Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Curtume sem campo

Avelino Umba - 19 de Setembro, 2014

Escola de futebol fundada h cinco anos tem formado jogadores de eleio para o desporto-rei nacional

Fotografia: Jos Soares

O projecto de formação futebolística da Escola do Curtume, que movimenta 50 crianças, nas categorias de infantis e iniciados, está ameaçado. Tudo porque o campo da Socinfex (antiga Ancotex), localizado na 6ª Avenida do Cazenga, recinto até então  utilizado para treinos e jogos oficiais, foi transformado em fábrica de blocos desde Maio último.

A reportagem do Jornal dos Desportos deslocou-se ao local e constatou o facto. Jovens angolanos e máquinas, num vai e vem acelerado, sob orientação de cidadãos chineses, trabalham a todo o gás no fabrico de blocos. 

A situação que os petizes atravessam desde Maio último deixa os membros da direcção da Escola de Futebol do Curtume agastados. O exemplo do descontentamento foi manifestado pelo coordenador técnico Francisco André "Mister Kito", que teme pelo desaparecimento do projecto, cinco anos após a sua fundação e de trabalho árduo em prol da formação desportiva e integral das crianças do Cazenga.  

Francisco André informou  que a escola vive momentos de abandono com a transformação do local de aprendizagem do ABC do futebol em fábrica de blocos, numa altura que o Chefe de Estado chamou a atenção para uma aposta mais séria nas camadas de formação, com realce para os sub-10. 

"Nós (Escola de Futebol do Curtume) estamos numa situação de abandono. Fundada em 2009, com a participação directa da Administração Municipal do Cazenga, a escola alberga mais de 50 crianças nos dois períodos, uns de manhã e outros de tarde, de acordo com o horário escolar. De algum tempo a esta parte, fomos despejados do espaço que era usado para a prática de futebol.  Recorremos ao dono do espaço, que é o Ministério da Defesa, pelo qual fomos pura e simplesmente ignorados. Esta situação fez com que procurássemos a Administração Municipal, na qualidade de nossa parceira, mas também ela nos abandonou",  disse Mister Kito.

A direcção da escola, segundo o coordenador técnico, tem feito vários contactos para que se "reponha a legalidade", porém, não têm surtido efeitos, a começar pela Administração Municipal, no qual o seu titular pede que seja solicitada uma audiência, o que já foi feito. 

"Pedimos para falar com o administrador  municipal, na possibilidade deste encontrar uma solução, mas infelizmente pede que marquemos uma audiência, para além de uma carta endereçada a ele, algo já feito, mas que até aqui não mereceu qualquer resposta,  situação que nos está a deixar bastante agastados", frisou.

Francisco André revelou que dos passos dados pela direcção da escola, com realce para a Casa de Segurança da Presidência da República e a Direcção Provincial da Juventude e Desportos de Luanda, ainda não obtiveram qualquer resposta. 


NOVO CAMPO
Direcção quer terreno
no bairro dos  Munlevos


A direcção da Escola de Futebol do Curtume vai solicitar à direcção do Gabinete Técnico de Reconversão do Cazenga e do Sambizanga, a cedência de um espaço, localizado próximo às antenas do Mulenvos, para projectar o seu campo, pois o mesmo recinto pode ser útil para aquilo que são as pretensões da instituição, soube o Jornal dos Desportos do coordenador técnico Francisco André.

"Estamos a envidar esforços para contactar  Bento Soito, uma pessoa que presta bastante atenção ao desporto e ao futebol em particular, a julgar pelo facto de o mesmo ter prometido que dentro das reconversões dos municípios do Cazenga e Sambizanga, estão espaços para a prática desportiva. Desta forma e como nós estamos na rua, vamos bater à porta desta entidade para ver a nossa situação solucionada com a cedência de um espaço para o efeito",  disse.

Ainda de acordo com o coordenador técnico do Curtume, muitas das crianças e jovens que fazem e fizeram parte da equipa, os seus registos de nascimentos foram feitos com ajuda da direcção da escola, pois  os pais não tinham condições para o efeito.

