Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Antigo lateral direito do Petro hoje seccionista do clube

Augusto Fernandes e Joo Francisco - 29 de Agosto, 2012

Oliveira, foi lateral direito do Petro de Luanda desde os Juvenis a Seniores

Fotografia: Jornal dos Desportos

Hoje, com 40 anos de idade, Guilherme Armando Neto, ou simplesmente Oliveira, foi lateral direito do Petro de Luanda desde os Juvenis a Seniores, entre 1998 e 1996, tendo jogado quatro épocas na equipa principal com jogadores como Jesus, Lúcio, Rasgado, Luís Cazengo (Luizinho), Quim Sebas, Wilson, Felito, Chico Dinis, Betinho e Avelino. Entre as conquistas destacam-se as três vezes em que foi campeão nacional, tendo o mesmo número de taças de Angola e Supertaças. No Petro de Luanda, ser lateral direito é sinal de grande valor, como Nejó, Bodunha e Renato.

Oliveira começou a jogar futebol amador nos “Caçulinhas da Bola”, pelo Grupo Desportivo da Combal em 1985 e teve como treinador Mister Beto, coadjuvado por Plon. Nesse ano jogou com Cacharamba, Stopirra e Moisés I. Apesar de não ter ganho nenhum campeonato a nível dos Caçulinhas da Bola, que disputou durante três épocas, Oliveira teve como primeira das várias vitórias que se seguiriam a conquista de um torneio organizado pela sua equipa. “O campeonato provincial dos Caçulinhas da Bola a nível de Luanda era extremamente forte. As equipas que mais se destacavam eram a Bolama, com o Peres, que veio a jogar pela selecção de Portugal, Dado, Zé Gordo, Tino Naleca e outros; os Kandengues do Rangel, com Kiss, Nogueira e Graça a fazerem a diferença, Enacma e outras”, disse o nosso interlocutor.

Em 1988, confiando na sua capacidade, decidiu enfrentar as camadas jovens do clube do Catetão. “Quando aqui cheguei o treinador era o Mister Santana e o Franco. Aprovei nos testes e obviamente fiquei na equipa, onde entre outros já estavam o Lemos, Kiala, Firmino, Cazão, Pepé, Dito, Santana e Clemente”, disse o kota, que agora trata dos equipamentos dos jogadores do Petro. No mesmo ano, o kota Oliveira sagrou-se campeão provincial e nacional, tendo repetido o feito em 1989. Em 1990, nos juniores e sob orientação técnica da mesma dupla de treinadores (Santana e Franco), Oliveira volta a ser campeão provincial e nacional.

Em 1990, a final do Nacional foi disputada no Huambo entre o Petro de Luanda e o Petro local, com vitória a sorrir aos petrolíferos da capital por duas bolas a zero. Em 1991, os rapazes do Eixo Viário repetiram a dobradinha, sagrando-se campeões provinciais e nacionais. A final do Nacional de 1991 foi disputada em Benguela contra o Nacional, onde pontificavam jogadores como Akwá. O Petro de Luanda venceu o jogo por 2-l. O golo dos benguelenses foi rubricado pelo inevitável Fabrice Akwá.

CARREIRA NO GIRABOLA
“Senti-me privilegiado na categoria de honras”

Em 1992, Oliveira ascende à categoria de seniores, aos 20 anos de idade. Segundo Oliveira, “Foi um grande privilégio para mim jogar ao lado de nomes como Jesus, Antoninho Lúcio, Quim Sebas, Avelino, Wilson, Ralph, Bunga, Betinho, Chico Dinis, sob o comando técnico de Carlos Queirós. “O meu primeiro jogo no Girabola foi precisamente contra o 1º de Agosto, na altura com jogadores como Mateus Fuidimau, Lucau, Nsilulo, Mwanza, Stopirra, Filipe. O Lucau era um jogador muito perigoso e criava muitas dificuldades às defesas. Felizmente consegui apagar o homem e fui considerado o homem do jogo, que empatámos a uma bola.

Oliveira recorda-se que durante o tempo em que disputou o Girabola teve vários jogos memoráveis, mas o seu primeiro jogo dificilmente é apagado da sua memória. Outro jogo memorável foi contra o 1º de Maio em Benguela. “Ambos precisávamos de ganhar. O 1º de Maio precisava da vitória para não descer de divisão e nós (Petro de Luanda) precisávamos dos três pontos para ganharmos o campeonato de 1994. Foi um jogo duro, onde o Maio tentou tudo por tudo para ganhar. Mas nós preferimos fazer um jogo com a bola de pé para pé e o Guedes acabou por marcar o golo da nossa vitória”, recordou.

PERFIL

Nome completo:
Guilherme Armando Neto
Filiação: Armando Neto e Jorgina Damião
Naturalidade e data de nascimento: Luanda, 12 de Agosto de 1972
Estado civil: Solteiro
Altura: 1,73m
Peso: 67 kg
Calçado: 40
Filmes: Policiais
Prato preferido:
Fungi de carne seca
Bebida:  Gasosa e sumos
Casa própria: Sim
Carro: Não
Inveja: Detesto
Defeito: Teimoso
Virtude: Respeitar os outros
Deus: Sim, embora não vá à igreja há muito tempo
Religião: Católica
Clube do coração: Petro de Luanda
País de sonho: Estados Unidos
Cidade Angolana: Luanda

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Jornal dos Desportos - Está satisfeito com o que ganha?
Oliveira - Por enquanto, está a dar para tapar alguns furos.

JD - Como homem ligado ao futebol, qual é a sua maior ambição?
O - De início, ser treinador principal de uma das equipas de formação.

JD - Acredita que o Petro ainda pode chegar ao titulo?
O - É mais fácil pensar no que é mais possível. Aposto na Taça de Angola.

JD - Miller Gomes é o homem certo para comandar o Petro?
O - Se o homem está aí é por alguma razão. Se não fosse competente não estava aqui no Catetão.