Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Entrevistas

Da Petrangol para o Kabuscorp

Augusto Fernandes e Joo Francisco - 10 de Dezembro, 2012

Jos Paulo, conhecido por Zeca no mundo do futebol, 18 anos, mdio central e capito dos juniores do Kabuscorp do Palanca

Fotografia: Augusto Fernandes

José Paulo, conhecido por Zeca no mundo do futebol, 18 anos, é médio central e capitão dos juniores do Kabuscorp do Palanca. Já representou a selecção nacional de sub-17 ao lado de jogadores como Papel, Adilson, Careca, Dadão. Possui uma técnica de fazer inveja a qualquer um da sua idade.Tem grande visão de jogo, é bom distribuido de bola e resistente. Aos sete anos de idade, Zeca já dava mostras de que ia ser um grande jogador de futebol. Com uma técnica invejável, dava sempre nas vistas, chegando a parar muitos transeuntes para vê-lo jogar no bairro da Petrangol. Certa ocasião, foi passar férias em casa do pai, no bairro da Sonef. Num belo sábado foi convidado para um trumuno. Os seus dotes não passaram despercebidos ao jovem treinador Jamanta, responsável do Núcleo do Petro de Luanda na área.

Jamanta teve de pedir permissão ao pai de Zeca para que ele pudesse ser inscrito no núcleo do clube petrolifero daquele bairro, para que começasse a fazer “o gostinho ao pé”. Recebeu do seu encarregado de educação o primeiro par de chuteiras. O tempo foi passando e num jogo contra os Flaminguinhos - equipa que projectou Manucho do Valladolid de Espanha - no campo da Terra Nova, Zeca fez um grande jogo que impressionou tanto o treinador Sorte, outro membro dos Núcleo do Petro, que pediu para ficar na equipa sob os seus cuidados e na companhia de jogadores como Razão, Adilson, Gazeta e Figo, que há muito tempo treinavam no campo da Poeira. A partir daí,  o puto que tinha sido dispensado pelos seus encarregados de educação para praticar futebol apenas durante dois meses, quando se deu conta já tinha passado quatro. Não satisfeito com a situação no clube que na altura estava ligado à distribuição de electricidade,  a mãe “arrancou-o” da Sonef, pondo um final no seu vínculo com o Núcleo do Petro de Luanda. De regresso à Petrangol, Zeca continuou a jogar numa equipa da escola.

Em 2008, Zeca mudou-se para Cacuaco com a mãe e pouco tempo depois foi convidado a jogar no Zakimwena do bairro Malweka. No Zakimwena, Zeca fez grande furor, chegando a ser uma espécie de ídolo. Na equipa do Cacuaco, Zeca jogou com Tchilo, Salobra, Behuço e Kibrilha. “Quando passava pelas ruas, os miúdos e até mesmo adultos saudavam-me com grande satisfação”, recorda-se. Em finais de 2008, voltou a passar férias em casa do pai na Petrangol, onde o seu amigo Pick o convidou para jogar nos juvenis do Kabuscorp do Palanca. “Quando cheguei ao Kabuscorp a época já estava no fim e estavam a fazer novas inscrições. Fiz o teste jogando no onze principal, convenci o treinador e a partir daquele dia até hoje fiquei na equipa, onde fui sempre titular e capitão”, contou.

Altos & baixos
Primeira internacionalização


Neste período, o “faro” do treinador Nelinho, da selecção nacional de sub-17, descobriu o rapaz e de imediato convocou-o para fazer parte da selecção.“Quando cheguei à selecção de sub-17, mister Nelinho recebeu-me calorosamente. Até fiquei admirado, porque não o conhecia. Isso deu-me muita força e coragem. Porém, não consegui integrar-me naquela que devia ser a minha primeira internacionalização por não ter passaporte”, disse com uma certa tristeza no rosto. Em  2009, com todos os problemas burocráticos e migratórios  resolvidos, Zeca fez parte da selecção nacional que foi disputar o torneio da CPLP em Maputo, com Papel, Adilson, Joãozinho, Mila, Filião Careca, Diones, Dadão, Ito, Zua.

