objectivo.

A nível do Campeonato Nacional temos já uma equipa com potencial para ombreamos com as demais do país . Então, vamos é trabalhar melhor, nos organizarmos da melhor forma para que em 2015 tenhamos êxitos. Já conseguimos identificar as partes que estiveram mal na época de 2014, nomeadamente a vertente de treino desportivo.

O que quer com isso dizer?
Quero dizer que às vezes olhamos apenas para a parte competitiva em detrimento da administrativa. Verificamos que a preparação em determinados períodos foi deturpada com a ausência de treinadores. A equipa foi para o Campeonato Nacional sem direcção, o treinador e o presidente do clube não estavam. Por isso, a equipa foi à sua mercê. Com esses aspectos e outros administrativos em dia, as Estrelas do Palácio vão melhorar.


ÉPOCA DE 2015
“Queremos vencer a Taça Amizade”


A Federação Angolana de Futebol de Salão (FAFUSA) vai incluir no calendário de provas da próxima época o Torneio Taça Amizade, evento organizado anualmente pelos aficcionados da província de Benguela.

Que comentário se lhe oferece fazer?

Para nós não é uma competição nova. Podemos dizer que somos abençoados porque a nível das competições nacionais, as nossas relações com os demais clubes na organização do futebol de salão são boas. Temos tido esta permuta e sorte de sermos sempre convidados a participar na Taça Amizade. Também temos um objectivo nesta prova, que é chegar à final e ganhar. É uma competição que enriquece o futebol de salão pela organização e pessoas que estão à frente da promoção daquele evento desportivo. Então, as Estrelas do Palácio só deve dizer que a Huíla devia copiar essa organização, apesar de não ser a Associação Provincial de Futsal de Benguela, mas é um grupo de pessoas que amam e gostam da modalidade, daí terem criado e deram a ideia e implementaram. Então, a Huíla deve copiar bem do que inventar mal.

Como vai o projecto de massificação que as Estrelas do Palácio desenvolvem de um tempo à esta parte?As estrelas do Palácio começaram a trabalhar no projecto em 2013, porém, só se efectivou este ano. Actualmente contamos com 40 atletas, sendo 15 dos oito aos 13 anos e 25 dos 14 aos 16 anos.

Porquê da aposta em crianças dos 14 aos 16 anos de idade?

Estamos numa perspectiva de começar a preparar jovens para a renovação do plantel. E sabe que a Estrela do Palácio é uma equipa do topo nacional. Então, temos que ter já jogadores preparados para entrar para a equipa principal.

Temos de contar com as dispensas, temos de contar que os nossos jogadores não são profissionais, estão a  formar-se em várias áreas do saber,  a qualquer altura podem deixar de jogar, então temos de nos prevenir. Temos jogadores com 17 anos e já começam a integrar a equipa sénior para competir a nível provincial. Temos também jogadores, dez no total,  na fase terminal de transição dos 16 para 17 anos.


FUTSAL NA HUÍLA
Treinador elogia crescimento


A província da Huíla é a que maior número de equipas, 17, inscreveu na última época do futebol de salão nacional. Como treinador da modalidade o que representa isso para a região?
É motivo de satisfação saber que durante a época desportiva de 2014, a Huíla foi a província com o maior número de formações inscritas. A província possui 18/19 equipas, por isso a associação teve que dividir o Campeonato Provincial em primeira e segunda divisão, com intenção de dar um nível competitivo melhor.

E houve ganhos com isso?

Não foi possível porque as equipas do futsal na Huíla não estão viradas para o treino e organização, bem como para o campeonato nacional, mas para um campeonato de diversão. Daí que isto dificulta muito o nível competitivo. Qualidade em termos de atletas temos bastante. Em todas as equipas encontramos jogadores com bastante qualidade, mas o objectivo da própria equipa não exterioriza essa qualidade. Então, passamos para futebol de salão de diversão. Temos dois a três jogos bons numa época e quando chegamos ao Campeonato Nacional, não temos nível competitivo. As equipas não ganham ritmo necessário.

Como estão a preparar a vossa participação no Campeonato Nacional infanto-juvenil que a Huíla vai acolher no próximo ano?

Para o Campeonato Nacional infanto-juvenil estamos a incutir nos petizes aquilo que é o pensamento da equipa e do clube (Estrelas do Palácio). Queremos ganhar o campeonato. Lutamos para o Campeonato Provincial, apesar de a competição não ter sido bem organizada, para podermos encontrar um vencedor. Vamos entrar para o primeiro "nacional" para ganharmos a competição.


RELAÇÃO APFS E CLUBES
Medeiros reprova associação

Que avaliação faz da relação entre os clubes, equipas e Associação da modalidade?
Quanto à relação entre a Associação e clubes ou equipas, acreditamos que temos estado a constatar que não há transparência de gestão na vertente desportiva por parte da associação.

Porquê?
Porque a Associação, para tomar decisões, primeiro vê quem é o infractor e depois os laços de amizade implicam bastante nestas decisões, o que tem estado a influenciar bastante. Por outra, temos uma associação que não reúne, que não fala a mesma linguagem, não prepara os recintos de jogos para competição, uma associação cuja arbitragem anda descontente, a julgar pelos prémios que recebem; temos uma associação em que o presidente faz um esforço, o secretário-geral não existe, o vice-presidente não aparece, a comissão técnica não funciona, enfim.

Quer com isso dizer que os órgãos da APF de Salão da Huíla não funcionam...
A comissão de disciplina, felizmente na época que terminou, fez-se sentir na pessoa do senhor Tony. Realmente foi uma pessoa que mesmo estando distante, tomou decisões muito acertadas e foi firme nas suas decisões. Isso é bom porque demos conta que a nível da associação não há consenso, mas sim há um contra-senso no seu seio. Acredito que deviam melhorar este aspecto, porque também têm estado a lutar para a melhoria do futebol de salão na Huíla.