"Os pais chegaram até nós e disseram que os seus filhos não estavam registados e nós ajudamos a registá-los", disse.

A Escola de Futebol do Curtume movimenta apenas os escalões de infantis e iniciados. Contudo, segundo Francisco André, existe em carteira a inclusão da categoria de juvenis (sub-17) a partir do próximo ano.

"Nesta altura ainda não temos juvenis, mas para o próximo ano, pretendemos arrancar com este escalão, com objectivo de encaminhá-los para as outras equipa e quiçá para as selecções nacionais", sustentou.
AU


JOGOS NO RODOVIÁRIO
TCUL minimiza dificuldades


As excelentes relações entre as direcções da Escola de Futebol do Curtume e da Transportadora Colectiva Urbana de Luanda (TCUL) têm sido, segundo o coordenador técnico daquela instituição, Francisco André "Mister Kito", a tábua de salvação para a realização de alguns jogos.

De acordo com Francisco André, a direcção da TCUL, através do seu Grupo Desportivo, deu o aval para que os infantis e iniciados do Curtume, utilizem o campo do  Rodoviário, mas apenas para jogos oficiais, sendo que as sessões de treinos são realizadas num espaço baldio junto à esquadra policial da "Terra Vermelha".

"A única alternativa para os jogos tem sido o campo do Rodoviário, graças a boa relação exigente entre as partes, mas para os treinos, temos tidos muitas dificuldades, pois nem todos os meninos conseguem chegar num espaço baldio que está situado junto a uma esquadra na "Terra Vermelha" em função da distância e a sua localização geográfica", lamentou.

A situação que a Escola de Futebol do Curtume atravessa, de acordo com o coordenador técnico, faz com que a rapaziada não consiga trabalhar em condições para os desafios que se esperam, a julgar pelas suas pretensões, que passam por formar bons jogadores e fornecê-los a outras equipas.

Dos "novos inquilinos" do espaço apenas silêncio. Os cidadãos expatriados que funcionam na referida fábrica de blocos negaram falar à  reportagem do Jornal dos Desportos. Os mesmos alegam que só o "chefe pode falar sobre o assunto", pois, apenas estão lá para fazerem o seu trabalho.
AU


Aposta na formação de talentos
entusiasma coordenador técnico 


O objectivo de transformar a Escola de Futebol do Curtume numa "fábrica" para formar excelentes futebolistas, apesar do momento conturbado que atravessa, continua de pé. Segundo o coordenador técnico daquela instituição desportiva, Francisco André "Mister Kito", a ideia é lançar novos talentos, à semelhança de muitos que saíram do Cazenga, casos de Mendonça (ex-1º de Agosto), Miloy (ex-Progresso Sambizanga e Interclube), Mabulu (Petro de Luanda), Dany (Recreativo do Libolo) e tantos outros que representaram e têm representado as diversas selecções nacionais. 

Estes jogadores não foram formados na Escola de Futebol Curtume, porém são do Cazenga, e Mister Kito diz que a direcção da sua instituição aproveita essas referências para colocar igualmente no mercado os seus "rebentos".  

O médio trinco/central João Quimomo "Inó", do 1º de Agosto, internacional sub-17, é a principal "mascote" formada pela Escola de Futebol do Curtume e que evolui num dos "grandes" do país.  Os jogadores com talento formados na Escola de Futebol do Curtume não se resumem ao internacional Inó, que evolui nos juvenis do 1º de Agosto. Fernando Graça, filho do músico Diabik, está na equipa juvenil do Interclube, o jovem Nelo nos juniores do FC Bravos do Maquis, enquanto que Cleidi representa a formação principal do Porcelana FC do Cazengo, do Cuanza Norte, da Segunda Divisão.

O coordenador técnico Francisco André, informou também que 60 por cento da equipa juvenil do Desportivo Norberto de Castro, que compete no Campeonato Provincial da categoria, é "produto" da Escola de Futebol do Curtume. 

