Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Cumprimos os objectivos traados pela direco

Jos Chaves no Kuito | - 25 de Novembro, 2010

Henrique Leite, coordenador e treinador principal do clube

Fotografia: Jos Chaves

Que balanço faz da presente época futebolística?
Apesar de termos enfrentado alguns problemas durante a mesma, as coisas correram da melhor maneira possível. Cumprimos os objectivos traçados pela coordenação técnica e só nos resta continuar a trabalhar com mesma humildade.

Falando em dificuldades, quais foram as principais?
Uma das principais foi a falta de jogos de controlo, na medida em que não existem na província equipas de juniores. Por isso mesmo, tivemos de disputar o Campeonato Provincial Unificado Seniores/Juniores. Com o termo do "Provincial", já não temos adversários com quem jogar. Vamos manter contactos com equipas de províncias vizinhas, sobretudo do Huambo e Benguela, com o intuito de realizarmos jogos particulares que darão mais rodagem competitiva aos atletas.

O "Provincial" foi a única competição que tiveram durante este ano?
Participámos num torneio na província do Huambo. Para saudar o aniversário do clube, em Maio, participamos num torneio na cidade do Kuito. Também realizamos jogos amistosos com equipas locais que disputam o Girabairro.

O clube está engajado na formação de novos futebolistas. É fácil trabalhar com os escalões de base?
Nos primeiros dias foi difícil, porquanto a maioria dos atletas que compõe os juniores veio dos escalões de iniciados, passaram para os juvenis até atingirem a actual categoria.

Quantos atletas possuem?
O clube tem inscritos na Associação Provincial de Futebol local 36 juniores e 33 juvenis. No fim de cada época, são dispensados os atletas pouco produtivos, pois não podemos ficar com todos.

Como avalia a evolução dos mesmos?
É fruto de um trabalho árduo e ambicioso, no qual não podemos esquecer o grande contributo dado pelo professor Waldemar Serdeira, que dirigiu o projecto durante dois anos, tendo terminado o contrato no passado mês de Julho. No início do projecto, recebemos muitos jogadores, mas apenas alguns ficaram.

O professor Waldemar Sedeira esteve à frente do mesmo durante dois anos. O que ganharam com a passagem do técnico brasileiro pelo clube?
Ganhamos muito. O professor participou na criação da escola, ajudou na formação de atletas, pela vasta experiência que possui. Os seis treinadores que trabalham aqui ganharam muito com a passagem dele.

Podemos acreditar que o trabalho dele foi uma mais-valia...
Obviamente. Hoje, os jogadores estão bem encaminhados. Nós, os treinadores, também tivemos o nosso aproveitamento em questões tácticas e técnicas.

Agremiação pretende regressar ao Girabola´2012

Quando pensam regressar ao Girabola?
Se continuarmos a trabalhar da mesma forma, penso que o Sporting regressa à Primeira Divisão em 2012. Essa é uma meta que pode ser alcançada com a ajuda de todos os atletas, equipa técnica, dirigentes, sócios e adeptos. Vamos esperar pelo pronunciamento da direcção do clube.

Como estão servidos em material desportivo?
Nada tenho a lamentar. A direcção colocou à disposição um lote de material desportivo suficiente para treinarmos sem sobressaltos. Temos bolas, calções, camisolas, meias, botas, caneleira, fatos olímpicos, etc.

E quanto a outros estímulos?
A direcção proporciona lanches nos dias de treino e de jogo.

Juniores vencem Provincial Unificado

Fale do Campeonato Provincial Unificado terminado recentemente...
A nossa equipa venceu a prova, pela segunda vez consecutiva. Temos dificuldade em realizar jogos na província e a alternativa tem sido participar no “Provincial”. Isso significa que o trabalho nas escolas do clube está a dar frutos.

Que significado tem essa conquista?
Considero-a honrosa, brilhante, na medida em que havia seis equipas, cinco das quais seniores, a disputar o ceptro. Ainda assim, conseguimos jogar em pé de igualdade durante toda a prova.

Como avalia o nível das outras equipas intervenientes?
Apresentaram-se bem, apesar das dificuldades que atravessa a maioria delas. O Desportivo de Kamacupa e o Desportivo do Kunhinga foram as grandes surpresas.

Que futuro reservam para o escalão de juniores?
Continuaremos a cultivar o espírito de conquista nos jogadores, para alcançarmos outros títulos.

Nesta fase, em que aspectos incide os trabalhos nos escalões de base?
Os jogadores, nesta fase, devem crescer em vários aspectos. É necessário terem grande atitude defensiva, uma elevada capacidade de controlo da bola, leitura de jogo, etc. Outro aspecto é a questão motora.

Que sectores garantem maior estabilidade?
Creio ser a defesa, pois é a posição em que temos jogadores mais experientes.

Como define a sua relação com os pupilos?
Nunca tive problemas. O grupo de atletas é unido. É fundamental que o treinador dê o exemplo. Eu cometo erros e tenho as minhas limitações, como qualquer outro treinador, mas há algo se sempre procuro fazer: dar o melhor de mim.

O futebol angolano debate-se com a questão da adulteração de idades. Qual é a situação do Sporting?
No clube, esse fenómeno está controlado. Ninguém tem a idade adulterada. Fazemos um acompanhamento milimétrico de todos os atletas, a partir dos iniciados. Estamos a trabalhar com os encarregados de educação e com as escolas onde os mesmos estão matriculados.

A aposta nos escalões de base

Fale de projectos futuros?
O clube continuará a apostar nos escalões de formação e nós, equipa técnica, vamos seguir as orientações dos responsáveis máximos da agremiação. Penso que este processo deve ser seguido pelos demais clubes locais e de outras zonas do país.

Depois de formados, onde serão inseridos os atletas?
O objectivo do nosso projecto de formação é contribuir para o desenvolvimento do futebol da província e nacional. Neste momento, o futebol nacional, nas camadas de formação, vive uma grande crise. O nosso clube está preparado para ajudar a superar essa situação e quer se tornar, nos próximos cinco anos, no principal “viveiro” de futebolistas do país.

Como caracteriza o futebol jovem na província?
Está em fase de reestruturação. Nesta época, realizou-se um campeonato provincial unificado, em que participaram 20 equipas, o que é um bom sinal. Aconselho os clubes locais a apostarem na massificação. Outrora, a província formou vários atletas que militaram em vários clubes da primeira e segunda divisões. É preciso recuperar esse estatuto.

BI

Nome - Henrique Nogueira Leite
Naturalidade - Kuito (Bié)
Nacionalidade - Angolana
Data de Nascimento - 2/5/1966
Peso - 80 quilogramas
Altura -1,80 metro
Cor preferida - Verde
Prato - Funje de milho com carne seca
Bebida - Sumo de frutas
Desporto de eleição - Futebol
Clube do coração - Sporting Clube de Portugal