Neste torneio da CPLP, a selecção de Angola, da qual Zeca fez parte, ocupou o 3º lugar, equivalente à medalha de bronze. Depois desta competição voltou a fazer parte da selecção que disputou o apuramento para o CAN da mesma categoria, realizado nas Ilhas Reunião. No mesmo ano, Zeca ascendeu à categoria de juniores, tendo sido igualmente chamado para a selecção nacional, que na altura era orientada pelo mister Kembwa. Antes, em 2010, foi vice-campeão provincial de Luanda pelo Kabuscorp do Palanca, ficando apenas atrás do 1º de Agosto, tendo a sua equipa ocupado o terceiro lugar no campeonato nacional. Nos juniores, a nossa estrela não teve dificuldades em impor-se, merecendo completamente a confiança do técnico, que o colocou na condição de líder da equipa.

Em 2011, a sua equipa, o Kabuscorp, passa a ser considerada uma das melhores equipas de Luanda, ao lado do ASA, Petro de Luanda, Interclube e 1º de Agosto. Este ano, Zeca ajudou a sua equipa a classificar-se na quarta posição do campeonato provincial de Luanda. “O Interclube é a melhor equipa do Provincial de Luanda. Individualmente, ao longo da época fui considerado por muitos como o melhor meio campista, mas eu respeito muito o meio campo do Petro de Luanda. Se aquele trio continuar junto até aos seniores o Petro e a selecção nacional estão bem servidos”, reconheceu.

Momentos marcantes
Zeca considerou o jogo do Kabuscorp do Palanca com o Petro de Luanda em 2010, para o apuramento ao campeonato nacional, com vitória da sua equipa por uma bola a zero, como tendo sido o mais marcante na categoria dos juvenis. O outro momento marcante foi quando o Kabuscorp do Palanca jogou com o ASA, com vitória dos Palanquinos por dois a um, nos juniores. “Contra o ASA, um dos treinadores de guarda-redes do clube adversário ficou tão impressionado com a minha exibição que não se cansava de andar atrás de mim, mesmo com o jogo a decorrer, para dar-me o seu número de telefone. Isto marcou-me muito”, confessou. Por ser um jogador bastante cobiçado por várias equipas, segundo o próprio Zeca, já se sente apto a jogar nos seniores. Quem o vê jogar não tem dúvidas de que está diante de um bom jogador e que no futuro, colocado no meio campo dos Palancas Negras, aquele sector fica bem entregue.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Jornal dos Desportos - Além de jogador o que pensas ser quando
terminares os estudos?
Zeca-  Penso ser gestor de empresas

JD
- Como qualificas o treinador Bondarenko?
ZC- Não há dúvidas que ele é um treinador muito competente. Fez um grande trabalho no Kabuscorp e creio que se lhe dessem mais tempo o Kabuscorp estava sempre entre as melhores equipas do país. Infelizmente, não foi bem compreendido pela direcção.

JD
- Qual é o teu maior sonho como futebolista?
ZC - Representar bem alto o nome de Angola no exterior do país, como fazem Samuel Etó e Drogba.

JD
- Gustavo Ferrín é o homem certo para comandar os Palancas Negras?
ZC - Ainda é muito cedo para avaliá-lo, só teve dois jogos a sério contra o Zimbabwe. O tempo dá a resposta correcta a esta questão.

JD
- O que esperas dos Palancas Negras no CAN de 2013?
ZC - Angola pode surpreender o Continente Africano se o treinador
souber montar bem a equipa com os jogadores que tem.

JD
- Qual é o teu onze ideal?
ZC - Lama, Lunguinha, Bastos, Massunguna, Miguel, Chara, Pirolito, Amaro, Geraldo, Djalma e Manucho.

POR DENTRO
Nome completo: José Domingos Paulo
Filiação: Jony José e Eva Domingos
Naturalidade e data de nascimento: Luanda aos 17.12.94
Estado civil: Solteiro
Irmãos: Três
Altura: 1,65m
Peso: 60 kg
Calçado: 41
Camisola que usa : 8
Hobby: Conversar com amigos
Prato preferido: Fungi com kabwenha frita e molho de tomate Bebida: Gasosa
Filmes: Românticos
O que mais teme na vida: A morte
O que mais detesta: A mentira maldosa
Recorre à mentira: Às vezes sim, mas não com o objectivo de prejudicar outros
Defeito: Acho que sou pouco comunicativo
Virtude: Creio que sou boa pessoa
Pessoa que mais gosta: A minha mãe
Religião: Católica
Jogador que mais o impressiona: Messi
Treinador: Bernardino Pedroto
Jogador que mais trabalho lhe dá: Adilson, do Petro de Luanda
Sonho: Realizar o sonho da minha mãe