Deste modo, para que o projecto de formação não morra, o que a acontecer pode levar muitas crianças às más práticas sociais, os membros da Escola de Curtume estão a negociar com a direcção do Centro Profissional do Cazenga no sentido de lhes ser cedido uma parcela de 50 por 30 metros dentro do referido centro, de formas a que a rapaziada trabalhe sem sobressaltos, ainda que seja a título provisório.


REACÇÃO
Administração 
trata do assunto


A chefe de secção da Juventude e Desportos do Cazenga, Ângela Salvador, disse em entrevista ao Jornal dos Desportos, por telefone, que o assunto relacionado com a transformação do campo da Socinfex, localizado no Curtume, em fábrica de bolos, está a ser "tratado a nível superior".  

Ângela Salvador realçou   "não ter mais nada a adiantar" e que a equipa de reportagem do JD devia contactar o administrador municipal do Cazenga, Tany Narciso, tão logo regresse de férias. 

"Não temos nada de momento para dizer, pois o caso está a ser tratado a nível superior e nesta altura o administrador encontra-se de férias. Acreditamos que tão-logo ao regresse ao trabalho  possamos ter outro desenvolvimento sobre o assunto", sublinhou.

A transformação do campo da Socinfex em fábrica de blocos ameaça o projecto de formação de futebolistas da Escola do Curtume, iniciado em 2009, com as categorias de infantis e iniciados.

O projecto, encabeçado por Santos Domingos, na qualidade de presidente da escola Desportiva, Cultural e Recreativa do Curtume, já lançou para o futebol nacional alguns talentos, como o médio trinco Inó, actualmente nos juvenis do 1º de Agosto, e titular da Selecção Nacional de Sub-17.

Outros jogadores com talento, formados na Escola do Curtume, estão ao serviço das demais equipas do país, com destaque para o Interclube, FC Bravos do Maquis, Desportivo Norberto de Castro e Porcelana FC do Cazengo.
AU 


PRESIDENTE DA ESCOLA
Santos Domingos busca parcerias


O presidente de Escola Desportiva, Cultural e Recreativa do Curtume, Santos Domingos, assegurou ao Jornal dos Desportos que a sua direcção trabalha para estabelecer parcerias com as equipas da Primeira Divisão nacional.

Com base nisso, de acordo com Santos Domingos, endereçaram cartas para as direcções dos clubes Petro Atlético de Luanda, Recreativo do Libolo, Progresso Sambizanga, Interclube e outras agremiações, mostrando interesse numa parceria, mas apenas o Petro e a Academia de Futebol de Angola (AFA)   responderam.

Santos Domingos informou igualmente que a direcção do clube petrolífero queria que a Escola do Curtume seja um núcleo daquela agremiação no município do Cazenga. 

Apesar das dificuldades que atravessam neste momento, a julgar pela falta de infra-estrutura, onde se praticava o futebol, a direcção da Escola do Curtume vai envidar todos os esforços para mudar o quadro.

E para que tal aconteça, de acordo com o presidente Santos Domingos, a sua direcção vai procurar os apoios necessários junto de algumas instâncias do Executivo, já que também são parceiros sociais, para que o projecto de formação de futebolistas não morra.

O presidente da Escola do Curtume disse  que a direcção tem dado o seu máximo para que se forme jogadores com qualidades para servir as        selecções nacionais nos diversas categorias. Para tal, o dirigente máximo da escola de futebol pede à Administração Comunal do Curtume e Municipal do Cazenga que dêem um pouco da sua atenção de forma a ajudar os petizes a saírem da delinquência, levando-os para a prática do futebol, para que possam ser capazes de servir a sociedade.

"Hoje, o Cazenga é um dos municípios com défice de campos, o que não é bom para a nossa juventude. Desta feita, peço ao administrador municipal para ver esta situação o mais rápido possível, pois quem forma um jovem no futebol está ajudar a sociedade para aquilo que se pretende, ou seja, uma sociedade saudável", referiu.
AU